segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A Visita da Presidente DILMA a Argentina e o PEB

Olá leitor!

Como você deve saber a presidente DILMA ROUSSEFF realizou hoje (31/01) a sua primeira visita oficial a um país estrangeiro, sendo a Argentina a nação escolhida.

Por ocasião desta visita, foi divulgada uma declaração conjunta sendo a cooperação espacial entre os países um dos tópicos abordados pelo documento. Mais precisamente o projeto do "Satélite Argentino-Brasileiro de Observação dos Oceanos", conhecido como SABIA-MAR.

Abaixo segue a reprodução do texto do documento que trata deste assunto.

Duda Falcão

4. Cooperação Espacial: Satélite Argentino-Brasileiro de Observação dos Oceanos

Reafirmar o comprometimento com o projeto SABIA-MAR e tomar nota do avanço dos trabalhos relacionados à distribuição de tarefas técnicas da missão e à distribuição de dados satelitais entre os países.

Reiterar a importância que os recursos financeiros para todas as fases do Projeto SABIA-MAR estejam garantidos nos orçamentos dos dois Governos nos próximos anos."


Fonte: Site do Ministério das Relações Exteriores (MRE)

Comentário: Pois é leitor, os anos passam, governos mudam, e a coisa continua tudo com antes. Justamente como eu havía previsto em um dos meus comentários. Reafirmar o que? Não existe um acordo assinado há 13 anos (completa 14 anos este ano) para o desenvolvimento de um satélite conjunto? Essa novela eu já conheço, oito anos de governo LULA reafirmando o interesse no desenvolvimento deste satélite em toda declaração conjunta entre os dois países, para só iniciar a “Fase A” do satélite no final do ano passado em plena campanha da DILMA. Ora leitor, na realidade o item quatro deste documento uma vez mais foi colocado para compor melhor o conteúdo do mesmo (o conhecido enchimento de linguiça), pois o acordo já existe há 13 anos e parte-se do pressuposto que se assina acordos para cumpri-los, não tendo necessidade nenhuma de reafirmar nada, a não ser que entre países sul-americanos o entendimento seja diferente do resto do mundo. Lamentável!

Workshop Discutirá Uso de Dados de Observação da Terra

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (31/01) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que workshop discutirá de 01 a 04/02 em Genebra a necessidade de dados de satélites e outras tecnologias para o estudo das mudanças ambientais causadas pelo aquecimento global.

Duda Falcão

Workshop Discute Uso de Dados de
Observação da Terra em Relatórios do IPCC

31/01/2011

Em Genebra, de 1º a 4 de fevereiro, workshop organizado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) e pelo Grupo de Observação da Terra (GEO) discute a necessidade de dados de satélites e outras tecnologias para estudo das mudanças ambientais causadas pelo aquecimento global.

O Brasil, por meio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), integra o Comitê Executivo do GEO, organização intergovernamental que congrega 80 países, a Comissão Européia e ainda 58 organizações internacionais em prol do fornecimento de observações detalhadas da Terra.

O IPCC é o painel da Organização das Nações Unidas (ONU) encarregado de avaliar a informação científica sobre os efeitos das mudanças climáticas, destacar seus impactos ambientais e socioeconômicos e traçar estratégias de mitigação.

O workshop irá levantar dados de observação da Terra para subsidiar o IPPC em análises de vulnerabilidade e adaptação às mudanças do clima, em especial nas áreas de uso do solo, recursos hídricos e eventos extremos. Os dados devem integrar as publicações do quinto Relatório de Avaliação do IPPC, a ser lançado entre 2013 e 2014.

O diretor do INPE, Gilberto Câmara, participa de sessão sobre os recursos e informações disponíveis para o estudo do uso do solo e detecção de mudanças na sua cobertura causadas por desmatamentos. Também participa do workshop José Marengo, climatologista do INPE e membro do IPCC.

É objetivo do workshop orientar como o Global Earth Observation System of Systems (GEOSS) pode melhorar o fornecimento de dados multidisciplinares para o uso da comunidade científica que se dedica aos estudos do clima. Este “sistema de sistemas”, uma das mais importantes iniciativas lideradas pelo GEO, amplia a capacidade de monitoramento ambiental do planeta ao mesmo tempo em que facilita o acesso aos dados.

