quarta-feira, 23 de agosto de 2017

AEB Entrega Estações Meteorológicas a Escolas Públicas e Particulares do DF

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada ontem (22/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que a Agencia entregou Estações Meteorológicas a Escolas Públicas e Particulares do DF.

Duda Falcão

AEB Entrega Estações Meteorológicas a
Escolas Públicas e Particulares do DF

Coordenação de Comunicação Social – CCS
22/08/2017

Izaías orienta professores a usar e instalar
as estações nas escolas.

A Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTIC) entregou no primeiro semestre deste ano, 11 estações meteorológicas didáticas a escolas das redes pública e particular de ensino do Distrito Federal, que participaram da capacitação do programa Globe no Brasil. Os dados coletados por essas estações vão auxiliar professores a compartilhar suas análises no site do Programa Globe, da Agência Espacial Norte Americana (NASA).

As estações meteorológicas foram adquiridas pela AEB e o projeto foi desenvolvido pelos colaboradores do Programa AEB Escola, os professores da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF), Jaime Antunes e Izaias Cabral, que participaram de duas edições do workshop do Globe em Brasília. A pequena estação faz parte do projeto Rede de Estações Meteorológicas Didáticas (Remade), de autoria do professor Jaime.

De acordo com Izaias as estações foram desenvolvidas com material alternativo e adaptadas com sistema automático que funcionam durante todo o dia. O aparelho capta dados e envia para um servidor que guarda as informações, como temperatura ambiente, pressão atmosférica e humidade relativa do ar. Os dados das escolas comtempladas com as estações são armazenadas e podem ser acessadas diariamente no site:  www.climaescola.com.br

Ainda de acordo com o professor a iniciativa vai ajudar introduzir diversos projetos científicos nas escolas. “A aquisição das estações pelas escolas também vai incentivar o aprendizado e estimular a habilidade de estudantes a trabalhar com técnicas científicas”, ressaltou.

Os dois professores estão participando do processo de treinamento para serem os primeiros masters training do Globe Brasil. “ Além de impulsionar o projeto das estações meteorológicas, que já existia antes da chegado do programa no país, o que me motiva a participar do Globe é a filosofia do programa que consiste basicamente em trabalhar para a melhoria do meio ambiente”, afirmou Izaías.

Orientações – Ao receberem as estações os professores foram orientados sobre uso e instalação do equipamento nas escolas, como por exemplo, o local ideal para se colocar o equipamento e configuração do aparelho e inserção de relatório com dados no site Clima Escola.

O professor esclareceu a importância do comprometimento dos contemplados para dar continuidade na disseminação do Globe nas instituições de ensino do país. “Para as escolas receberem uma das estações foi exigido a apresentação de um projeto de pesquisa para ser trabalhado em sala de aula, pois é necessário lançar os resultados obtidos no site programa”, destacou. Ainda de acordo com Izaias, o interessante dessa iniciativa é a possibilidade de compartilhar dados ambientes com todo o mundo.

A Escola Técnica de Brasília (ETB) em parceria com o projeto Remade pretende entregar, nos próximos meses mais 60 estações meteorológicas a escolas do DF e de Águas Lindas (GO).

Os dados ambientais coletados em escolas de diversos países são inseridos no banco de dados do Globe e podem ser utilizados em investigações científicas, tais como: atmosfera (clima), hidrologia (estudo das águas), solos, cobertura do solo (vegetação) e fenologia (estudo dos ciclos de vida animal e vegetal).

Globe no Brasil – No Brasil foram realizadas três edições do workshop. As duas primeiras edições do workshop, ocorridas em 2016, foram destinadas aos professores da SEDF, no qual foram capacitados para trabalhar na coleta de dados atmosféricos e hidrológicos.

A terceira edição foi realizada no último mês de maio, em São José dos Campos (SP), Santa Cruz (RJ) e Paranaguá/Matinhos (PR). Professores, profissionais das secretarias de saúde foram treinados para coletarem dados e propor pesquisas para combater a proliferação da Larva do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Desde o início da implementação do Globe no Brasil mais de 150 pessoas, entre professores e interessados foram treinados para trabalhar com métodos científicos desenvolvidos pela Nasa. O Globe está presente em mais de 117 escolas brasileiras. Hoje o site do Programa Globe contabiliza mais de 2.600 dados cadastrados por professores e estudantes brasileiros.

Estação meteorológica desenvolvida com material
alternativo e adaptada com sistema automático.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

O Projeto Euro/Australiano HEXAFLY e o Foguete Brasileiro VS-43 - Parte 2

Olá leitor!

Segunda-feira passada (21/08) eu postei aqui no Blog um artigo escrito por mim intitulado “O Projeto Euro/Australiano HEXAFLY e o Foguete Brasileiro VS-43” (veja aqui), tá lembrado? Pois então, no artigo em questão eu tentei trazer uma luz que explicasse o recente ensaio em banco de provas do Motor a Propelente Sólido S43, realizado pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) dia 04/07 passado na Usina Coronel Abner.

Como eu disse no artigo, esse tipo de teste sempre precede a uma missão científica ou tecnológica especifica, e sendo assim, era um indicio de que algo significativo estava por vir, já que o emprego deste motor (com o fim do Programa do VLS-1) só poderia se referir ao antigo e até então abandonado projeto do Foguete de Sondagem VS-43.

