sexta-feira, 30 de abril de 2010

AEB Participa de Missão Técnica na França


Olá leitor!

Segue uma notícia postada hoje (30/04) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que a agência irá participar entre os dias 3 e 7 de maio, em Toulouse, na França, da Missão Técnica Brasil-França.

Duda Falcão

AEB Participa de Missão Técnica na França

Coordenação de Comunicação Social - CCS/AEB
30-04-2010


A Agência Espacial Brasileira (AEB) participa, entre os dias 3 e 7 de maio, em Toulouse, na França, da missão técnica Brasil-França. O evento, organizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), visa fomentar e profissionalizar a gestão das pequenas e médias empresas (PME´s) ligadas ao setor aeroespacial.

Conforme o diretor de Política Espacial e Investimentos Estratégicos, Himilcon Carvalho, que participa da missão pela AEB, o setor espacial privado brasileiro vai beneficiar-se com esta iniciativa.

“Trata-se de um novo mercado no qual queremos inserir nossas empresas aeroespaciais, que já demonstram competência e maturidade suficientes para se lançar a novos desafios”, diz o diretor.

A previsão é de que 10 pequenas empresas nacionais - fornecedoras do setor aeroespacial - participem da missão, além do MDIC, BNDES, INPI, APEX-Brasil, SEBRAE, IEL, Consórcio HTA, CECOMPI, EMBRAER, entre outras instituições de apoio ao setor.

GPM

O diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Thyrso Villela, participa em Toulouse de 1º a 9 de maio, de reunião na Agência Espacial Francesa (CNES) sobre o satélite GPM-Br. O satélite brasileiro fará parte de uma rede internacional de satélites que tem como objetivo medir os índices de precipitação ao redor do mundo, principalmente em áreas continentais. O objetivo deste encontro é avaliar cenários propostos para este projeto, ainda em fase de estudos preliminares, com o apoio da França. O diretor fará também visitas a empresas do setor espacial francês.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Essa sim é uma visita técnica a um país que realmente tem muito a oferecer tecnologicamente. A França além de ter o terceiro programa espacial mais antigo em atividade no mundo é junto com a Alemanha os carros chefes da Agência Espacial Européia (ESA). O blog espera realmente que deste evento possa sair algo de produtivo em prol do PEB e das indústrias aeroespaciais do país. Quanto ao satélite GPM-Br, o mesmo é mais uma dessas novelas intermináveis que de tempos em tempos aparecem nos bastidores das atividades espaciais do Brasil. Porém, quem sabe se com o apoio da França este projeto possa realmente sair do papel. Só lembrando que o satélite FBM (Microsatélite Franco Brasileiro) já não teve essa sorte.

Desciende Tasa de Deforestación Anual en Amazonia


Olá leitor!

Segue uma notícia postada em espanhol hoje (30/04) no site chinês “spanish.china.org.cn” destacando que segundo estudos do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE) a Amazônia Brasileira registra um recorde anual de baixa taxa de desmatamento desde 1988.

Duda Falcão


Portada >Internacional > Países hispanohablantes

Desciende Tasa de Deforestación Anual en Amazonia Brasileña

10:10 30-04-2010
spanish.china.org.cn


La Amazonia brasileña perdió 7.464 kilómetros cuadrados de bosques entre agosto de 2008 y julio de 2009, la menor tasa de deforestación desde que Brasil comenzó a vigilar la región vía satélite en 1988, informó hoy el Instituto Nacional de Pesquisas Espaciales (INPE).

Con relación al período de agosto de 2007 a julio de 2008, el resultado representa una caída de 42 por ciento, indicó la entidad.

Los resultados confirmaron la previsión anunciada por el Inpe en diciembre pasado, sobre una devastación de bosques superior de 7.000 kilómetros cuadrados.

El informe trae números consolidados a partir de 400 imágenes tomadas por tres satélites e integradas en el sistema de detección Prodes (Proyecto de Monitoreo de la Deforestación en la Amazonia).

De acuerdo con el INPE, la reducción de la tasa de deforestación comenzó hace cinco años, cuando el gobierno lanzó planes para la prevención y control del problema.

"Una caída sustancial y consistente del desmatamiento ha sido verificada desde 2004", subrayó el INPE.

La mayor caída de la deforestación en el período analizado por el informe se registró en el estado brasileño de Mato Grosso (oeste), que en el pasado registró la tasa más alta de deforestación, con una reducción de 68 por ciento.

En el estado de Pará (noreste), donde se registra en la actualidad el mayor índice de deforestación (60 por ciento del total del país), la reducción fue de 24 por ciento.

La reducción en 80 por ciento de la tasa de deforestación para 2020 fue una de las metas que el gobierno brasileño presentó en la cumbre de Copenhague, durante la conferencia internacional contra el cambio climático realizada en diciembre de 2009.

Fin


Fuente: Website chino spanish.china.org.cn

Amazonia Reaches Annual Low level of Deforestation


Olá leitor!

Segue uma notícia postada em inglês hoje (30/04) no site chinês “news.xinhuanet.com” destacando que segundo estudos do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE) a Amazônia Brasileira registra um recorde anual de baixa taxa de desmatamento desde 1988.

Duda Falcão

Sci & Tech

Brazilian Amazon Sees Record Low
Deforestation Rate Since 1988

English.news.cn
2010-04-30 13:01:22

BRASILIA, April 29 (Xinhua) -- The Brazilian Amazon saw a record low annual deforestation rate since the country started monitoring the region with satellite in 1988, the National Institute for Space Research (INPE) said Thursday.

Between August 2008 and July 2009, the Amazon region lost 7,464 square km of forest, with a fall of 42 percent compared with the previous 12-month period, an INPE report said.

The results coincide with the institute's forecast in December 2009, estimating that devastation between August 2008 and July 2009 had reached a little over 7,000 square kilometers.

The INPE report was based on 400 images taken by three satellites under the PRODES (Project for Monitoring Deforestation in the Amazon) detection system.

According to the institute, devastation began to slow down five years ago, when the government launched plans for prevention and control measures.

"A substantial and consistent decline in deforestation has been observed since 2004," said INPE.

The biggest drop in deforestation was registered in the center-west state of Mato Grosso, with a reduction of 68 percent.

At the Copenhagen climate change conference last December, Brazil presented a target of reducing deforestation rate by 80 percent by 2020.


Source: Website http://news.xinhuanet.com/

CLBI Recebe Certificação ISO 9001


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (30/04) no site do “Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)” informando que o mesmo recebeu, nesta sexta-feira (30/04) o certificado de conformidade em atendimento aos requisitos da Norma ISO 9001:2008.

Duda Falcão

CLBI Recebe Certificação ISO 9001

30/04/2010

O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), sediado em Parnamirim (RN), recebeu, nesta sexta-feira (30/04), certificado de conformidade em atendimento aos requisitos da Norma ISO 9001:2008. Em cerimônia realizada na própria organização militar (OM) potiguar, o brigadeiro engenheiro Maurício Pazini Brandão, do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), fez a entrega simbólica do certificado ao tenente-coronel aviador Luiz Guilherme Silveira de Medeiros, diretor do CLBI.

A qualidade do primeiro centro de lançamento da América Latina foi atestada pela Divisão de Certificação de Sistemas de Gestão (CSG) do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), organismo certificador da norma ISO, depois de auditorias realizadas, no final do ano passado, no intuito de verificar a conformidade do sistema de gestão da qualidade e a eficiência e eficácia dos processos de trabalho relacionados ao cumprimento da missão institucional do CLBI.

Certificação - O alcance da conformidade do sistema e a conseqüente certificação são resultados das ações conjuntas e do comprometimento dos servidores da OM norte-rio-grandense, sempre com vistas na excelência da prestação de serviços de lançamento e rastreio para os diversos clientes.

A busca pela ISO 9001:2008 começou em agosto de 2006, em virtude de recomendações feitas pelo DCTA. Foi esse o primeiro passo dado na direção do alcance da certificação da qualidade aeroespacial e da integração de sistemas de gestão de qualidade, meio ambiente e saúde ocupacional.



Fonte: Site do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)

Comentário: Grande vitória para este que é o primeiro centro de lançamento de foguetes implantado no Brasil e em toda a América Latina. O blog “BRAZILIAN SPACE” parabeniza o CLBI por ter alcançado o reconhecimento de sua qualidade de atuação no cumprimento de sua missão institucional. Avante CLBI.

IAG/USP Realizará Curso de Astronomia e Astrofísica


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia 29/04 no site da “Universidade de São Paulo (USP)” destacando que a partir do dia 03/05 serão abertas as inscrições para o Curso de Introdução a Astronomia e Astrofísica do Departamento de Ciências Atmosféricas do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP.