A idéia do GEOSS é conectar os produtores de dados ambientais aos usuários finais desses produtos, otimizando seu uso por meio de uma infraestrutura pública global e de acesso gratuito às informações. Assim, serão compartilhadas informações dos diversos sistemas de monitoramento de tendências globais, para acompanhamento de níveis de carbono, mudanças climáticas, perda de biodiversidade, desmatamento, recursos hídricos, temperaturas do oceano e outros indicadores.

Mais informações sobre o GEO e o GEOSS no site www.earthobservations.org


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Pós-Doutorado no INPE com Bolsa da FAPESP

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada hoje (31/01) no site da “Agência FAPESP” destacando que um projeto financiado pela FAPESP está disponibilizando uma “Bolsa de Pós-Doutorado”, pelo período de um ano, no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Duda Falcão

Notícias

Pós-Doutorado no INPE
com Bolsa da FAPESP

31/01/2011

Temático tem oportunidade de
desenvolvimento de novas
metodologias para identificar e
caracterizar padrões e trajetórias
de ocupação na Amazônia (INPE)
Agência FAPESP – O Projeto Temático "Land use Change in Amazônia: Institutional analysis and modelling at multiple temporal and spatial scales (LUA/IAM)", financiado pela FAPESP, dispõe de uma Bolsa de Pós-Doutorado, pelo período de um ano, no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), para o desenvolvimento do subprojeto "Detection and description of occupation patterns and trajectories in multitemporal satellite data".

O projeto de pós-doutorado consiste no desenvolvimento de novas metodologias para identificar e caracterizar os padrões e as trajetórias de ocupação na região amazônica usando técnicas de mineração de dados, ecologia da paisagem e análise multitemporal de dados.

O resultado final é o desenvolvimento de um framework que permita, de forma fácil e eficiente, a análise dos padrões de desflorestamento associados com os diferentes processos e estágios de ocupação humana na Floresta Amazônica.

O candidato deve ter graduação e título de doutor (recente) em ciência da computação, publicações em inglês em revista indexada, experiência em programação C++ e Java, conhecimento em técnicas de processamento digital de imagens (segmentação) e teoria de grafos. É esperado, também, que o candidato tenha motivação e habilidade para organizar tarefas de pesquisa com independência e apresente desenvoltura na redação de relatórios e artigos científicos, em inglês.

Os interessados devem enviar os seguintes documentos até 1º de março de 2011: carta de apresentação indicando a razão de interesse na bolsa com um breve relato de sua experiência, curriculum vitae completo e três cartas de recomendação.

Enviar documentos para: Dr. Gilberto Câmara Neto - Diretor Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Av. dos Astronautas, 1758 - Jardim da Granja 12227-010 - São José dos Campos – SP.

Mais informações: gilberto.camara@inpe.br.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP, no valor de R$ 5.028,90 mensais.

Outras vagas de Bolsas de Pós-Doutorado no INPE e em outras instituições, em diversas áreas do conhecimento, estão disponíveis no site FAPESP-Oportunidades, em www.oportunidades.fapesp.br.


Fonte: Site da Agência FAPESP

O Blog Entrevista o Coordenador do NTA

Olá leitor!

Você que acompanha diariamente o blog já ouviu falar do professor Marcos Luna, coordenador do Núcleo Tecnológico do Agreste (NTA) da cidade pernambucana de Bezerros.

E assim, dando seqüência as entrevistas que o blog vem apresentando com pessoas que fazem a diferença (Gente que Faz) nas atividades espaciais e na educação neste país, não poderíamos deixar de entrevistar o professor Marcos Luna, sobre o trabalho que o mesmo vem realizando desde 2004 na condução deste centro de desenvolvimento tecnológico desta pequena cidade pernambucana, não só na área de foguetes como também em outras áreas da ciência e tecnologia.

Aproveitamos a oportunidade para agradecer de público ao professor Marcos Luna pela entrevista e pela atenção desejando-lhe sucesso com seus projetos.