No entanto leitor, no atual momento de total abandono do Programa Espacial Brasileiro (PEB) não existia nem recursos financeiros ou mesmo qualquer projeto em curso no Brasil que justificasse o emprego deste foguete e, portanto, a missão em questão só poderia ter uma origem, ou seja, estrangeira.

Foi então que pesquisando na net descobrir um pequeno artigo em inglês intitulado “HEXAFLY ‐ INTProject: Design of a High Speed Flight Experiment” que pode ser a explicação para este teste do Motor-S43, porém alguns questionamentos expostos por mim neste artigo ainda permaneciam, ou seja:

* Será mesmo que o IAE faria o voo de qualificação deste novo foguete de sondagem com uma carga útil tão significativa (e cara) e ainda por cima (supostamente) fora do território brasileiro?

* Ou este lançamento seria realizado do Brasil?

Pois é, navegando na net hoje pela manhã descobrir um outro artigo (este mais completo – veja aqui) com o mesmo título do primeiro e que responde há ambas perguntas acima. Ou seja, sim, o IAE arriscará a fazer o voo de qualificação deste novo foguete tendo abordo esta significativa carga útil internacional, mas o lançamento será mesmo realizado (segundo outras fontes provavelmente em meados de 2019 e não mais 2018) do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), repetindo assim exemplos anteriores com outros voos de qualificação de foguetes distintos (VSB-30 e VS-30/Orion) que contaram com envolvimento alemão (DLR-Moraba).

Ora leitor, vale aqui também destacar o quanto será significativo para o Brasil e para o CLA o lançamento desta missão do território brasileiro, já que devido à importância tecnológica desta carga útil hipersônica, esta missão certamente atraíra a atenção de grande parte da mídia internacional especializada, todos eles de olho no desempenho do CLA e de seus profissionais na prestação de serviço de lançamento de artefatos espaciais. Uma grande oportunidade para a nossa Agencia Espacial propagar e vender positivamente a imagem do PEB e do CLA para Sociedade Brasileira e principalmente para o mundo, né verdade? Nem tanto, pelo menos não tendo a frente esse banana vendedor de sanduíches. Para tanto seria preciso ter um profissional serio, de extrema visão, comprometido, dinâmico e ousado a frente da AEB e não um fantoche como o Sr. Braga Coelho.

No entanto leitor, é preciso dizer que da mesma forma que o sucesso desta missão pode finalmente colocar o CLA entre as bases de lançamento de interesse internacional, um eventual fracasso poderá jogar ainda mais dúvidas quanto à capacidade do centro e de seus profissionais em realizar lançamentos contratados, colocando em dúvida todo sistema montado no centro (inclusive de segurança e em especial de contra-inteligência) os profissionais envolvidos e até a tecnologia de foguetes de sondagem brasileira (quando usados, como neste caso). Afinal leitor, é de conhecimento de todos que as duas últimas missões com experimentos realizadas neste centro de lançamento brasileiro, ou seja, a “Operação São Lourenço” em 2015, e a “Operação Rio Verde” em 2016, a primeira delas resultou numa estrondosa explosão do foguete VS-40M no momento do lançamento (acidente este ainda sem uma explicação pública por parte do IAE, situação esta que gera grandes dúvidas e teorias diversas) e a segunda que resultou também num fracasso parcial, já que o foguete VSB-30 não atingiu o apogeu necessário para a realização da maioria dos experimentos abordo. Em outras palavras, o histórico recente do CLA não é dos melhores e agora sua imagem estará em jogo nesta oportunidade em nível internacional.

Vale aqui lembrar que antes do estabelecimento desta “Operação HEXAFLY”, estava previsto para ocorrer do CLA uma outra missão ainda mais significativa, pois apesar de ser a mesma uma missão com um experimento também suborbital, ou seja, o experimento SHarp Edge Flying EXperiment 3 (SHEFEX-3), o mesmo seria realizado através do tão aguardado Veículo Lançador de Microssatélites 1 (VLM-1), que assim faria o seu voo de qualificação. Entretanto caro amigo leitor, devido a idas e voltas deste projeto, até onde se sabe esta missão SHEFEX-3 não será mais realizada do Brasil e nem mais pelo VLM-1, pelo menos não mais por um lançador brasileiro, já que até mesmo o VLM-1 é hoje mais alemão do que qualquer outra coisa. Em outras palavres, infelizmente entramos mais uma vez pelo cano.

Diante disto o sucesso da “Operação HEXAFLY” ganha uma importância extremamente significativa para a imagem do Programa Espacial Brasileiro (PEB), e a divulgação desta missão deveria ser trabalhada com visão e competência por profissionais de mídia especializados e não Zé Bundões que não enxergam um palmo diante do nariz, e muitas vezes nem querem enxergar, neste caso por motivos óbvios. Vamos aguardar os acontecimentos.

Duda Falcão

Técnicos do Suriname, Guiana e Peru Recebem no CRA do INPE Capacitação Para Monitorar Desmatamento na Bacia Amazônica

Caro leitor!

Segue agora abaixo leitor uma notícia postada ontem (22/08) no site oficial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que técnicos do Suriname, Guiana e Peru recebem no Centro Regional da Amazônia (CRA) do instituto, capacitação para monitorar desmatamento na Bacia Amazônica.