Duda Falcão

Ciências

No IAG, Curso Introdutório Ensina Astronomia
e Astrofísica a Alunos de Exatas

Camila Camilo / USP Online
camila.camilo@usp.br
29/04/2010

Astronomia pode parecer um assunto muito distante e até curioso para a maioria das pessoas que têm pouco contato com esta ciência. Com o objetivo de apresentar melhor a área a estudantes de exatas da USP e de outras instituições, o Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP abre na segunda-feira (3) inscrições para o Curso de Introdução a Astronomia e Astrofísica. As aulas, que serão dadas em julho, se encaixam na intenção do departamento de mostrar aos alunos conhecimentos básicos, como visão geral do sistema solar, evolução das estrelas e galáxias, e também debater assuntos mais recentes.

O curso ocorre durante uma semana em tempo integral, com duas aulas pela manhã e duas à tarde. Se em um dos dias o céu estiver bom para visualização (com poucas nuvens), os participantes sairão para observação noturna. Há um observatório na cúpula do IAG com 35 cm de diâmetro e telescópios menores na parte de trás do Instituto. O programa prevê também uma visita ao planetário do Ibirapuera.

O professor do IAG Roberto Dell'Aglio Dias da Costa, que faz parte da organização junto com a professora Thaís Idiart, diz que quem ouve falar das novidades da astronomia pela mídia terá, no curso, oportunidade de tirar suas dúvidas a respeito. Isso porque o curso, mesmo com um programa de tópicos previstos, abre espaço para que os próprios alunos tragam para a sala de aula temas de seu interesse. Assim, além de, por exemplo, debates sobre os exoplanetas (corpos que giram ao redor de outras estrelas que não o Sol), podem aparecer como assunto desde o encerramento do telescópio Hubble e a operação de telescópios mais modernos, até a busca por planetas semelhantes à Terra.

Outro tema relevante que costuma despertar a atenção é a busca por planetas do tipo terrestre. O docente explica que há dois tipos de planetas: os gigantes gasosos, compostos basicamente por Hélio e Hidrogênio, como Júpiter, Saturno, Urano e Netuno; e os pequenos e rochosos como a Terra, Vênus, Marte e Mercúrio. Planetas semelhantes ao nosso são mais difíceis de encontrar devido ao tamanho. Existe hoje a expectativa de se localizá-los dentro da zona de habitabilidade, que é uma faixa de distância - nem muito perto, nem muito longe - de uma estrela, como o Sol, onde é possível haver água na forma líquida, o que é atualmente aceito como pré-condição para existência de vida.

Dinâmica

Oscar Cavichia de Morales, doutorando em astronomia do IAG, optou pela carreira após participar do curso em 2005. Ele estudava física na Unicamp e não estava muito decidido sobre que área seguir. “Foi interessante. Não conhecia muitos professores e o curso me ajudou, a saber, o que eles faziam e a conhecer melhor a área”.

O professor Roberto confirma que, para os alunos de exatas, esta é uma excelente porta de entrada para a carreira no campo da astronomia e da astrofísica. Mas os estudantes não são os únicos beneficiados. "A difusão do conhecimento é saudável e faz com que as pessoas saibam que existe ciência, que existe pesquisa e isso se reverte em apoio", explica.

Há dois outros cursos de extensão dentro do tema oferecidos pelo Departamento ao longo do ano: Astronomia, uma visão geral do espaço, destinado a professores de ensino fundamental e médio, e Astronomia para a Terceira Idade. Quem não fizer parte do público-alvo de um dos cursos, mas se interessar pelo assunto, pode agendar em grupo uma observação noturna ou palestra através do telefone , segundo a disponibilidade do Departamento.

Serviço

Os interessados no curso Introdução à Astronomia e Astrofísica podem se inscrever de 3 de maio a 25 de junho por correspondência, com taxa única de R$50,00. A ficha de inscrição, o endereço para correspondência e demais informações podem ser obtidas no site do Instituto. As aulas vão de 19 a 23 de julho no IAG, que fica na Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária, São Paulo. Os telefones para contato são / 2800 / 2814.


Fonte: Site da Universidade de São Paulo (USP)

Comentário: Esta é uma grande oportunidade para aquelas pessoas que se interessam por estes temas tão fascinantes que são a Astronomia e a Astrofísica. Portanto leitor não perca tempo, inscreva-se e comece a desvendar os mistérios do universo.

Aniversário do Blog


Olá leitor!

Há exatamente um ano atrás no dia 30/04/2009, o blog “BRAZILIAN SPACE” era criado por minha pessoa com o intuito de aglutinar em um só espaço virtual todas as notícias relacionadas com o Programa Espacial Brasileiro e suas ciências correlatas.

Nesse período de um ano de trabalho árduo e prazeroso, procurei da melhor forma possível transmitir ao leitor toda informação coletada em horas de navegação na net, deixando sempre quando assim achava necessário, comentários sobre os assuntos postados no blog.

Confesso que, quando me veio à mente a idéia da criação do blog “BRAZILIAN SPACE”, jamais me ocorreu que o mesmo alcançaria em tão pouco tempo a repercussão que tem alcançado.

Assim sendo, a minha responsabilidade junto a você leitor tem aumentado na mesma proporção do prazer que este trabalho tem me proporcionado durante este período de um ano.

Portanto, nada mais justo do que nesta data de aniversário do blog agradecer a você leitor por sua participação e pelo seu reconhecimento ao meu trabalho.

Espero assim que no segundo ano de vida do blog “BRAZILIAN SPACE” possa continuar merecedor de sua confiança.

Atenciosamente,

Duda Falcão

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Agradecimento ao IAE


Olá leitor

Venho agradecer publicamente ao Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), representado pelo seu Vice-Diretor de Espaço, o Coronel Carlos Antônio Kasemodel a gentileza de ter-me enviado uma cópia da edição comemorativa do livro “CONQUISTAS - Os Desafios e as Realizações do Instituto de Aeronáutica e Espaço” que recebi agora a pouco pelo correio.

O livro é uma coletânea de fotos e textos de extrema qualidade editorial registrando toda a história e os novos desafios a serem enfrentados pelo instituto.

Parabenizo o IAE pelo alto grau de qualidade desta edição comemorativa e agradeço uma vez mais por ter sido premiado com o recebimento de uma cópia do mesmo.

Atenciosamente,

Duda Falcão

INPE Divulga Dados Detalhados do Projeto PRODES


Olá leitor!

Segue abaixo uma noticia postada hoje (29/04) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) informando que o instituto concluiu o levantamento detalhado do desmatamento por corte raso para toda a Amazônia Legal no período de agosto/2008 a julho/2009.

Duda Falcão

Dados Detalhados do PRODES/INPE Confirmam
Estimativa de Desmatamento na Amazônia

29-04-2010

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) concluiu o levantamento detalhado do desmatamento por corte raso para toda a Amazônia Legal no período de agosto/2008 a julho/2009. Medido pelo PRODES (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal), após a análise de 400 imagens dos satélites LANDSAT, CBERS e DMC, o desmatamento no período foi de 7.464 km2.

Os dados confirmam a estimativa preliminar de 7.008 km2 divulgada pelo INPE em novembro de 2009. A diferença de 6,5% entre a estimativa e a consolidação da taxa de desmatamento está dentro da margem de erro de 10%.

Este resultado representa uma redução de 42% em relação ao mesmo período em 2007-2008. Trata-se da menor taxa anual desde que o INPE iniciou o monitoramento sistemático da Amazônia por satélite, em 1988.

Uma queda substancial e consistente do desmatamento vem sendo verificada desde 2004, quando foi criado pelo governo federal o Plano para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM). Parte desta redução se deve à iniciativa do INPE, que naquele ano criou o sistema de detecção de desmatamento em tempo real (DETER), permitindo aos órgãos de fiscalização tomar ações rápidas e eficazes de combate ao corte ilegal.

O DETER indicou no final de 2007 uma tendência de crescimento do desmatamento. Com base nos dados deste sistema, o governo federal adotou medidas para restringir a derrubada da floresta e o resultado foi a manutenção da queda do desmatamento.

Assim como o sistema DETER, o PRODES integra as ações do MCT no PPCDAM e é reconhecido como uma contribuição importante pela presteza e transparência na divulgação dos dados sobre o desmatamento na Amazônia Legal, que estão disponíveis na página www.obt.inpe.br/prodes.

A tabela abaixo apresenta a participação de cada Estado na taxa de desmatamento da Amazônia Leal em km2, de 2001 a 2009.


Foram registradas reduções nas taxas de desmatamento de todas as Unidades Federativas da Amazônia Legal, sendo substanciais as reduções observadas no Mato Grosso (-68%) e no Pará (-24%), estados que juntos contribuíram com cerca de 70% do desmatamento em toda a Amazônia Legal em 2008 e em 2009.

O Pará respondeu em 2008-2009 por 57% do desmatamento na Amazônia Legal, aumentando sua participação de 43% no período 2007-2008. No mesmo período, o estado do Mato Grosso reduziu sua participação no desmatamento total de 25% para 14%. O Maranhão em 2009 responde por 11% do desmatamento total, um ligeiro aumento em relação a 2008 quando sua participação foi de 10%. Rondônia manteve a tendência de queda desde 2004; em 2009 sua taxa de desmatamento foi menor que 1.000 km2/ano pela primeira vez desde 1988. Os demais estados somam 11% do desmatamento total na Amazônia legal em 2009.