Duda Falcão

BRAZILIAN SPACE: Professor nos fale sobre o senhor. Sua formação, idade, onde nasceu e se tem atualmente outra atividade além de ser o coordenador do NTA?

PROF. MARCOS LUNA: Nasci em Recife (PE), tenho 54 anos, fiz Pedagogia na Faculdade Olindense de Formação de Professores (FOFOP) e desde 1984 que sou Técnico em eletrônica. Atualmente além de Coordenador do NTA, dedico-me a “Projetos Particulares” de equipamentos e máquinas pneumáticas para atender clientes e instituições pelo Brasil. Também em parceria com professores de física, química, biologia e matemática, preparo anualmente alunos de várias escolas para “Feiras de Ciências” no período de fevereiro a novembro.

BRAZILIAN SPACE: Professor, como e quando surgiu a idéia da criação do NTA?

PROF. MARCOS LUNA: A idéia do Núcleo Tecnológico do Agreste em Bezerros (PE) surgiu em 2004, quando um amigo meu que foi convidado para ser diretor do Colégio Cenecista São José (CCSJ), Prof. Silvio José dos Santos, me convidou para fazer um trabalho com os alunos do colégio que na época estavam muito desmotivados. Assim sendo, montei o “NTA Itinerante nas Escolas” e começamos rapidamente obter a credibilidade junto aos alunos não só do CCSJ, como das outras escolas de nossa cidade de Bezerros. Em seguida com projetos sempre inovadores fizemos um equipamento para Deficientes Visuais e Auditivos entre outros, e começamos assim ser conhecidos em Recife e em varias cidades de Pernambuco.

Em 2005, o NTA já havia participado de eventos Internacionais com o projeto “Repelente de Tubarões com Ondas eletromagnéticas”, a convite da comissão de Ciência e Tecnologia de Pernambuco (ALEPE), depois de uma visita que eles fizeram para conhecer o nosso trabalho do projeto “NTA itinerante nas Escolas”.


Desde então o NTA realizou diversos outros projetos como: de robótica, foguetes experimentais, submarinos Robôs, máquinas de Vending Machines, máquinas pneumáticas, Reator de UV para Tratamentos de águas entre vários outros equipamentos, todos feitos com a participação de alunos. (veja os vídeos).



Além disso, o NTA desenvolveu com a participação de alunos um foguete totalmente reciclado, com suporte de copos e carretel de linha de máquina Industrial que foi lançado com sucesso da Base de Foguetes Coronel Marcos C. Pontes em Brotas (SP). (veja os vídeos).


Foguete reciclado lançado de Brotas (SP)

É oportuno também lembrar que o NTA com alunos do “Colégio Estadual Getulio D’ Andrade Lima” de Bezerros, desenvolveu e lançou com sucesso um foguete supersônico que participou e ficou a exposto na “Feira de Ciência Jovem Cientista” do Espaço Ciência de Pernambuco, onde não só conseguimos romper a barreira do som, como também a barreira social, pois o foguete foi feito por alunos de escola pública e ainda do interior do Nordeste.

BRAZILIAN SPACE: Professor é de conhecimento público que o senhor e o NTA têm uma parceria muito sólida com a Dra. Rosaly Lopes do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. Como o senhor a conheceu e como surgiu essa parceria?

PROF. MARCOS LUNA: Vendo a necessidade de ter um local para lançamentos de foguetes experimentais no Nordeste (haja vista que tive de levar nossos foguetes para lançar da “Base de Foguetes Experimentais Coronel Marcos C. Pontes” em Brotas-SP) começarmos a partir de 2006 a fazer lançamentos maiores do Clube de Aeromodelismo de Bezerros. (veja o vídeo)



Então neste mesmo ano, entrei em contato com a Drª Rosaly Lopes para ela conhecer de perto nossos trabalhos com os alunos do projeto “NTA Itinerante nas Escolas”, e também para colocar em pratica um local de lançamentos de foguetes experimentais e de balões estratosféricos. Local este que nomeamos de “Base de Lançamento de Foguetes Experimentais Drª Rosaly Lopes” em sua homenagem e que foi inaugurado em 2007 com a presença da Drª Rosaly. (veja os vídeos)




Deste então, a Drª Rosaly tornou-se a “Madrinha” dos projetos do NTA, como também um exemplo vivo para todos de como uma brasileira aluna de escola pública conseguiu chegar a ser uma cientista renomada mundialmente tendo um cargo de chefia na NASA e de ser a única brasileira(o) a ter conquistado até hoje (2005) a conceituada “Medalha Carl Sagan” da prestigiada Sociedade Astronômica Americana.