Duda Falcão

Técnicos do Suriname, Guiana e Peru Recebem
Capacitação Para Monitorar Desmatamento
na Bacia Amazônica

Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

De 21 a 25 de agosto, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) realiza em seu Centro Regional da Amazônia (CRA), em Belém (PA), um Curso de Monitoramento de Florestas Tropicais para capacitação de 11 técnicos do Suriname, da Guiana e do Peru. Em seus países, eles estarão aptos a aprimorar o trabalho dos governos locais para contribuir na redução dos índices de desflorestamento. Ministrado em inglês, o curso tem como instrutores Carlos Da Costa e João Felipe Kneipp.

Uma das principais causas da derrubada de árvores no Suriname é a mineração ilegal. A representante do governo surinamês, Ilgia Holpel, que está em Belém para a capacitação, declarou que 93% da área do país ainda é floresta, porém da área desmatada a maior parte é originada pela mineração.

“No Suriname, o que se está a fazer são projetos não para erradicar completamente o desmatamento, mas para transformar as ações madeireiras, de agricultura e a própria mineração, por exemplo, em ações mais sustentáveis. Sustentabilidade é a palavra que norteia nosso trabalho atualmente”, comentou Holpel.

Ainda segundo Holpel, “mesmo quando se tem corte madeireiro é um corte seletivo. Se tem feito uma avaliação para não se arrancar toda a cobertura vegetal, mas sim espécies de maior poder aquisitivo, tentando, assim, manter de pé as demais espécies de árvores”, explicou.

De acordo com a chefe do Centro Regional da Amazônia e coordenadora do Projeto de Capacitação em Monitoramento de Florestas por Satélite (Capacitree) do INPE, Alessandra Rodrigues Gomes, o Suriname é um país tido como "caso de sucesso".

“O sistema de monitoramento no país iniciou e continua utilizando o software TerraAmazon, além de metodologias adaptadas a partir das que foram apresentadas durante as capacitações já realizadas por nós. Esperamos que, independente do sistema utilizado, o Capacitree e as geotecnologias possam, cada vez mais, auxiliar na diminuição do desmatamento e na sustentabilidade florestal tão necessária, principalmente por se tratar da Bacia Amazônica”, disse Gomes.

Em Belém o INPE está situado no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, onde mantém infraestrutura de ponta para realizar treinamentos como esse, com salas de aula equipadas com recursos audiovisuais e computadores. Os participantes utilizam o software TerraAmazon, desenvolvido pelo INPE para mapeamento de corte raso, de uso e cobertura da terra e, também, para medições de desmatamento.

Com o conhecimento deste software e suporte técnico do INPE, os participantes do Curso de Monitoramento de Florestas Tropicais poderão implementar ou adaptar o programa brasileiro de monitoramento de florestas tropicais em seus próprios países através de salas de observação.

Diferente do Suriname, a Guiana ainda não utiliza o TerraAmazon, mas engenheiros como Justino Manuelo da Silva estão vindo ao Brasil com certa regularidade para ganhar habilidade com o sistema. O representante do governo guianês contou ao INPE que a comissão florestal do país está trabalhando para uma redução principalmente no corte madeireiro, tanto o legal quanto o ilegal e, segundo ele, o TerraAmazon será bastante útil para tal.

Os treinamentos realizados no INPE Amazônia integram o Projeto Monitoramento da Cobertura Florestal Amazônica, que a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) mantém em parceria com o INPE desde 2010, executado atualmente com financiamento do Fundo Amazônia e administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Desde 2010 acompanhamos todas as ações dos países membros da OTCA (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela), de quem o INPE é parceiro técnico. Importante mencionar que estamos fechando um ciclo de anos de cooperação técnica, de capacitações e de parceria. Nesse período centenas de técnicos foram treinados, muitos programas de monitoramento foram incentivados e o INPE fica muito satisfeito por ter colaborado na transferência de conhecimento, essa que é uma das missões do CRA”, disse Alessandra Rodrigues Gomes.

O repasse de informações sobre o sistema brasileiro de monitoramento de florestas tem permitido a outros países otimizar e buscar melhorias para atender demandas específicas. “O suporte constante ao programa de computador TerraAmazon, as constantes discussões acerca de temas relevantes na área florestal e a significativa luta contra o desmatamento fizeram com que os países entendessem essa cooperação técnica e desfrutassem de todo o material didático que está sempre à disposição”, completa a chefe do CRA e coordenadora do Projeto Capacitree.

A OTCA é responsável por toda a logística que traz e mantém os participantes no Brasil. Ao INPE, através de seu Centro Regional da Amazônia, compete a capacitação dos participantes com base em sua experiência de 30 anos monitorando a floresta amazônica brasileira. A cooperação com o INPE reforça o empenho da OTCA para um monitoramento mais amplo da Amazônia, viabilizando que os demais países sulamericanos se juntem ao Brasil para um monitoramento florestal mais eficiente.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

terça-feira, 22 de agosto de 2017

TV Maranhense Exibe Série Sobre PEB - Parte 2

Olá leitor!