Os gráficos a seguir apresentam as variações anuais do desmatamento desde 1998, e as taxas por estado na Amazônia Legal. Os dados detalhados podem ser obtidos no site www.obt.inpe.br/prodes.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas espaciais (INPE)

Operação Falcão I


Descrição da Campanha


Data do início da campanha: 19/04/2010
Operação: Operação Falcão I
Foguete: Foguete de Treinamento Básico (FTB)
Numero do vôo do foguete: 6
Data de lançamento: 27/04/2010
Horário: 15h
Local: Centro de Lançamento de Alcântara-MA
Apogeu do vôo: 31.680 metros
Tempo de vôo: 167 segundos
Objetivo: Lançar e rastrear o foguete para fins de certificação do mesmo, além de treinar os recursos humanos, operacionais e equipamentos do CLA.
Resultado: Operação bem sucedida

Experimentos Embarcados:

- Não houve

Instituições Envolvidas:

AEB - Agência Espacial Brasileira
DCTA - Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial
IAE - Instituto de Aeronáutica e Espaço
CLBI - Centro de Lançamento da Barreira do Inferno - Natal-RN
CLA - Centro de Lançamento de Alcântara - Alcântara-MA
IFI - Instituto de Fomento e Coordenação Industrial
AVIBRÁS - Avibrás Indústria Aeroespacial S/A

Foguete é Lançado com Sucesso em Alcântara


Lançamento do Foguete FTB - Operação Falcão
27/04/2010 - Imagens: Maurício Araya

Foi realizado, com sucesso, o lançamento do Foguete de Treinamento Básico – FTB do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. A operação, denominada Operação Falcão, ocorreu às 15h do dia 27 de abril, terça-feira. Segundo o Diretor Interino do CLA, Tenente Coronel Aviador Ricardo Rodrigues Rangel, o foguete atingiu seu apogeu a 31.680 metros do solo, com 167 segundos de vôo. Fabricado pela empresa brasileira AVIBRAS e tecnologia 90% nacional, o foguete percorreu sua trajetória e caiu em alto-mar a 17,3 quilômetros da costa.


O objetivo da operação Falcão é lançar e rastrear o foguete para fins de certificação do mesmo, além de treinar os recursos humanos, operacionais e equipamentos do CLA. Estiveram presentes durante a contagem regressiva um grupo de estudos do ITA (São José dos Campos), composto de professores e 12 alunos do curso de engenharia aeroespacial.


Está previsto o lançamento de um foguete FTI em julho de 2010, quando se estima obter sua certificação para fins comerciais com outros países que necessitam de foguetes de treinamento e para que as próximas etapas de pesquisas sejam colocadas em prática para aprimoramento e desenvolvimento de veículos de pequeno porte.


O ano de 2010 é o início de um novo ciclo na capacitação operacional do Centro de Lançamento de Alcântara em virtude da modernização do Centro de Controle e da Casamata, além da construção da nova Torre Móvel de Integração, que estarão em pleno funcionamento a partir de novembro de 2010. Essas melhorias no sistema de lançamento são consideradas o aporte para que o Brasil tenha um dos mais modernos centros de lançamento do mundo, capacitado, ainda, para lançar a nova versão do VLS que se encontra em fase de desenvolvimento no IAE (São José dos Campos).


Entrevista coletiva após o lançamento

TV Mirante - 27/04/2010

Ouça a entrevista coletiva do Cel. Ricardo Rangel após o Lançamento

http://www.4shared.com/embed/276954431/a8a836d3


Fonte: Força Aérea Brasileira (FAB)

Bolsas para Mestrado e Doutorado no INPE


Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/04) no site da Agencia Espacial Brasileira (AEB) informado que terminará amanhã (30/04) as inscrições para a seleção de mestrado e doutorado da pós-graduação em Geofísica Espacial do INPE.

Duda Falcão

Geofísica Espacial Tem Bolsas para Mestrado e Doutorado no INPE

MCT
20/04/2010


Termina amanhã (30) a inscrição para a seleção de mestrado e doutorado da pós-graduação em Geofísica Espacial do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE), em São José dos Campos (SP).

Os candidatos farão um exame de física e matemática, marcado para 6 de maio, no INPE. A coordenação do curso analisa a possibilidade de realizar as provas escritas fora do estado de São Paulo. Os candidatos ao doutorado devem, além da prova escrita, proferir um seminário sobre um assunto de Geofísica Espacial (GES), escolhido por uma comissão indicada pelo conselho do Programa GES, da qual deve fazer parte o orientador em potencial do candidato.

Os aprovados devem ter data de colação de grau (para ingresso no mestrado) ou data de defesa de dissertação de mestrado (para ingresso no doutorado) igual ou anterior a 1º de junho próximo. Há disponibilidade de bolsas Capes e do Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além da possibilidade de solicitação de bolsas para a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) juntamente com o orientador.

São as seguintes linhas de pesquisa oferecidas: Magnetosfera-Heliosfera – Maghel, Física da Ionosfera – Iono, Geomagnetismo e Indução Geoelétrica – Geoma, Física da Alta Atmosfera – Fisat, Luminescência Atmosférica – Lume, Eletricidade Atmosférica – Elat e Química e Física da Baixa e Média Atmosfera – QUIATM.

Mais informações no site ou pelo email: dallago@dge.inpe.br


Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) via Site da AEB

Comentário: Mais um importante curso de formação para o Programa Espacial Brasileiro. Parabéns ao INPE pela iniciativa.

Lançamento Ecológico


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (29/04) no site do jornal “Correio Braziliense” destacando o grande trabalho que vem sendo realizado pelo grupo paulista “Edge Of Space” no desenvolvimento de motores-foguetes ecológicos no Brasil.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Lançamento Ecológico

Grupo de pesquisadores brasileiros desenvolve combustível
para foguetes formado a partir da mistura de etanol com água
oxigenada concentrada. Além de mais seguro e econômico, o
produto promete agredir menos o meio ambiente

Silvia Pacheco
29/04/2009


A busca por combustíveis alternativos não se resume aos transportes terrestres e aéreos. Ela também é uma preocupação da corrida espacial. Países europeus, Japão e Rússia saíram na frente na busca por soluções de propelentes (combustíveis para foguete) que agridam menos o meio ambiente e não causem riscos para os seres humanos. No Brasil, o desafio da busca por um propelente “verde” pode estar perto do fim.

Projeto que conta com a participação de diferentes pesquisadores e uma empresa privada desenvolveu um propulsor que utiliza uma mistura de etanol e peróxido de hidrogênio — nada mais que água oxigenada concentrada. “Esses compostos vêm se revelando uma solução inovadora e bastante promissora. A grande vantagem é a disponibilidade do etanol e do peróxido de hidrogênio no país, o baixo custo do propelente e o motor em desenvolvimento”, afirma José Miraglia, engenheiro químico e aeroespacial e coordenador da iniciativa, que tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Segundo o pesquisador, os propelentes usados atualmente pelo Brasil são a hidrazina e o tetróxido de nitrogênio, ambos importados, extremamente caros e altamente tóxicos. “Para se ter uma idéia dessa toxicidade, quando o tetróxido de nitrogênio entra em contato com a umidade, ele se transforma em ácido nitroso”, explica o especialista.

A escolha dos pesquisadores pela combinação de etanol com peróxido de hidrogênio se deu pelo fato de que ambos são largamente produzidos pelo Brasil. No caso do etanol, a fabricação chega a 16 milhões de toneladas por ano. Além disso, o país conta com um parque industrial instalado e domínio tecnológico para a produção do combustível, comprovadamente seguro e pouco tóxico. Já o peróxido de hidrogênio é muito utilizado na indústria do papel para o clareamento da celulose, dispondo de larga produção nacional. “Comparado ao uso da hidrazina e do tetróxido de nitrogênio, a combinação que propomos é 20 vezes mais barata no consumo de propelente. O que traz uma economia importante dentro de um programa espacial”, aponta Miraglia.

Outra vantagem, considerada a mais importante pelos pesquisadores, é o baixo impacto ambiental do novo propelente. Os gases provenientes da combustão são muito menos poluentes que os utilizados pelos outros países. Isso porque entre 90% e 95% dos gases de escape do motor são compostos por vapor d’água, e o restante, por gás carbônico.

Para chegar a essa inovação, os engenheiros utilizaram um catalisador — material cerâmico desenvolvido pelo próprio engenheiro José Miraglia — que decompõe o peróxido de hidrogênio em vapor d’água e oxigênio. Essa mistura entra na câmara de combustão e pulveriza o etanol, resultando na propulsão. “O etanol pulverizado por essa mistura gera uma quantidade muito pequena de gás carbônico na combustão, por isso o escolhemos”, explica o coordenador do projeto. Existem soluções usadas por países como a Inglaterra que utilizam o metano ou mesmo o querosene de aviação. Porém, a quantidade de gás carbônico formado na combustão é muito maior.