Drª Rosaly vem ao Brasil uma ou duas vezes ao ano sempre prestigiar e conferir de perto os alunos assistidos pelos trabalhos do NTA. Fora Isto faz palestras em escolas, universidades instituições, faculdades. (veja os vídeos)



BRAZILIAN SPACE: Professor o NTA criou o prêmio “Comenda Científica Dr. Samuel Cunha Filho” para premiar pessoas que contribuam com o desenvolvimento da ciência e tecnologia no Nordeste brasileiro. Como surgiu a idéia de criar esse premio, porque e porque necessariamente homenagear ao Dr. Samuel Cunha Filho?

PROF. MARCOS LUNA: A idéia da “Comenda Cientifica” nasceu com o intuito de agradecer pessoas que contribuem com o desenvolvimento da ciência e tecnologia no Brasil. E a comenda Cientifica Dr. Samuel Cunha Filho foi uma homenagem póstuma ao grande cientista pernambucano de Bezerros, que tanto fez pela Ciência quando trabalhou na NASA, inclusive ajudando o salvo retorno dos astronautas da Apolo 13 a Terra, feito que lhe rendeu uma medalha do Governo Americano.

Dr. Samuel Cunha Filho

Este ano estaremos realizando a 2ª Edição da entrega da “Comenda Cientifica Dr. Samuel Cunha Filho” que será entregue pela Drª Rosaly Lopes em Abril de 2011 a varias pessoas e entidades e uma dessas pessoas é você amigo Duda pelo excelente trabalho que vem realizando com o seu Blog Brazilan Space. (veja o vídeo)



OBS: Saiba quem foi o cientista pernambucano Dr. Samuel Cunha Filho clicando na no link abaixo:


BRAZILIAN SPACE: Professor é sabido que o NTA vem prestando um valioso serviço aos jovens pernambucanos e suas famílias na região de Bezerros. Atualmente professor como o NTA vem ajudando essas pessoas?

PROF. MARCOS LUNA: O NTA estará sempre de portas abertas para atender em Bezerros e em Pernambuco alunos e pessoas que gostem de Ciência e Tecnologia. Isto sem qualquer custo para os alunos.

BRAZILIAN SPACE: Professor, sabemos que o NTA tem parcerias importantes que contribuem para que seus projetos sejam concretizados. Quais são hoje as principais instituições nacionais e estrangeiras parceiras nos projetos do NTA?

PROF. MARCOS LUNA: O NTA tem parcerias não financeiras e sim de peças e de material humano, nacional e internacional, com apoio tecnológico em diversas áreas.

Temos sim ajuda de doações de peças para confecção dos equipamentos ou experiências. Entre estas diversas instituições que nos ajudam com este tipo de doações, podemos citar o apoio da Philips Nordeste, através do seu Gerente-Geral, Dr. Alfredo Mendes, do “Espaço Ciência de Pernambuco”, com seu Diretor Prof. Pavão, do Colégio e Faculdade Santa Maria, através do diretor Prof. Antônio Gouveia, da Rede de Colégio Atual, com Dr. Eduardo Sefer, do Grupo Riello e Custo de São Paulo, com seu Diretor-Técnico, Dr. Guilherme Carrapatoso, entre tantas outras.

A única ajuda financeira recebida pelo NTA vem das palestras realizadas pela Drª Rosaly Lopes, quando a mesma vem ao Brasil. Neste momento dividimos o tempo da Drª Rosaly tendendo a alunos de escolas públicas de Graça, com palestras e visitação da Drª Rosaly em escolas particulares onde cobramos, e com o apurado tiramos os custos da viagem da Drª Rosaly e ficamos com o restante para os projetos do NTA.