Segue abaixo a segunda reportagem da série sobre o Programa Espacial Brasileiro (PEB) que esta sendo apresentada pelo o “Jornal JMTV 2ª Edição da TV Mirante” de São Luís-MA, esta exibida hoje 22/08, quando se completou 14 anos da explosão na Base de Alcântara que interrompeu o PEB matando 21 profissionais e mudando os rumos do programa.

Aproveitamos para agradecer ao nosso leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio deste vídeo.

Duda Falcão

Estudante Brasileira Integrante de Grupo Que Descobriu Asteroides Viaja Para a NASA

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (21/08) no site “G1” do globo.com, destacando que a estudante brasileira, Mylena Peixoto, que integrou um grupo responsável pela descoberta de cinco asteroides, viajou para a NASA, nos EUA, para assim participar de projeto internacional de "Caça aos Asteroides".

Duda Falcão

NORTE FLUMINENSE

Estudante Que Descobriu Asteroides
Viaja Para a NASA, nos EUA, em Projeto

Mylena Peixoto, de 16 anos, é de Campos, RJ, e vai nesta quarta (21).
Grupo de 10 jovens brasileiros fará curso de análise de imagem.

Do G1 Norte Fluminense
21/09/2016 - 11h17
Atualizado em 21/09/2016 - 15h35


A estudante Mylena Peixoto, que integra o grupo responsável pela descoberta de cinco asteroides durante o trabalho de pesquisas desenvolvido no Clube de Astronomia de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, viaja nesta quarta-feira (21) para a sede da Nasa no Texas (EUA). Aos 16 anos de idade, ela foi selecionada pelo projeto internacional "Caça aos Asteroides" e vai participar de reuniões, estudos e fará um curso de análise de imagem de radiotelescópio junto com outros nove jovens brasileiros.

"Eu estou muito ansiosa. Meu coração está acelerado", revela a aluna do 3º ano da Escola Técnica Estadual (ETE) João Barcelos Martins, unidade da Faetec em Campos, que acabou de ser aprovada no vestibular de Ciências da Natureza do Instituto Federal Fluminense (IFF). Os selecionados no projeto internacional vão conhecer o Johnson Space Center e o National Radio Astronomy Observatory, em Virginia.

“Fui sozinha em
busca de patrocínio
já que meu pai
trabalha muito"

Mylena Peixoto”

Para Viajar, Mylena Teve Que Vencer Mais um Desafio

Filha de Cristiano Rangel, de 43 anos, que trabalha como porteiro em um hospital da cidade, ela mobilizou amigos e professores para arrecadar dinheiro para a viagem, que segundo os cálculos dela, terá um custo aproximado de R$ 8 mil.

"Desde o princípio eu sabia que não teria condições, então comecei a buscar alternativas. No começo as pessoas ficavam desconfiadas, porque eu só tenho 16 anos e fui sozinha em busca de patrocínio, já que meu pai trabalha muito. Depois que fui capa de um jornal da região, comecei a ganhar a confiança do pessoal. É um orgulho muito grande saber que se não fossem as pessoas, professores, alunos e amigos, e minha família, eu não teria conseguido", disse a estudante, que vai com o pai para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, e tem vôo marcado para as 20h30.

(Foto: Arquivo Pessoal)
Mylena recebeu doações de diversas instituições.

O roteiro de viagem da jovem inclui uma reunião com a equipe da Agência Espacial no Texas e um curso de análise de imagem de radiotelescópio. Depois, o grupo vai a Washinton D.C conhecer Patrick Miller, coordenador do projeto de busca a asteroides que foi a porta de entrada dos estudantes para a viagem.

Dedidação e Apoio da Família

A estudante mora com o pai, a madastra e o irmão de 2 anos. Ela descobriu que havia sido selecionada para o projeto no início do ano.

"Esse projeto caça asteroides no mundo inteiro e auxilia astrônomos a tentar proteger o Planetta Terra com vários grupos espalhados pelo mundo. Em Campos, foram 14 grupos de escolas municipais e estaduais, e eu vou representando o meu grupo, que descobriu cinco asteroides orbitando entre Marte e Júpiter".

A adolescente conta que para identificar os asteroide foram necessárias horas de dedicação e observação dos objetos celestes em movimento em órbita.

"Analisamos, durante muito tempo, através de um programa de computação astrométrica, diversos pontinhos que se deslocavam em uma imagem preta, branca e cinza. Não foi um trabalho fácil, mas o retorno foi gratificante", comemora a estudante.

(Foto: Arquivo Pessoal)
Mylena recebeu certificado internacional do projeto.

Futuro

A viagem termina no dia 30 de setembro e Mylena pretende seguir na área da astronomia. Apesar da aprovação no vestibular do IFF, ela terá que esperar para assumir a vaga, devido a idade.

"Descobri que tenho um talento na área. Existe carreira na astronomia e dá para conciliar com as ciências da natureza, que é o que quero".

Os asteroides observados por Mylena Peixoto receberam provisoriamente os nomes de P10odrM, P10ovCY, P10oCwi, P10oCAs e P10ouCr. Daqui a cinco anos, a estudante terá que batizar oficialmente os corpos celestes. Ela adianta que fará uma homenagem aos familiares e ao coordenador do projeto, Patrick Miller.