Ensaios

A primeira etapa do projeto já foi concluída. Nela, os engenheiros construíram um motor pequeno de 10N de impulso (que gera um quilo de força) para provar a viabilidade da tecnologia proposta. Na segunda etapa, os cientistas vão construir dois motores maiores, de 10N e de 1.000N (equivalentes a 10kg e 1t de força de impulso), para testar o propelente de etanol.

Para isso, serão feitos ensaios com motores a frio e aquecidos para testar os materiais. “Utilizaremos ligas de alumínio e aços inoxidáveis para os motores a frio e apenas aços inoxidáveis nos quentes”, explica Vanderlei Neias Júnior, mestrando em engenharia aeroespacial e um dos diretores da empresa Guatifer. Já os tanques serão feitos com ligas de aços inoxidáveis para ensaios estáticos, pois não necessitam de alívio de peso. “Isso é feito propositadamente, para possibilitar ensaios com níveis de pressão no tanque acima da desejada afim de avaliar condições diversas de operação”, completa Júnior.


Fonte: Site do Jornal do Correio Braziliense - 29-04-2010

Comentário: Mais uma matéria sobre o grande trabalho que vem realizando o grupo paulista “Edge Of Space” na área de motores-foguetes ecológicos no Brasil. Esta é uma grande iniciativa em curso no país que precisa ter o apoio incondicional da FAPESP para que o projeto se desenvolva dentro do esperado. O Brasil precisa desta tecnologia inovadora e este grupo coordenado pelo engenheiro José Miraglia é altamente qualificado para atingir esse objetivo e até se tiver o devido apoio, alçar vôos mais altos. O blog “BRAZILIAN SPACE” deseja de público sucesso ao engenheiro José Miraglia e ao grupo “Edge Of Space”.

Cooperação Espacial Brasil-Venezuela


Olá leitor!

Por ocasião da visita do presidente venezuelano Hugo Chávez à Brasília foi divulgado pelos dois países o interesse de cooperar em atividades espaciais conjuntas. Abaixo segue o trecho do Comunicado Conjunto Brasil - Venezuela, divulgado ontem (28/04) pelo Ministério das Relações Exteriores que trata da cooperação espacial:

"Além disso, manifestaram sua vontade de trabalhar em conjunto para identificar projetos e/ou atividades de interesse comum que permitam iniciar, de maneira exitosa, as atividades de cooperação espacial no marco do Acordo de Cooperação em Ciência e Tecnologia Espacial firmado em junho de 2008, considerando que as aplicações pacíficas da ciência e tecnologia espacial constituem instrumento importante para o desenvolvimento de nossos países."

Caso haja o interesse do leitor por ler o acordo de cooperação em ciência e tecnologia espacial assinado entre o Brasil e a Venezuela datado de junho de 2008, clique aqui.

Duda Falcão

FAB Convida Universidades para Testes no Espaço


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (28/04) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), informando que a partir de agora a Aeronáutica está colocando gratuitamente a disposição das universidades do país foguetes para testarem seus experimentos no espaço.

Duda Falcão

Ciência

FAB Lança Foguete e Convida Universidades
para Testarem Projetos em Órbita

28/04/2010 - 16h40

O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), da Força Aérea Brasileira, na cidade de Natal, põe em órbita, nesta quinta-feira, 29, o segundo foguete de treinamento básico do ano. O equipamento deverá voar por cerca de três minutos e alcançar uma altura de 32 km.

Ouça aqui a entrevista veiculada pela Força Aérea FM:
http://www.fab.mil.br/portal/audio/barreira_do_inferno280410.mp3

A previsão é de que sejam lançados 25 foguetes nos próximos 5 anos. "Universidades de todo país poderão testar em órbita projetos científicos", afirma o engenheiro do CLBI Dolvim Dantas.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB)

Comentário: Grande notícia para o Programa Espacial Brasileiro e um grande alívio para os pesquisadores das universidades brasileiras que até então dependiam precariamente do “Programa Microgravidade” da Agencia Espacial Brasileira ou de missões de outras nações para terem acesso ao ambiente espacial. Agora com esta possibilidade aberta pelo Comando da Aeronáutica a pesquisa espacial brasileira poderá avançar satisfatoriamente. Portanto, você que é pesquisador e tem um projeto que necessite ser testado em ambiente de microgravidade entre em contato com o CLBI e boa sorte.

Preparando o Futuro Aeroespacial do Brasil


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (28/04) no site do “Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)” informando que este centro de lançamento estará realizando nesta quinta-feira (29/04) a “Operação Barreira II”.

Duda Falcão

Preparando o Futuro Aeroespacial do Brasil

28/04/2010

Temos de estar prontos para cumprir, com excelência, a missão de lançar engenhos espaciais de sondagem suborbital de porte adequado à realidade de nossa organização. Encarada dessa forma, esta operação irá, de fato, capacitar-nos para os eventos complexos que o futuro nos reserva. Assim o tenente-coronel aviador Luiz Guilherme Silveira de Medeiros, diretor do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), resume os propósitos da Operação Barreira II, que culmina nesta quinta-feira, 29 de abril, com o lançamento de um foguete de treinamento básico (FTB) a partir das instalações do CLBI, em Parnamirim (RN).

Os FTBs fabricados pela Avibras, indústria brasileira localizada em São José dos Campos (SP), atendem aos anseios da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), no tocante à garantia da qualificação técnica dos recursos humanos e à manutenção dos meios operacionais necessários às atividades do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), bem como ajudam o país a desenvolver tecnologia de vanguarda. Aqui na Barreira, explica o tenente engenheiro Luís Romeu Nunes, coordenador de planejamento da Operação Barreira II, tudo é rigorosamente testado e avaliado, desde o desempenho do foguete até a rapidez e a eficácia de todos os “passos” da operação. Esses procedimentos são importantíssimos para o sucesso do Brasil no ramo espacial.

Esses “passos” são na realidade mais de uma centena de procedimentos referentes a questões técnicas e, sobretudo, a itens de segurança. Não se pensa somente na segurança interna, mas também na externa, complementa o tenente Romeu. Numa operação como essa, contamos com a ajuda de outros órgãos, como por exemplo a Marinha do Brasil, que isola a região do mar em que o foguete irá cair. (A própria Aeronáutica também interdita, na semana da operação, o espaço aéreo em que o foguete deverá movimentar-se.) Temos sempre de pensar na segurança total de todos os envolvidos, e isso inclui as pessoas que vivem na cidade em que trabalhamos.

FTB - Capaz de alcançar altura (apogeu) de 32 km, o FTB que será lançado nesta quinta-feira carrega quase 30 kg de propelente sólido e possui cerca de três metros de comprimento. O foguete deverá voar por aproximadamente três minutos, e seu ponto de impacto será 17 km distante de seu ponto de origem, diz o capitão aviador Clóvis Martins de Souza, coordenador-geral da Operação Barreira II. Durante esse tempo, teremos condições de coletar dados físicos – temperatura, rotação etc. - que servirão para a posterior certificação e homologação dos engenhos construídos pela Avibras.



Fonte: Site do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)

Comentário: Com esta notícia fica confirmada para hoje (29/04) o lançamento da “Operação Barreira II” do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI). Consolidando-se assim (até onde o blog tem conhecimento) um marco histórico para o Programa Espacial Brasileiro. Pela primeira vez desde a implantação do PEB duas operações de foguetes foram e serão realizadas com um espaço de dois dias entre elas de sítios de lançamentos diferentes. Isto representa para o Comando da Aeronáutica e para as instituições participantes um grande esforço logístico que jamais foi realizado. O Blog “BRAZILIAN SPACE” parabeniza o Comando da Aeronáutica, o DCTA/IAE, a Avibrás e a todas as instituições e profissionais que direta ou indiretamente participaram ou ainda participarão dessas operações.

Feira de Aviação Civil 2010


Olá leitor!

Como um dos mais novos associados da Associação Aeroespacial Brasileira (AAB), o que muito me orgulha, passo a partir de hoje a postar aqui no blog as edições do boletim desta importante associação do setor aeroespacial brasileiro. Abaixo segue o mais novo boletim da instituição.

Duda Falcão

Boletim 147

Feira de Aviação Civil 2010, Aeroporto de Congonhas, São Paulo - SP

Em sua terceira edição, a Feira Nacional de Aviação Civil 2010 será realizada nos dias 28 a 30 de maio, ao lado do Aeroporto de Congonhas, e deverá receber mais de 50 mil visitantes, que poderão conhecer de perto aviões e helicópteros, participar de oficinas, entre inúmeras outras atividades.

No primeiro dia, o acesso à feira estará restrito aos alunos de escolas públicas de São Paulo, que farão uma visita guiada por monitores. Nos outros dois dias (sábado e domingo), o evento será aberto ao público, em geral. A entrada é gratuita, mas os organizadores apenas solicitam que, se possível, o visitante doe um quilo de alimento não-perecível.