Entre tantos parceiros em Pernambuco, no Brasil e no mundo, temos um carinho especial ao Prof. José Félix Santana da UFRPE, um dos pioneiros em foguetes no Brasil e que muito ajudou na concepção do “Centro de Lançamento da Barreira do Inferno” no Rio Grande do Norte e que é um parceiro constante do NTA.

Ao Coronel Neyff de Sousa, especialista em ataques de Tubarão, parceiro no projeto de “Repelente Eletrônico de Tubarões com ondas Eletromagnéticas”, no projeto do “Peixe Robô” e em tudo referente às pesquisas náuticas. (veja o vídeo)


E a Drª Rosaly Lopes, que mesmo sendo uma cientista renomada e premiada mundialmente sempre tem um tempinho pra vir ao Brasil falar com nossos alunos e professores envolvidos nos Projetos do NTA.

Drª Rosaly Lopes, Prof. José Félix Santana
e o Professor Marcos Luna

BRAZILIAN SPACE: Professor um dos projetos em que o envolvimento do NTA é de conhecimento público é o projeto do “PEIXE ROBÔ”. Como vai atualmente o desenvolvimento desse projeto e qual o seu real objetivo?

PROF. MARCOS LUNA: O nosso projeto de “Peixe Robô” esta em pleno andamento bastante adiantado, e temos como objetivo desenvolver um equipamento capaz de em tempo real mandar informações diversas como velocidade das correntes marinhas, temperatura da água, salinidade, poluições da água em rios, lagos etc. Servirá também como equipamento militar para monitorar a costa e também repelir tubarões com ondas eletromagnéticas.

Este Projeto esta em total sintonia com as pesquisas de grandes universidades e centros de pesquisas pelo mundo (USA - Japão - Inglaterra – Iran - Israel - Espanha- Alemanha, etc.), sendo que o grande diferencial é que todas essas Instituições contam com grandes verbas a disposição, verbas essas que o NTA não conta, mas que conta com a ajuda de muita gente e instituições com material e material humano. Assim sendo, já estamos bem próximos de finalizar nosso “1º Peixe Robô” com Informações em tempo real.

Neste Projeto tivemos o apoio de professores de Teerã (Iran) e Telavive (Israel), além de contarmos também com o apoio de diversas instituições com peças e componentes, inclusive uma de São Paulo, a “Riello & Custo”, através do seu Diretor-Técnico, Guilherme Carrapatoso. (veja os vídeos)



BRAZILIAN SPACE: Professor em novembro do ano passado o NTA aceitou os desafios tecnológicos lançados pelo blog “BRAZILIAN SPACE” de desenvolver e lançar até 2013 um cubesat para pesquisas na alta atmosfera e de desenvolver até 2015 um motor-foguete líquido de 50kN movido a propelentes verdes. Como vai o andamento desses projetos e como o NTA pretende concluí-los?

PROF. MARCOS LUNA: Aceitamos o desafio e desde o momento que aceitamos estamos trabalhando.

Como já foi relatado acima, nossos recursos financeiros são poucos, porém temos parceiros e dentro de nossas possibilidade iremos realizar esses projetos, e também dentro de nossa velocidade, o importante é que iremos fazer como tudo que aceitamos como desafio no NTA e realizamos.

BRAZILIAN SPACE: Professor, como educador, qual é a sua opinião quanto à realização de eventos no Brasil que adotem o modelo dos chamados “Spacecamps”, amplamente difundido mundo afora?

PROF. MARCOS LUNA: Bem, isto é um sonho que eu sempre quis ver realizado e espero ainda antes de morrer ver os Spacecamps no Brasil de Norte a Sul e de Leste a Oeste.

BRAZILIAN SPACE: Professor, a Dra. Rosaly Lopes estará no Brasil em abril e o NTA está disponibilizando parte de seu tempo para palestras em escolas, universidades ou qualquer outra instituição que tenha interesse. Como essas instituições interessadas devem fazer para entrar em contato com o NTA?