Fonte: Site “G1” do globo.com – 21/08/2017

Comentário: Pois é grande garota, perseverante, dinâmica, inteligente e completamente comprometida com o que faz. Essa é a receita do sucesso e não é por acaso que já esta colhendo frutos. Sucesso Mylena. Aproveitamos para agradecer a leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio do vídeo que acompanha essa matéria.

IAE Homenageia os 21 Heróis de Alcântara

Olá leitor!

O Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) fez hoje em seu site oficial uma homenagem aos 21 heróis brasileiros mortos no acidente com o VLS-1 em 22 agosto de 2003.


Duda Falcão

Fox News Mostra Suposta "Nave Extraterrestre' Sobrevoando Congresso Norte-Americano (VÍDEO)

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante notícia postada ontem (21/08) no site do “Sputniknews - Brasil”, destacando que o Canal FOX NEWS mostrou recentemente suposta 'nave extraterrestre' sobrevoando Congresso Norte-Americano.

Duda Falcão

MUNDO INSÓLITO

Fox News Mostra 'Nave extraterrestre' Sobrevoando Congresso Norte-Americano
(VÍDEO)

Sputnik News Brasil
21/08/2017 - 10:19
Atualizado 21/08/2017 - 10:28

© AFP 2017/ RANDY RODRIGUEZ

Um vídeo recente do canal Fox News fascinou os ufólogos que detectaram um objeto desconhecido que passou por cima do Capitólio norte-americano.

Não, seus olhos não o traíram. Um objeto que lembra uma nave extraterrestre sobrevoou realmente o Capitólio norte-americano onde se reúnem os congressistas.

Os ufólogos não conseguiram passar ao lado desta ocasião e iniciaram uma investigação para determinar a origem do objeto misterioso que passou perante as câmeras a grande velocidade.

O vídeo engrossou a base de dados da Rede Mútua de OVNI (Mutual UFO Network, MUFON) acompanhado do comentário de um telespectador de Rolling Meadows, um município no estado de Illinois que não dizia praticamente nada: "Este objeto sobrevoou o prédio do Capitólio quando eu assistia a Fox News".


O objeto mostra ser cilíndrico e brilhante quando se examina o vídeo em movimento lento. Portanto, a forma vista no vídeo pode não corresponder à forma real porque o objeto passou perante a câmera a alta velocidade, sublinha o portal Openminds.


Fonte: Site Sputniknews - http://br.sputniknews.com/

Comentário: É um pássaro, é um avião, não é o super homem, kkkkkkk. Deixando as brincadeiras de lado leitor, tá ia um desses fatos inexplicáveis, aconteceu durante a transmissão do CANAL FOX NEWS nos EUA e o que pode ser? Será um inseto passando próximo da lente da câmara, será um pássaro, será um objeto interdimensional, será uma sonda ou uma nave de origem extraterrestre, o que será? Ora para se tentar saber o mesmo tem de ser objeto sério de estudo, e não alvo de explicações estapafúrdias de cientistas arrogantes e irresponsáveis como tantos que se tem por ai, inclusive no Brasil. A Sociedade humana precisa de uma resposta, independentemente de vocês gostarem dela ou não. Chega de planetas Vênus da vida (essa é ótima e muito usada para explicar avistamento em voos de empresas aéreas) ou mesmo o fato de por sermos incapazes de vencer as gigantescas distancias do universo os supostos Aliens seriam também, como se assim fossemos algum supra-sumo do universo. Pois saibam, não somos seus arrogantes de merda, mexam-se e façam o seu trabalho.

Detalhe Inesperado Aparece em Foto do Eclipse

Olá leitor!

Segue abaixo uma curiosa notícia publicada ontem (21/08) no site da revista “VEJA” destacando que em foto da NASA detalhe inesperado apareceu durante o recente Eclipse Solar.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Detalhe Inesperado Aparece em Foto do Eclipse

A Estação Espacial Internacional passou em frente
ao Sol bem no momento do evento

Por Da redação
Revista Veja
21 ago 2017, 20h49

Foto: NASA (NASA/Divulgação)
Eclipse Solar

Milhões de americanos assistiram, através de telescópios, câmeras e óculos de proteção descartáveis, ao momento em que a Lua apagou o Sol, no primeiro eclipse solar total a cruzar os Estados Unidos de costa a costa em quase um século.

Uma foto tirada pela NASA captou, além da beleza do fenômeno natural, um detalhe bastante inesperado. A Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) cruzou o céu e passou em frente ao Sol bem no momento do eclipse.

A foto tirada pelo fotógrafo da NASA Joel Kowsky captou perfeitamente o instante em que a minúscula silhueta do ISS se aproxima do astro. A imagem foi capturada da cidade de Banner, no Wyoming.

A agência espacial americana também registrou em vídeo o momento em que a Estação Espacial passa ao lado do Sol, a uma velocidade aproximada de 8 km/seg. Uma câmera de alta velocidade, que filma 1.500 quadros por segundo, foi usada para capturar o evento.



Fonte: Site da Revista VEJA - 21/08/2017

Comentário: Que bela foto, realmente magnífica, né verdade? Interessante que nessa foto ninguém tem dúvida que seja a ISS, e isso se dá devido as diversas informações já conhecias e por demais divulgadas, nem mesmos os arrogantes da comunidade científica que se sentem ameaçados por talvez terem durante as suas vidas acreditado no que pode ser uma grande mentira, e por conta disso, tentam de todas as formas esconder da sociedade humana fatos inexplicáveis que deveriam esta sendo estudados (esta é a função da ciência) ou optam por explica-los com desculpas esfarrapadas e estapafúrdias sem contudo pesquisarem efetivamente o fato. Veja na matéria seguinte um desses fatos recentes ainda inexplicado e que precisa ser adequadamente pesquisado.