A Feira Nacional de Aviação Civil é organizada pela SATOR e conta com o apoio da ANAC- Agência Nacional de Aviação Civil. Em 2008, o evento foi realizado em Brasília e recebeu aproximadamente 20 mil visitantes. No ano passado, cerca de 50 mil pessoas estiveram na feira, que aconteceu no Rio de Janeiro.

Mais informações: http://www.feiradeaviacaocivil.com.br/

A AAB levará seus Associados até a Feira de Aviação Civil no dia 29 de maio (sábado) em Van/Ônibus com saída as 08:00 e retorno as 19:00 previsto), a partir da sua Sede (CTA/Área do COCTA).

A escolha do meio de transporte dependerá do número de adesões.

Custos:

Associado ... R$ 25,00;
Acompanhante ... R$ 35,00

Obs.: em observância e atendimento à "Cartilha do Passageiro" da ANTT (http://www.antt.gov.br/passageiro/DireitoseObrigacoes/cartilha_direitosdeveres20091125.pdf), crianças até 6 (seis) anos estão isentas de pagamento, desde que não ocupem assento !

Inscreva-se desde já em: adm@aeroespacial.org.br, indicando nome do Associado e dos Acompanhantes (se houver interesse).

Por questões organizacionais as inscrições serão encerradas em 14.05.2010! Instruções para efetivação do pagamento serão encaminhadas na confirmação da inscrição.

--

AAB - Associação Aeroespacial Brasileira
Caixa Postal 6015
12228-970 São José dos Campos-SP
Escritório: CTA/ Área do COCTA
Tel.: 3947 3048 / 3018 4191
Thiago, 2a.-6a. Feira; 16-19 hs
Contato: aab@aeroespacial.org.br
Web: www.aeroespacial.org.br

Físicos Brasileiros Tiram Energia do Nada


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada ontem (28/04) no site “Folha Online” do “Jornal Folha de São Paulo” destacando que físicos brasileiros tiram energia do nada.

Duda Falcão

Ciência

Físicos Brasileiros Tiram Energia do Nada

RAFAEL GARCIA
da Reportagem Local
28/04/2010 - 9h26


A física quântica deixa muita gente confusa quando afirma que é impossível existir o nada absoluto: o espaço vazio puro. A constatação de que o vácuo possui uma energia própria, porém, já foi provada experimentalmente, e só não percebemos isso no dia-a-dia porque esse "conteúdo" do nada é muito pequeno. Uma dupla de teóricos brasileiros, porém, acaba de descobrir um modo de fazer com que a energia do vácuo aumente sem controle, num fenômeno de alta violência.

Essa energia não serviria para iluminar cidades ou mover carros, mas pode ajudar a entender alguns dos pontos mais obscuros da física moderna.

A idéia, descrita em um artigo de Daniel Vanzella e William Lima, do Instituto de Física de São Carlos, conquistou espaço na revista "Physical Review Letters", uma das mais disputadas da área. No trabalho, a dupla descreve como sacou a energia "do nada" usando um ingrediente inusitado: a gravidade, força de atração que os físicos consideram fraca.

Desdenhar o poder da gravitação pode parecer piada, mas os físicos sabem que ela perde de longe para outras forças. O exemplo clássico usado para ilustrar isso é o do ímã que ergue uma moeda: o magnetismo do ímã vence a gravidade de toda a Terra. Por isso é que o trabalho brasileiro chamou tanta atenção ao misturar o vácuo quântico com a gravidade.

"São dois conceitos que, se isolados, normalmente não desempenham papel muito dramático nas experiências do dia-a-dia, mas descobrimos que, em alguns contextos, um pode ajudar o outro a ficar dominante", explicou Vanzella à Folha.

O que ele e Lima fizeram foi aplicar as equações da energia do vácuo a um espaço onde a gravidade é fortíssima: uma estrela de nêutrons. É um tipo de astro extremamente compacto. Se uma estrela com duas vezes a massa do Sol fosse prensada até ficar com um centésimo de milésimo do tamanho, meros 25 km de diâmetro, ela seria uma estrela de nêutrons.

O que os físicos de São Carlos fizeram foi mostrar que a gravidade perto de um objeto desses iria interagir com o vácuo de forma tão violenta que campos de energia extremamente fracos seriam amplificados exponencialmente. Uma vez com o resultado nas mãos, porém, os físicos se perguntaram que tipo de energia contida no vácuo poderia sofrer essa explosão.

Desse exercício surgiram muitas perguntas e nenhuma resposta, mas um dos questionamentos levou Vanzella e Lima a um caminho promissor.

Os físicos verificaram que o eletromagnetismo, o tipo de energia cuja forma mais conhecida é a luz, não seria afetado pela gravidade de uma estrela de nêutrons da forma brutal como os físicos previam.

Vanzella imaginou se o efeito que ele previu poderia causar essa expansão de energia eletromagnética de outra forma, agindo não no contexto de uma única estrela de nêutrons, mas no contexto cosmológico.

Energia Escura

O maior desafio da cosmologia hoje é entender o que é a chamada "energia escura", força que faz o Universo se expandir aceleradamente. Físicos não sabem dizer por que o Big Bang, a explosão que deu origem ao cosmo, não está desacelerando, o que seria de esperar -já que a gravidade das galáxias as atrai umas às outras. Já se postulou até a existência de tipos de campo de força desconhecidos para tentar explicar a energia escura, sem sucesso.

"Se o efeito que nós verificamos realmente se manifesta no caso eletromagnético em contexto cosmológico, porém, seria uma possível explicação para a energia escura", diz Vanzella. "Mas isso também já é muito especulativo da nossa parte, porque ainda estamos no meio das nossas contas."

O físico diz, porém, estar confiante em que, de um jeito ou de outro, a teoria chegará a algum tipo de previsão que pode ser colocada sob teste em observações astrofísicas num futuro próximo.


Fonte: Site Folha Online - 28/04/2010

Comentário: Mais um gol da Astrofísica Brasileira. Parabéns a dupla de físicos Daniel Vanzella e William Lima, do Instituto de Física de São Carlos pelo trabalho realizado.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Artigo de Professor da UEMS é Cadastrado na NASA


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (10/03) no site “midiamax.com” destacando que um artigo do professor "Dr. Armando Cirilo de Souza", físico e pesquisador da Universidade Estadual de MS (UEMS), foi cadastrado no banco de dados da NASA.

Duda Falcão

Geral

Artigo de Professor da UEMS
é Cadastrado na NASA

Noticias MS/JL
10/03/2010 - 08:39


O artigo desenvolvido pelo físico pesquisador da Universidade Estadual de MS (UEMS), prof. Dr. Armando Cirilo de Souza, acaba de ser cadastrado no banco de dados da NASA (Administração Nacional do Espaço e da Aeronáutica), sob o título “Efeito do nitrogênio nas propriedades anelásticas de Nb e liga Nb-1,0%Zr”, fruto de sua tese de doutorado.

“Desenvolvido na área Ciência e Tecnologia de Materiais, o trabalho contribui para o desenvolvimento de novos equipamentos. Este metal é utilizado para fazer os esqueletos de aeronaves, reatores nucleares e cápsulas espaciais já que são metais de alta resistência mecânica, leves e com alto ponto de fusão”, destaca o professor.

Ainda segundo ele, o Brasil lidera o cenário mundial na oferta de nióbio, atingindo uma participação de 92,4 % da produção mundial, justificando, assim, a importância desta pesquisa.

Para a NASA, que trabalha no desenvolvimento das cápsulas espaciais, a pesquisa é inédita. “Para ter um trabalho aceito por uma entidade como esta não é fácil. O cadastro foi feito no banco de dados da Universidade de Harvard, que é operado pela NASA, porque num futuro próximo eles podem utilizar para o desenvolvimento de alguma cápsula ou compartimento das naves espaciais”, apontou Souza.

Comemorando a publicação, o professor destaca: “Um trabalho como esse mostra, registra e qualifica a importância do papel de um pesquisador dentro das Universidades, e principalmente da UEMS”.

Para acessar ao artigo: http://adsabs.harvard.edu/abs/2008JMatS..43.1593S.

Cientificamente

A pesquisa, baseada num metal chamado de Nióbio, teve como objetivo fazer a introdução de átomos de nitrogênio na estrutura do metal e na liga, causando mudanças em sua propriedade de relaxação anelástica, conhecida como um processo termodinâmico proveniente do acoplamento entre tensão e deformação através de determinadas variáveis internas. Uma analogia simples seria como introduzir átomos de carbono no ferro para causar mudanças em suas propriedades, transformar o ferro em aço.

O nióbio é um metal refratário com ponto de fusão de 2468 0C, com excelentes propriedades mecânicas de rigidez, dureza, leveza, estabilidade térmica, estabilidade química, resistência à corrosão, resistência à fadiga, biocompatível com massa específica de 8,75 g/cm3, possui uma alta ductibilidade em relação à maioria dos metais.

Este trabalho contribui para diversas aplicações do nióbio e suas ligas, principalmente nas indústrias aeroespacial, aeronáutica, automobilística, naval, usinas nucleares, aceleradores de partículas, etc. O que despertou interesse da NASA em cadastrar esse trabalho no seu banco de dados: The SÃO/NASA Astrophysics Data System centralizado na Universidade de Harvard – USA.