PROF. MARCOS LUNA: O NTA mais uma vez traz ao Brasil a Drª Rosaly Lopes madrinha de nossos trabalhos e parceira. Então disponibilizadas as datas de 26/04/2011 a 29/04/2011 para palestra em qualquer parte do Brasil. Quem tiver interesse é só entrar em contato com o NTA pelo E-mail nucleotagreste2005@gmail.com. Toda renda das palestras são para ajudar os projetos tecnológicos e trabalhos itinerantes do NTA. (veja o vídeo)


BRAZILIAN SPACE: Existe mais algum outro projeto em andamento ainda não divulgado pela NTA ou citado aqui na entrevista que o senhor gostaria de destacar para os leitores do blog?

PROF. MARCOS LUNA: Atualmente estamos também trabalhando com uma pesquisa iniciada pela EMBRAPA na área de BIORREATORES, onde estamos desenvolvendo o nosso “BIORREATOR do AGRESTE” que terá por finalidade produzir mudas de boa qualidade e de boa produtividade.

Este Projeto contou com um apoio de um engenheiro agrônomo e o NTA entra com a parte de Mecatrônica para a confecção do BIORREATOR

Já estamos terminando o nosso BIORREATOR e quando o mesmo estiver 100% concluído terá por objetivo produzir mudas de Orquídeas, que em nossa região tem uma boa aceitação e local muito propício para se fazer turismo com visitações em SERRA NEGRA, e assim os turistas poderão apreciar as violetas feitas em BIORREATORES.

Também estamos muito envolvidos com a nova programação 2011 da “TV Luna”, seu Canal de Ciência e tecnologia, onde qualquer pessoa poderá também criar em suas escolas ou localidades, pois a programação é interna colocada em memórias ou pendrives e os alunos terão uma programação só voltada para Ciência. Serão 12 horas de programação com a participação deles em tudo, com escolha de documentários, vinhetas, entrevistas, programas de esportes, reportagem local, propagandas, etc. Apenas para isso será necessário ter um vídeo que tenha entrada USB, um HD externo com toda programação e um aparelho de TV. (veja o vídeo)


BRAZILIAN SPACE: Finalizando professor, qual é a sua expectativa com relação ao desempenho do governo DILMA na área espacial e na da ciência e tecnologia como um todo?

PROF. MARCOS LUNA: Pelo histórico desempenho dos últimos Governos em relação ao “Programa Espacial Brasileiro” não tenho o porquê ter uma boa expectativa com este novo Governo. Porém, como Brasileiro estou torcendo para que eu esteja errado, e que a nossa Presidente Dilma faça a diferença.

O que tenho a dizer ao termino desta entrevista, além de um muito obrigado ao blog “Brazilian Space”, é também dizer que todos do NTA estão cientes que estamos fazendo a nossa parte, dando a nossa contribuição para um Brasil mais atento a ciência e tecnologia, mesmo com nossas grades dificuldades, e encontrando uma maneira de fazer isto sem politicagem, apenas com vontade e coragem de realizar. Afinal, somos Brasileiros e aprendemos a nunca desistir.

Um abraço a todos os leitores do blog Brazilian Space do Marcos Luna e de todos os parceiros do NTA.

sábado, 29 de janeiro de 2011

O Programa Nuclear e o "Patinho Feio" do MCT

Olá leitor!

O jornal “Folha de São Paulo” de hoje (29/01) publicou uma matéria divulgando que o Brasil e a Argentina assinarão nesta segunda, na visita a Buenos Aires da presidente DILMA ROUSSEFF, um acordo para a construção de dois reatores nucleares de pesquisa, intensificando assim a cooperação na área de engenharia nuclear entre os dois países.

Apesar de se ter alguma esperança de que algum acordo da área espacial venha ser assinado com a Argentina durante a sua visita, o mais provável é que seja apenas ratificados acordos em curso.

Se assim for, será mais uma clara demonstração da diferença gritante de tratamento dado pelo governo entre o Programa Nuclear e o “Patinho Feio” do MCT, mais conhecido como “Programa Espacial Brasileiro”.

O Blog “BRAZILIAN SPACE" não tem nada contra o “Programa Nuclear” ou qualquer outro programa de ciência e tecnologia em curso no país, porém estranha a grande diferença de tratamento dada ao PEB que não condiz com a imagem que é vendida do mesmo de programa estratégico pelo governo.