Pato de Minas Cria Clube de Espaçomodelismo

Olá leitor!

Desde bem garoto sempre ouvir de meu pai e de sua mãe (minha avo - uma bela senhora loira de olhos bens azuis no alto de seus 1.80m que parecia uma alemã) o ditado: “A César o que é de César”, e diante disto durante toda a minha vida procurei adotá-lo em todas as minhas atitudes, sempre dando o mérito adequado a todos que cruzaram o meu caminho nos 53 anos dessa minha trajetória de vida, fossem eles para contribuir ou mesmo para me prejudicar, todos eles receberam o que mereciam.

Portanto caro leitor, quando recebemos um e-mail como este abaixo enviado ao Blog no final da noite de ontem pelo Sr. Sérgio Melo Moraes, integrante do “Clube de Espaçomodelismo de Patos de Minas-MG (CEPA)”, muito nos alegra e nos incentiva a continuar o nosso trabalho.

“Olá Duda Falcão, boa noite !

Minha liberdade ao cumprimentá-lo está no fato de eu já estar familiarizado com seu nome pelo blog.

Antes de mais nada, gostaria de parabenizá-lo pelo blog. São brasileiros de seu calibre que fazem as ideias florescerem e irem para frente neste nosso Brasil abandonado.

E foi através do incentivo de seu blog que fomos impulsionados e incentivados a reacender a chama do Espaçomodelismo em nossa cidade. O CEPA ( Clube de Espaçomodelismo de Patos de Minas-MG) criou no Facebook uma página direcionada ao assunto, com o intuito de incentivar professores e alunos de nossa região a gostarem deste esporte ou hobby que é o Espaçomodelismo.

Quem sabe um dia poderemos estar nas páginas do Brazilian Space representando nossa cidade em alguma Competição de Foguetes !

No facebook está Sérgio Melo Moraes, visite-nos, será uma honra. Nossos desejos de uma melhora rápida em sua saúde devido ao infeliz acidente ocorrido com você.

Tudo de bom !

Sérgio Melo Moraes
CEPA-MG”

Caro Sr. Sergio, muito me envaidece as sua palavras e o seu reconhecimento ao meu trabalho incentivando-me a continuar lutando por um país melhor para os nossos descendentes, ou seja, na construção de uma nação verdadeiramente formada por cidadãos, e não piratas oportunistas e egocêntricos como infelizmente ocorre hoje. Precisamos mudar isto, e a sociedade esclarecida e preocupada com toda esta situação precisa entender definitivamente que não existe nação sem Cidadania.

Não adianta nada ter bons professores, boas escolas, alunos motivados e querendo aprender sem que haja o entendimento dos mesmos do que seja realmente cidadania desde o ensino fundamental, caso contrario, formaremos profissionais qualificados, é verdade, mas de índole discutível, só interessados em direitos e só preocupados com os seus próprios umbigos e não em prestar um bom serviço a sua comunidade como cabe a um cidadão de uma verdadeira nação. Esta Sr. Sergio é a minha luta, a minha missão, herculana sem dúvida, mas a semente já esta sendo plantada e felizmente não só por mim.

Quero aqui parabenizar publicamente ao senhor e a todos os envolvidos com esta iniciativa do CEPA, e desejar ao mesmo tempo sucesso, aproveitando para sugerir a vocês que criem no Facebook uma página específica para o clube, pois assim ficará mais fácil a comunidade do Espaçomodelismo do país acompanhar as suas atividades. Desde já contem com o Blog quando precisarem e boa sorte.

Duda Falcão

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

TV Maranhense Exibe Série Sobre PEB - Parte 1

Olá leitor!

Amanhã 22/08 fará 14 anos da explosão na Base de Alcântara que interrompeu o Programa Espacial Brasileiro (PEB) matando 21 pessoas e mudando os rumos do programa.

Diante disto o “Jornal JMTV 2ª Edição da TV Mirante” de São Luís-MA iniciou no final da tarde de hoje (21/08) apresentar uma série que irá tratar deste assunto. Veja abixo a primeira reportagem deste série.

Aproveitamos para agradecer ao nosso leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio deste vídeo.

Duda Falcão

Em Dia de Eclipse, NASA Destaca Fotografia Astronômica de Brasileiro

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (21/08) no site do jornal “O Globo” destacando que em dia de eclipse, NASA destaca fotografia astronômica de brasileiro.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Em Dia de Eclipse, NASA Destaca
Fotografia Astronômica de Brasileiro

Imagem capturada no deserto do Atacama mostra
o arco da Via Láctea sobre um vulcão

Por Sérgio Matsuura
21/08/2017 - 17:00
Atualizado 21/08/2017 - 17:26

Foto: Carlos Fairbairn
Imagem produzida pelo brasileiro Carlos Fairbairn
foi publicada pela NASA.