Fonte: Site www.midiamax.com

Comentário: Ao blog só resta parabenizar o professor Armando Cirilo de Souza pelo seu artigo inovador nesta área de Ciência e Tecnologia de Materiais, tão importante para o setor aeroespacial de qualquer nação do mundo e a NASA que o diga. Ao governo brasileiro e o Congresso Nacional cabe abrir os olhos e buscar mecanismos de incentivo a pesquisadores como o professor Armando Cirilo, visando assim o desenvolvimento de projetos que possam trazer benefícios a sociedade brasileira. A questão aqui não é a falta de profissionais qualificados para a arrancada científica e tecnológica que o país precisa neste setor e sim a falta de interesse da classe política, falta de visão e a incompetência política administrativa que imperam dentro dos órgãos gestores deste setor no país.

Brasileira Ajuda Descobrir Asteróide Revestido de Gelo


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (28/04) no jornal “O Estado de São Paulo” destacando que cientistas entre eles a astrônoma brasileira "Thaís Mothé-Diniz”, do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), anunciaram a descoberta de um asteróide revestido de gelo.

Duda Falcão

Asteróide Revestido de Gelo Pode Ajudar a
Entender Origem dos Oceanos e da Vida

Descoberta de astro coberto de água entre
Marte e Júpiter surpreende cientistas

Carlos Orsi, do estadao.com.br, e
Alexandre Gonçalves, de O Estado de S. Paulo
28 de abril de 2010 - 14h 15


O asteróide 24 Themis, localizado a mais de 300 milhões de quilômetros da Terra, está coberto de gelo, informam cientistas em dois artigos na edição desta semana da revista Nature. A descoberta é inesperada - qualquer água depositada sobre o asteróide deveria, em princípio, vaporizar-se em pouco tempo - mas dá sustentação à idéia de que os oceanos da Terra vieram do espaço. Um dos autores do principal artigo a descrever a descoberta, Humberto Campins, da Universidade da Flórida Central, especula ainda que esses astros poderão se tornar importantes para o estudo da origem da vida.

Gabriel Pérez/Divulgação
Ilustração do asteróide 24 Themis
Acompanhado de dois pequenos fragmentos

"Asteróides e cometas podem ter trazido para a Terra os blocos constituintes para a vida formar-se e evoluir em nosso planeta", disse ele. "Embora as condições nos asteróides não sejam favoráveis para a vida, o estudo de asteróides primitivos como 'fertilizadores' pode se tornar uma área de interesse". Além de água, 24 Themis também carrega matéria orgânica.

A descoberta da água foi feita com base na análise da luz solar refletida por 24 Themis, um dos maiores asteróides do chamado cinturão principal, que fica entre Marte e Júpiter. Diferentes substâncias absorvem e refletem diferentes freqüências de radiação, e a análise dos padrões de absorção, chamados espectros, permite identificar a composição de objetos distantes.

Brasileira Participa da Descoberta

A astrônoma brasileira Thaís Mothé-Diniz, do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, participou da descoberta, comparando o espectro do asteróide ao de meteoritos e minerais, e também assina o artigo. Para ela, é difícil prever quando um trabalho vai acabar em uma revista de tanto prestígio quanto a Nature. "Realizamos nossa pesquisa. E então surge um resultado surpreendente que merece a publicação", explica Thaís.

Em 2006, a cientista brasileira iniciou sua colaboração com Campins. Thaís é especialista em famílias de asteróides e sabe aplicar a espectroscopia para investigar a composição desses corpos celestes. Ela conta que, a princípio, não esperava encontrar gelo no asteróide. A principal hipótese era silicato hidratado, um composto que não contém água mas testemunha a existência da substância em algum momento do passado. "Na região do Sistema Solar onde está o 24 Themis, considerávamos improvável a presença de gelo", explica a pesquisadora.

Agora, Thaís participa do Projeto Impacton, coordenado pelo Observatório Nacional. Nas próximas semanas, será instalado um telescópio na cidade de Itacuruba, no sertão pernambucano. O instrumento, que conta com um espelho de um metro de diâmetro, vai investigar objetos próximos à órbita da Terra.

Oceanos Terrestres

A presença de água em asteróides pode ajudar a entender a origem dos oceanos terrestres, explica o astrofísico da Queen's University de Belfast, Henry H. Hsieh, em comentário também publicado na Nature. Ele lembra que nosso planeta deve ter nascido seco, por ter se formado numa região do espaço próxima demais do Sol para permitir a presença de gelo. Além disso, oceanos primitivos, caso existissem, teriam sido vaporizados pelo grande impacto que, acredita-se, deu origem à Lua. Hsieh compara 24 Themis ao celacanto, o peixe que é considerado um "fóssil vivo".

"Uma hipótese publicada em 2000 propõe um grande impacto de um objeto formado na região geral onde o asteróide Themis está agora" como origem para os oceanos, destaca Campins.

O pesquisador e seus colegas oferecem algumas possíveis explicações para a presença de água na superfície do asteróide. O gelo, ponderam, poderia se manter estável se enterrado a alguns metros de profundidade no astro, e poderia estar vindo à tona graças a um bombardeamento constante de micrometeoritos. Outra hipótese seria a lenta sublimação do gelo subterrâneo, que poderia variar em ritmo com o movimento do asteróide no espaço.

A possibilidade menos favorecida pelos pesquisadores é de um impacto com um cometa, que teria deixado 24 Themis coberto de água.

Astronautas

Themis está longe demais para ser o alvo da missão com astronautas a um asteróide proposta para 2025 pelo presidente dos EUA Barack Obama, mas Campins acredita que asteróides mais próximos da Terra também possam conter água e matéria orgânica, embora não na superfície.

"Gelo de superfície é improvável, mas gelo e moléculas orgânicas abaixo da superfície são uma possibilidade interessante", afirma o cientista. "Há alguns asteróides próximos da Terra com composição da superfície no geral similar à de 24 Themis e que seriam alvos atraentes para exploração espacial".

Campins está envolvido na preparação da missão OSIRIS-REx da NASA, para trazer amostras de um asteróide de volta à Terra.


Fonte: Jornal O Estado de São Paulo - 28/04/2010

Comentário: Este é mais um exemplo da qualificação profissional a nível internacional alcançada pela classe astronômica brasileira e na visão do blog a inoperância do MCT/AEB faz com que o Programa Espacial Brasileiro perca a oportunidade de desenvolver a astronomia espacial no país, quando não estimula projetos neste setor que historicamente têm contribuído significamente com o desenvolvimento de outros programas espaciais através do mundo. O blog “BRAZILIAN SPACE” parabeniza a astrônoma brasileira Thaís Mothé-Diniz pelo trabalho realizado.

TV NBR Faz Reportagem Sobre Licença Prévia da ACS


Olá leitor!

Segue abaixo uma reportagem exibida em 23 de abril de 2010 pelo jornal da TV NBR informando que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) concedeu a licença prévia a empresa bi-nacional Alcântara Cyclone Space (ACS) para contrução da base de lançamento do Foguete CYCLONE-4, em Alcântara, no Maranhão. Segundo o vídeo o lançamento do foguete em escala comercial está previsto para 2012, o que sinceramente não acreditamos.

Duda Falcão

Jornal da TV NBR - 23/04/2010


Fonte: Canal da TV NBR no Youtube

FTB Poderá Ser Exportado, Segundo o Coronel Rangel


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada no jornal “O Estado do Maranhão” de hoje (28/04), destacando que segundo o coronel Ricardo Rangel, diretor do CLA, o Foguete de Treinamento Básico (FTB) poderá ser exportado após os testes de qualificação do mesmo.

Duda Falcão

Foguete Pode Ser Exportado
Após Testes, Garante Rangel

O Estado do Maranhão
28/04/2010


O diretor do CLA, coronel Ricardo Rangel, afirmou, durante a entrevista coletiva, que a partir da finalização dos testes de certificação do FTB, o Brasil poderá exportar este tipo de tecnologia. Ele explicou que, para a certificação de um veículo é necessário que já tenha alcançado um determinado número de vôos com sucesso, algo que o FTB está próximo de atingir.

“Todos os equipamentos têm sido testados durante a campanha e o resultado deste lançamento foi armazenado para certificação. Este foi o quinto lançamento com sucesso. Provavelmente, a partir do sexto, nós já podemos passar para a fase final de certificação”, disse.

Sítios - Para o Brasil, essa é a oportunidade de interagir ainda mais com outros países que dispõem de sítios de lançamento. “Nós já temos um produto nacional que pode ser exportado e utilizado para fase de testes em qualquer centro do mundo”, finalizou.