A falta de visão do governo e da agência espacial do país é algo muito preocupante para o futuro da área espacial no Brasil. E inadmissível ainda hoje não termos projetos de desenvolvimento conjunto com os países do MERCOSUL, nos limitando simplesmente aos dois projetos em curso com a Argentina (subsistema ACDH do satélite Amazônia 1 e a novela do satélite Sabia-Mar) e de acordos com o Chile e a Colômbia que até o momento não resultaram em nada de prático.

As possibilidades são enormes em várias áreas (Spacecamps, Microsatélites e Nanosatélites universitários, sondas espaciais, experimentos em microgravidade, robótica espacial, entre outros), mas a falta de atitude e de visão do governo e do MCT/AEB tem sido um grande empecilho para o desenvolvimento espacial do país.

Esperamos e torcemos para que essa falta de visão e de atitude sejam finalmente eliminados com a chegada do senhor Aloizio Mercadante ao MCT, e principalmente com a chegada do pesquisador Marco Antônio Raupp a presidência de nossa desorientada agência espacial, para que assim o setor espacial brasileiro possa finalmente contribuir de forma significativa com o desenvolvimentos do país e porque não dizer, da humanidade.

Duda Falcão

Odebrecht Costura Parceria ou a Aquisição da Mectron

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (28/01) no Jornal “Valor Econômico” destacando a empresa baiana Odebrecht está costurando parceria ou a aquisição da empresa paulista Mectron Engenharia da área aeroespacial e de defesa.

Duda Falcão

Odebrecht Costura Parceria ou
a Aquisição da Mectron

Virgínia Silveira
Valor Econômico
28/01/2011

O grupo Odebrecht está prestes a concluir um acordo de parceria estratégica com a Mectron Engenharia, uma das mais importantes empresas do setor de defesa brasileiro, fabricante de mísseis e produtos de alta tecnologia para o mercado aeroespacial. A Embraer, segundo fontes que acompanham o processo, também chegou a conversar com a Mectron, com vistas a uma possível parceria, mas a negociação não evoluiu. Procurada, a Embraer não comentou o assunto.

A Odebrecht confirmou que está avaliando a formação de uma parceria estratégica com a Mectron, mas não forneceu detalhes. Em nota, a empresa informou que acredita no bom andamento da negociação e, caso chegue a um acordo, informará os detalhes da operação oportunamente.

No começo da noite, a Mectron também enviou um comunicado, mas se limitou a dizer que mantém negociações visando estabelecer uma parceria com algumas empresas estratégicas do setor. "As negociações estão sendo realizadas em caráter privado, ainda sem definição e estarão sujeitas às aprovações necessárias", informou.

O acordo representa mais uma iniciativa do grupo Odebrecht dentro do objetivo anunciado anteriormente de ampliar sua atuação no mercado nacional e internacional de equipamentos e serviços militares.

Em meados do ano passado, a Odebrecht formou uma joint venture com a europeia Cassidian (antiga EADS Defense & Security), controlada pelo grupo EADS, dono da Airbus. A Odebrecht também estabeleceu uma sociedade de propósito específico (SPE) com a francesa DCNS, no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) para o governo brasileiro. A participação da empresa brasileira na SPE é de 59%.

Segundo fonte do setor, mesmo havendo interesse de outras empresas estrangeiras na Mectron, a empresa decidiu se associar a um grupo nacional, tendo em vista orientação do próprio governo brasileiro. "O Ministério da Defesa está trabalhando em uma nova legislação, que cria a figura da empresa de defesa de interesse nacional, controlada por um grupo brasileiro forte e bem estruturado financeiramente ".

Essa orientação, segundo a fonte, estaria alinhada ainda às diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa, aprovada em dezembro de 2008, que prevê a reestruturação da indústria brasileira de material de defesa. "A maioria das pequenas e médias empresas brasileiras do setor, como a Mectron, não tem fôlego para atender as demandas do Plano Nacional de Defesa. O governo está incentivando a criação de blocos de empresas de defesa, com capacidade para fazer investimentos de risco no desenvolvimento de produtos estratégicos de interesse nacional", explicou.