RIO — No dia do ano mais esperado pelos astrônomos americanos por causa do eclipse solar, a NASA selecionou como “Imagem Astronômica do Dia” uma fotografia produzida pelo brasileiro Carlos Fairbairn. A imagem foi captada em maio, no deserto do Atacama, no Chile, e mostra o arco da Via Láctea sobre a caldeira de um vulcão extinto.

  “Às vezes, o céu simula o chão”, diz o texto de apresentação publicado pela agência espacial americana. “O primeiro plano da imagem engloba a borda da caldeira de um vulcão extinto. Ecoando poeticamente o mergulho abaixo está o arco da nossa galáxia da Via Láctea acima”.

A agência americana destaca que a fotografia mostra ícones da vista noturna do Hemisfério Sul, com o Centro da Via Láctea à esquerda, seguido pelo brilho alaranjado da supergigante vermelha Antares, o Cruzeiro do Sul ao centro, e os tons vermelhos da Nebulosa de Gum fechando o arco.

“Logo acima do horizonte e dividindo dois picos vulcânicos distantes está a Grande Nuvem de Magalhães, a maior galáxia satélite da Via Láctea”.

Diariamente, a NASA publica uma fotografia astronômica escolhida entre trabalhos produzidos em todo o mundo, sobretudo por astrônomos profissionais armados com potentes telescópios, o que não é o caso do brasileiro.

— Em um dia tão especial como esse, com o mundo antenado em uma efeméride astronômica é duplamente especial ter uma foto minha publicada pela NASA — disse Fairbairn.

A imagem foi produzida no altiplano chileno, a duas horas de viagem da cidade de San Pedro de Atacama. A maior dificuldade, contou o fotógrafo, foi suportar o frio e a altitude de 4.800 metros no local.

— O grande barato dessa publicação é que muitas pessoas ligadas em astronomia ao redor do mundo podem ver a imagem e ler o texto feito pela própria NASA sobre os objetos celestes — disse Fairbairn.

OBS: Veja abaixo a reportagem exibida hoje (21/08) pelo Jornal JMTV 2ª Edição da TV Mirante de São Luís tendo como destaque  este fenômeno espetacular.



Fonte: Site do Jornal o Globo - http://oglobo.globo.com

Comentário: Pois é, parabéns ao astrônomo brasileiro Carlos Fairbairn pelo reconhecimento da NASA ao seu trabalho. Aproveito para agradecer também ao leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio desta notícia e do vídeo que acompanha essa matéria.

Joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission Will Unlock Complex Equatorial Phenomena, Lay Groundwork for Better Space Weather Prediction

Hello reader!

It follows a release published on day (08/03), in the NASA’s website, highlighting that joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission will unlock Complex Equatorial Phenomena, lay groundwork for better Space Weather Prediction.

Duda Falcão

RELEASE 17-053

Joint NASA-Brazil SPORT CubeSat Mission Will
Unlock Complex Equatorial Phenomena,
Lay Groundwork for Better Space
Weather Prediction

Editor: Kristine Rainey
Aug. 3, 2017
Last Updated: Aug. 4, 2017

Credits: NASA/Jim Spann
At Brazil’s National Institute for Space Research Integration
and Testing Laboratory, the SPORT team checks out a
prototype SPORT CubeSat fabricated by Technical
Aeronautics Institute in São Paulo.

NASA and a team of Brazilian space researchers have announced a joint CubeSat mission to study phenomena in Earth's upper atmosphere -- a region of charged particles called the ionosphere -- capable of disrupting communications and navigation systems on the ground and potentially impacting satellites and human explorers in space.

Two phenomena in the ionosphere -- equatorial plasma bubbles and scintillation -- have impacted radio communication systems, satellite technologies and global positioning system (GPS) signals for decades, said Jim Spann, chief scientist for the Science and Technology Directorate at NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Alabama. Equatorial plasma bubbles are regions of comparatively low density which may elongate into towering plumes during high-intensity periods. Scintillation is a unique type of atmospheric fluctuation that can interrupt radio frequencies, much like the "twinkling" effect seen in starlight when optical frequencies are disrupted.

The Scintillation Prediction Observations Research Task (SPORT) mission, funded by NASA's Science Mission Directorate in Washington, will observe these peculiar structures in order to understand what causes them, determine how to predict their behavior and assess ways to mitigate their effects.

The joint U.S.-Brazilian team, led by Spann as principal investigator, will design and launch SPORT as a CubeSat, a compact satellite about the size of two loaves of bread. It will be launched in 2019 to an Earth orbit approximately 217-248 miles high (350-400 km). Its operational phase is expected to last at least a year.

"Degraded communications and GPS signals are known to be closely linked to these  phenomena," Spann said. It's his goal to shed new light on these phenomena and inspire new operational solutions to contend with the disturbed conditions.

Credits: The Aerospace Corporation
Research scientist Dr. Rebecca Bishop, left, and
design engineer Steve Bielat of The Aerospace
Corporation in El Segundo, California, test a sensor
set to fly on the joint American and Brazilian SPORT
Cubesat mission to study disruptive phenomena
in Earth's upper atmosphere.