Ainda de acordo com o coronel Ricardo Rangel, as etapas de modernização de sistemas e obras da Torre Móvel de Integração (TMI) de onde deverá ser realizada mais uma operação de lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS), serão concluídas no mês de outubro. Ele revelou que a estrutura da TMI está bem adiantada, porém faltam algumas adequações. “De outubro a dezembro, estaremos testando a torre com uma versão do VLS no estilo maquete. Na verdade uma casca, com todos os meios de conexão, numa operação sem lançamento”, acrescentou.

Além dos preparativos para o lançamento do VLS, o ano de 2010 para o CLA também engloba outros projetos importantes, principalmente, os relacionados à consolidação da empresa bi-nacional Alcântara Cyclone Space (ACS). Ele afirmou que a ACS já recebeu, no início deste mês, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), a licença ambiental para a instalação do sítio de lançamentos.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 06 - 28/04/2010

Comentário: Esta pequena matéria do jornal “O Estado do Maranhão” nos traz importantes esclarecimentos sobre o projeto do VLS, não resta dúvida, mas faz com que o blog se questione o porquê de se esperar um ano ou até mais (após os testes de dezembro da TMI com a maquete do VLS) para realizar o primeiro vôo tecnológico (XVT -01) que está previsto agora para 2012? Será que existe um grande receio do DCTA/IAE que algo possa sair errado ou o problema é de falta de recursos humanos e financeiros? Com a palavra o Comando da Aeronáutica. Outro ponto interessante da matéria é a possibilidade de exportação deste foguete FTB, pois se realmente existe mercado para este tipo de foguete no mundo o FTB será realmente uma opção interessante não só pelo seu baixo custo, mas também pela confiabilidade que vem apresentando.

O Jornal "O Estado do Maranhão" e a Operação Falcão I


Olá leitor!

Segue abaixo mais uma matéria agora do jornal “O Estado do Maranhão” publicada hoje (28/04), destacando o lançamento da “Operação Falcão I” com o foguete FTB ocorrida ontem do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão.

Duda Falcão

Centro de Alcântara Lança com Sucesso
Foguete de Treinamento

Considerado perfeito, lançamento ocorreu na tarde de
ontem no CLA e cumpriu toda a programação de testes de
materiais e equipamentos previstos pela Operação Falcão I,
iniciada dia 19, para a certificação de tecnologia do FTB

O Estado do Maranhão
28/04/2010


Biaman Prado
O foguete, com 3,05 metros de comprimento,
não levou carga útil e atingiu mais de 30 km de altura

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) lançou com sucesso, às 15H de ontem, o Foguete de Treinamento Básico (FTB), de pequeno porte, que foi desenvolvido pela empresa brasileira Avibrás. A campanha faz parte da Operação Falcão I, iniciada dia 19, com testes de materiais e equipamentos. O próximo lançamento de foguete deve acontecer no mês de julho.

A operação foi considerada perfeita. O foguete atingiu um apogeu de 31 km e 635 m de altura, caindo a uma distância de 17,30 km do local de lançamento em apenas 4 segundos de vôo.

Com tecnologia 90% nacional, o FTB não apresentou falhas e cumpriu e alcançou vôo perfeito, atendendo às expectativas da comissão de técnicos que acompanhou o processo. “Eu diria que tudo foi perfeito, do começo ao fim. Não houve falhas no sistema, muito menos na transmissão de dados”, afirmou o diretor do CLA, o coronel-aviador Ricardo Rodrigues Rangel. Acompanharam o lançamento o brigadeiro Maurício Pazini Brandão, do Departamento Científico e Tecnológico Espacial, e estudantes da primeira turma de engenheiros aeroespacial do ITA.

Treinamentos - De acordo com o coronel Rangel, a operação integra um conjunto de treinamentos iniciados no CLA há cerca de dois anos para aprimorar e testar os sistemas operacionais de protótipos – envolvendo telemetria e monitoramento -, além de preparar o centro para lançamentos de grande porte.

O lançamento do FTB foi o primeiro deste ano. A previsão é de que sejam realizados pelo menos mais quatro lançamentos ainda este ano, entre eles dois de médio porte, e um foguete VSB-30, que faz parte do Programa de Microgravidade da Agência Espacial Brasileira (AEB). Estão previstos também testes na Torre Móvel de Integração (TMI) – que está sendo reestruturada para lançamento de foguetes de grande porte, como o Veículo Lançador de Satélites (VLS), cuja primeira operação está programada para 2012.

Segundo o coronel Ricardo Rangel, o CLA está trabalhando em vários projetos na área espacial para modernizar o centro de lançamento. “Além de desenvolvermos os testes finais para a certificação do Foguete de Treinamento Básico, estamos focados no desenvolvimento de tecnologia que substitua a alemã, hoje utilizada em parte dos nossos produtos”, afirmou.

O Lançamento do Foguete de Treinamento Básico só foi possível por causa das condições climáticas e técnicas favoráveis. Para tanto, os ventos de superfície deveriam estar igual ou menor de 10m/s ou com chuvas moderadas menor ou igual a 10mm/h. As condições meteorológicas estavam sendo monitoradas desde a semana passada.

No vôo de testes, o foguete não levou carga útil científica, apenas tecnológica, e instrumentos para acompanhamento das estações de telemedidas, preparando, assim, as equipes para os próximos lançamentos.

MAIS

O FTB é um foguete mono-estágio, não guiado, com 3,05 metros de comprimento, pesando 67,8 kg/f incluindo 20,7 kg/f de carga útil. Seu motor propulsor é carregado com propelente sólido (combustível sólido), com a fase de decolagem de 4 segundos, alcançando mais de 30 km de altura e caindo no alto-mar a mais de 16 km da costa. Para o CLA, o sucesso desse lançamento significou o desenvolvimento de tecnologia aeroespacial brasileira, proporcionando ao Brasil capacitar os recursos humanos para alcançar sua independência tecnológica.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 06 - 28/04/2010

Comentário: Agora leitor está confirmado pela foto acima que a estrutura que observamos em baixo do lado direito da mesma é a nova Torre Móvel de Integração (TMI) do VLS-1. Pelo que se pode notar a TMI já está com a sua estrutura montada e em breve deve iniciar os testes com a maquete do VLS-1. Vamos aguardar por maiores informações. Aproveito para agradecer publicamente mais uma vez a gentileza do leitor maranhense Edvaldo Coqueiro em ter enviado por e-mail a matéria acima.

Mais Sobre a "Operação Falcão I"


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia mais completa postada dia (27/04) no site “imirante.com”, trazendo maiores informações sobre a “Operação Falcão I” realizada ontem no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

Duda Falcão

Maranhão/Alcântara

CLA Lança, com Sucesso, Foguete de Treinamento

Atividade fez parte da Operação Falcão I, iniciada no último dia 19

Maurício Araya/Imirante
27/12/2009 - 19h35

SÃO LUÍS – Com as condições favoráveis do tempo, foi lançado, na tarde desta terça-feira (27), Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), o Foguete de Treinamento Básico (FTB), como parte das atividades da Operação Falcão I, iniciada no último dia 19. O foguete, que possui apenas um estágio - quando só há uma câmara de combustão -, três metros de comprimento e pesa 68 kg, alcançou uma altura de 31 km durante o vôo, que durou aproximadamente quatro segundos, e caiu no mar da baía de São Marcos, a 17 km da costa, mais do que o esperado pela coordenação da operação.

O lançamento foi parte de uma série de oito previstos para este ano. Entre eles, estão outros cinco foguetes básicos e dois intermediários, número igual ao que será lançado no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), no Rio Grande do Norte.

Área de lançamento do FTB
Foto: Maurício Araya/Imirante

O foguete, de pequeno porte e não guiado - ou seja, com uma trajetória pré-definida -, foi desenvolvido pela Avibras Indústria Aeroespacial - empresa com sede em São José dos Campos (SP), que também desenvolve componentes para os foguetes Sonda I, Sonda II e Sonda II-C - e possui tecnologia 90% nacional. Como o foguete não levou carga útil científica, apenas tecnológica - aparelhos que registram e transferem dados como pressão e temperatura para a estação de Telemedidas do CLA -, o foguete não foi resgatado.

Imagem mostra o local da plataforma de lançamento
Foto: Maurício Araya/Imirante

Sala de operação provisória do CLA
Foto: Maurício Araya/Imirante

A operação desta terça-feira teve como objetivo testar os sistemas operacionais do CLA nas atividades de lançamento e rastreio de foguetes. Para o diretor do CLA e coordenador do projeto "Fogtrein", coronel aviador Ricardo Rodrigues Rangel, o lançamento foi um sucesso, conforme afirmou em entrevista coletiva à Imprensa logo após o lançamento. "[Este lançamento] corresponde à retomada da operacionalidade do CLA. Estamos com mais quatro lançamentos previstos para este ano e o sucesso desse lançamento corresponde ao quinto lançamento com sucesso desse tipo de veículo. [...] Esse veículo, nesse lançamento, permitiu, mais uma vez, o treinamento de todos os meios operacionais do Centro [radares, telemetria e equipamentos de solo]", disse.