Protecting Brazil's Aviation, Agriculture

The Brazilian SPORT team seeks targeted solutions as well. Otavio Durão, project manager for the team at Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) in São Jose dos Campos, a São Paulo municipality, said ionospheric responses to a space phenomenon called the South Atlantic Anomaly or the South American Magnetic Anomaly -- where space radiation dips close to Earth -- negatively impacts Brazil's busy airports. "Our country is interested in refining GPS signal processing, making takeoffs and landings safer and more precise," he said. "Because so many international flights come to and through Brazil, this should be a matter of concern for all countries."

Brazil's strong agricultural industry also is concerned about the anomaly's effects on GPS, said Durão's colleague Dr. Luís Loures, the SPORT spacecraft manager at the Instituto Tecnológico da Aeronáutica in São Jose dos Campos. "Our agribusiness is always trying to increase crop productivity," he said. "One way to accomplish this is by using automated tools. But being able to precisely position those automated tractors and field sprayers, without disruption from solar phenomena, is crucial."

"As society becomes more dependent every day on space-based technology -- cell phones, self-driving cars, secure military communications -- it's critically important we first understand the environment in which our technology resides, then learn how to operate through and preserve it from potentially disruptive or damaging interference," Spann said.

Understanding the Phenomena

Building on decades of previous ground-based studies of plasma bubbles over equatorial regions, especially intensive research in Brazil and Peru, SPORT will help researchers determine what's happening in the ionosphere to stir up the bubbles, why they form along the equator and what causes them to appear at night. Plasma bubbles and scintillation are global equatorial and mid-latitude phenomena, made worse by the South American Magnetic Anomaly, where Earth's magnetic equator dips close to Earth.

"Many of the discoveries to date have been confined to a limited number of longitudinal sectors," Spann said. "SPORT will make a systematic study of the ionosphere at all longitudes around the planet, documenting the conditions that trigger formation of the bubbles, with particular focus on the South American sector."

As multiple instruments on the ground also record data, Spann said, SPORT will probe the ionosphere from above. During subsequent passes, it will study specific sectors to identify conditions favorable for developing plasma bubbles and ionospheric scintillations. These simultaneous satellite and ground-based studies will help researchers identify how the observations are related, providing a better understanding of the results at all longitudes.

The team is confident the findings will enable researchers to use physics-based models to determine the physics of plasma bubble triggers, and thus identify the resulting scintillation of radio signals that propagate throughout the turbulent region.

Credits: NASA/MSFC
In this artist's animation, the signal beamed to Earth by a generic satellite is disrupted by phenomena in Earth's ionosphere. Regions of comparatively low density called equatorial plasma bubbles, depicted here as a shifting blue band in the upper atmosphere, combine with scintillations, atmospheric fluctuations similar to the "twinkling" effect seen in starlight when optical frequencies are disrupted, to interrupt and disperse the satellite's signal. These phenomena -- which threaten satellite communications, put human space explorers at risk and often disrupt communications and navigation systems on the ground -- are the focus of the joint NASA-Brazilian Cubesat mission known as the Scintillation Prediction Observations Research Task, or SPORT mission. Funded by NASA's Science Mission Directorate in Washington and led by NASA's Marshall Space Flight Center in Huntsville, Alabama, SPORT will be launched in 2019 for a year-long data-gathering mission.

More About SPORT

SPORT science mission data will be distributed from and archived at the EMBRACE space-weather forecasting center in Brazil's National Institute for Space Research (INPE) and mirrored at the Space Physics Data Facility at NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Maryland.

The SPORT mission management team is led by Marshall alongside its international partners, the Brazilian Space Agency in Brasília, and the National Institute for Space Research and Technical Aeronautics Institute, both in São Jose dos Campos, São Paulo. Spann's team, which oversees the mission science, flight instruments and the CubeSat launch, includes researchers at Marshall; Goddard; Utah State University in Logan, Utah; The Aerospace Corporation in El

Segundo, California; the University of Texas at Dallas; and the University of Alabama in Huntsville. NASA's Brazilian partners are overseeing the development of the spacecraft; integration and testing; mission operations; data management and dissemination; and the ground observation network. The science analysis will be conducted by the entire team.

SPORT is part of NASA's Heliophysics Technology and Instrument Development for Science program. NASA's heliophysics mission includes research into the effects of the sun on Earth, its atmosphere and the planets of our solar system. To learn more, visit:


Learn more about NASA and Marshall's science mission online:


Molly Porter
Marshall Space Flight Center, Huntsville, Ala.
256-544-0034


Source: NASA’s website - http://www.nasa.gov

Comentário: Bom leitor, esta missão conjunta SPORT entre a NASA/INPE e o ITA (já abordada aqui no Blog), talvez nas entre linhas seja a última oportunidade dada pelos americanos ao Brasil no que diz respeito a projetos espaciais conjuntos, buscando assim nesta missão de baixo custo saber ate onde vai o compromisso brasileiro, já que a experiência anterior foi desastrosa na época da construção da ISS (Estação Espacial Internacional), coisa que acabou resultando na vergonhosa expulsão brasileira do projeto. Neste caso específico leitor, como é uma missão de baixo custo que utilizará uma plataforma cubesat, o risco é pequeno e qualquer pisada de bola do lado brasileiro, a própria NASA se encarregará de levar adiante o projeto, ou mesmo abandoná-lo sem grandes prejuízos. Isto é, se for o caso. Aproveitamos para agradecer ao Dr. Waldemar Castro Leito Filho pelo envio desta notícia.