Diretor concede entrevista à Imprensa
Foto: Maurício Araya/Imirante

Além do treinamento do quadro efetivo do CLA, a operação visa à certificação do foguete, que, segundo o diretor do CLA, está em fase final de certificação. A cada lançamento, como o que ocorreu hoje, os lotes de fabricação dos foguetes são aprimorados. No início do segundo semestre, o CLA irá lançar um foguete intermediário, com capacidade de levar, ao espaço, cargas maiores. A meta do programa espacial brasileiro é manter o ritmo de um lançamento a cada dois meses no CLA.

Futuro

Estudantes do curso de Engenharia Espacial do ITA
Foto: Maurício Araya/Imirante.

O lançamento de hoje contou com convidados especiais. Eram os estudantes do primeiro curso de Engenharia Espacial do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, que irão se formar em dezembro de 2012. Eles assistiram, com atenção, a cada etapa do lançamento. Para o brigadeiro engenheiro Maurício Pazini Brandão, que participou da operação, eles são o futuro do programa espacial brasileiro. "Nós buscamos desenvolver um programa espacial nosso, razão pela qual soberania é importante. Para crescer o nosso programa, precisamos contratar pessoas, nós precisamos de muitos engenheiros, muitos técnicos, e todos eles muito preparados, razão pela qual nós estamos investindo na formação de pessoal para o futuro", afirmou.

De olho no futuro, eles sonham em já estar trabalhando nos próximos lançamentos. Só o Veículo Lançador de Satélites (VLS) possui três datas previstas para lançamento: 2012, 2013 e 2014. O lançamento do Cyclone-4, a partir de uma parceria entre o Brasil e a Ucrânia, que deu origem à empresa Alcantara Cyclone Space (ACS), está previsto para ocorrer daqui a dois anos.

Até lá, o CLA pretende criar uma rotina de lançamentos como o do FTB para estar, nos próximos anos, entre os melhores centros de lançamento do mundo, no que diz respeito ao treinamento de tecnologistas, uso de equipamentos e infraestrutura.


Fonte: Site imirante.com

Comentário: Esclarecedora matéria do site” imirante.com” que nos traz maiores informações sobre a operação de lançamento ocorrida ontem no CLA. Chamo a atenção do leitor para a foto da área de lançamento do FTB. Caso essa foto tenha sido tirada ontem já se pode notar no lado direito da mesma a nova Torre Móvel de Integração (TMI) do VLS-1 que se encontra em construção. Pelo visto a estrutura da torre já se encontra montada.

Cooperação Espacial Brasil-República Tcheca


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (27/04) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski destacando que pode se está articulando nos bastidores uma nova cooperação espacial entre a AEB e a República Tcheca.

Duda Falcão

Cooperação Brasil - República Tcheca

27/04/2010

Uma nota na seção "In Orbit" da edição desta semana da revista norte-americana Aviation Week & Space Technology chama a atenção. Trata do programa espacial da República Checa ou, mais especificamente, as intenções do governo desse país europeu em ampliar seus projetos na área. A última linha da nota, traduzida livremente pelo blog, menciona o Brasil: "Os tchecos devem assinar acordos com o Brasil e Canadá, e pactos com o Japão e a França podem ser firmados".

Não foram dados mais detalhes sobre a natureza do acordo que poderia ser firmado com a República Tcheca. Mas é bastante provável que a origem da informação seja o próprio país europeu, uma vez que a notícia sequer havia circulado no Brasil. Numa rápida pesquisa na web, foi possível encontrar uma pequena notícia no site Czech Space Alliance (uma espécie de associação de indústrias espaciais tchecas), de 30 de outubro de 2009, sobre visita de representantes tchecos à residência oficial do embaixador brasileiro em Praga. Está escrito algo mais ou menos nesse sentido: "Nós tivemos a oportunidade de encontrar o representante europeu da Embraer, assim como várias personalidades políticas importantes do governo brasileiro, que demonstraram grande interesse em nosso esforço de concluir um acordo de cooperação em tecnologia espacial com a Agência Espacial Brasileira (AEB)."

Apesar de receber algumas críticas pela quantidade de acordos internacionais firmados pelo Brasil no setor espacial, a AEB continua a focar suas ações nessa direção. O presidente da Agência, aliás, em entrevista concedida no início deste ano à Tecnologia & Defesa, defendeu o posicionamento de sua organização:

"T&D - Sua gestão tem sido marcada pela busca de novos acordos de cooperação e o senhor já afirmou que seu objetivo é firmar tantos quantos forem possíveis, de modo a beneficiar o País. Ao mesmo tempo em que um maior número de parceiros significa maior leque de oportunidades, há quem veja isso de maneira negativa, por indicar falta de foco e divisão dos parcos recursos em diferentes atividades. O que o senhor pensa a respeito?

Carlos Ganem - A lógica dos acordos internacionais é bem simples. Esses acordos abrem inúmeras perspectivas de novos mercados, visto que apenas a demanda nacional não tem sido suficiente, ao menos neste momento, para estruturar um setor industrial sustentável no Brasil. Alianças estratégicas com alguns países podem trazer benefícios pelo lado da política internacional possibilitando, inclusive, desenvolvimento de grandes projetos conjuntos, como já ocorre com o CBERS e a ACS.

Em áreas de ponta e repercussões estratégicas, o sectarismo e o isolamento não permitem que o País possa esperar soluções autóctones que compensem o atraso e a perda de papel protagonista que o Brasil deveria exibir."



Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: Consideramos que esta política adotada pelo presidente da AEB, Carlos Ganem, de firmar acordos tantos quantos forem possíveis é um grande erro, já que quantidade nunca foi qualidade. Tecnologia de ponta encontra-se com quem tem competência para produzi-la e não na feira da esquina. O blog não dispoem de maiores informações sobre o "Programa Espacial Tcheco" para vê se este é um dos casos, mas desde que o senhor Ganem assumiu a AEB o que de melhor ele fez foi viajar na maionese. Lamentável.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Força de Reação Treinada e Preparada no CLBI


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (27/04) no site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) destacando que uma força de reação foi treinada e preparada para atuar na defesa do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI).

Duda Falcão

Força de Reação Treinada e Preparada no CLBI

Comunicação Social do CLBI – SCS
27/04/2010


Realizou-se, entre os dias 12 e 16 de abril de 2010, no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), o Programa de Instruções de Patrulhamento Tático, coordenado pela Companhia de Infantaria da Aeronáutica Isolada (Cinfai).

Dentre os diversos assuntos abordados, destacam-se as instruções de direito penal militar, comunicações, técnicas de abordagem, patrulhamento motorizado e tiro militar avançado. O evento proporcionou a capacitação necessária à nossa força de reação, que, adequadamente conjugada com os meios de vigilância eletrônica, proporcionará melhor eficiência no serviço de segurança e defesa, explicou o tenente infante Bruno Martins dos Santos, comandante da Cinfai.



Fonte: Site do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)

Comentário: Boa notícia, pois sempre ouvimos falar através de notícias divulgadas por integrantes da própria Aeronáutica da incidência de movimentação de estrangeiros e grupos desconhecidos nas áreas circunvizinhas aos centros de lançamento do país, toda vez que é realizada uma operação de lançamento. Chega de bisbilhoteiro em área de segurança nacional. Parabéns ao Comando da Aeronáutica.

Lançamento de Foguete Realizado com Sucesso do CLA


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (27/04) no site “imirante.com”, confirmando o sucesso do lançamento do foguete FTB hoje a tarde do CLA.

Duda Falcão

Foguete é Lançado com Sucesso da Base de Alcântara

O foguete chegou a 31 km de altura e caiu a 17 km da costa

27/12/2009 - 15h49

Foto: Biaman Prado/ O Estado
ALCÂNTARA -
O Foguete de Treinamento Básico (FTB) foi lançado com sucesso às 15h desta terça-feira (27), do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). O foguete atingiu 31 km de altura e caiu a 17 km da costa, uma distância maior do que o previsto pelo CLA.

O lançamento faz parte da Operação Falcão I, iniciada no último dia 19. A operação tem como objetivo testar os sistemas operacionais do CLA nas atividades de lançamento e rastreio de foguetes.

Esse foi o primeiro de oito lançamentos previstos para este ano.


Fonte: Site imirante.com

Comentário: Esta notícia confirma a matéria do jornal “O Estado do Maranhão” postada hoje no blog (veja a nota CLA Lançará Hoje Foguete de Treinamento Básico) e agora ficamos esperando a confirmação da realização da “Operação Barreira II” prevista para o dia 29/04 (veja a nota CLBI Realizará Novo Lançamento de Foguete) divulgado que foi pelo jornal Diário de Natal, pelo site da AEB e pelo blog Panorama Espacial do companheiro jornalista André Mileski. Lembrando ao leitor que com a realização desta segunda missão no CLBI é provável que pela primeira vez na história do PEB o DCTA/IAE esteja realizando quase que simultaneamente (com diferença de dois dias) duas operações distintas nos dois centros de lançamento, o que obviamente demonstra uma grande melhora nas logísticas destas operações. O blog aproveita para agradecer ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pela indicação desta notícia enviada por e-mail.