Empresas como a Embraer e a Odebrecht estariam dentro desse perfil buscado pelo governo. "Elas têm tecnologia, capital e capacidade de gestão de grandes projetos. As pequenas e médias empresas não conseguem nem garantias para tomar empréstimos junto ao próprio governo", disse a fonte.

No fim de 2006, a Mectron recebeu aporte de R$ 15 milhões do BNDES, que passou a deter fatia de 27% na empresa. Ela foi criada em 1991, por um grupo de cinco engenheiros oriundos do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), que adquiriram conhecimento na área de mísseis através de uma experiência no Iraque.

Tornou-se estratégica para as Forças Armadas brasileiras, especialmente a Aeronáutica e o Exército, com o desenvolvimento de mísseis. Hoje, a Mectron trabalha no desenvolvimento conjunto do míssil A-Darter, feito em cooperação com as Forças Aéreas da África do Sul e participação de empresas brasileiras e sul-africanas.

Com cerca de 300 funcionários, a Mectron trabalha ainda no desenvolvimento de um míssil anti-radiação MAR-1, de defesa contra baterias antiaéreas, para a FAB e com fornecimento para o Paquistão. Esse país irá arcar com 50% dos investimentos previstos para a fase de industrialização e logística do míssil. A Mectron também fornece sistemas para satélites do programa espacial brasileiro e o radar de bordo da aeronave militar AMX.


Fonte: Jornal Valor Econômico via NOTIMP da FAB - 29/01/2011

Comentário: O blog “BRAZILIAN SPACE” não tem o costume de divulgar notícias sobre a área de defesa, já que esse não é o nosso tema, no entanto, a Mectron é uma empresa também da área espacial com diversos projetos do PEB em andamento e assim não poderíamos deixar de citar essa negociação em curso com a Odebrecht, seja para uma parceria ou mesmo aquisição da empresa. O que há de se notar aqui que pelo menos a negociação esta sendo realizada entre dois grupos brasileiros, diferentemente ao que tem ocorrido nos últimos anos e também bem recentemente com a venda de empresas brasileiras do setor para empresas estrangeiras. Um verdadeiro absurdo, mas que felizmente como diz o texto da jornalista Virginia Silveira, o governo começar a se movimentar através do "Ministério da Defesa" para criar uma nova legislação que impeça esse tipo de coisa. Já estava virando casa de mãe Joana, onde tudo pode e o único que não manda é o próprio dono. Uma vergonha!

Sucesso no do 1º Campeonato Brasileiro de Foguetes

Olá Leitor!

Como divulgado pelo blog anteriormente (veja a nota 1º Campeonato Brasileiro de Foguetes) foi realizado com sucesso pelo “Clube de Astronomia Louis Cruls” com o apoio da “Prefeitura de Campos dos Goytacazes” através da “Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima” o “1º Campeonato Brasileiro de Foguetes”, ocorrido no “56º Batalhão de Infantaria” entre os dias 9 e 10 de novembro de 2010 no município de Campos dos Goytacazes (RJ).

O evento contou com a presença do astronauta brasileiro “Marcos César Pontes”, da exploradora espacial “Anousheh Ansari” e do renomado astrônomo “Ronaldo Rogério de Freitas Mourão”, além do apoio e participação do “Comandante do 56º Batalhão de Infantaria”, o Tenente-Coronel Júlio César Evangelista dos Santos e também do presidente da “Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima”, o Prof. Avelino Ferreira.

Estiveram participando do Campeonato equipes da rede pública municipal de ensino de Campos dos Goytacazes, do projeto PRO-JOVEM, do Colégio Estadual Oscar Batista de São João do Paraíso no município de Cambuci, do Clube de Astronomia de São Gonçalo e do Cube de Astronomia Louis Cruls sendo a equipe do Colégio Estadual Oscar Batista a grande sensação do Campeonato.

Segundos seus realizadores com os resultados obtidos durante o campeonato será possível desenvolver novos equipamentos para as próximas competições e o mais importante para todos foi acompanhar o sorriso nas faces daqueles que participaram do evento.

Abaixo segue algumas fotos e um vídeo do evento:

Duda Falcão

 Prof. Marcelo Oliveira, representante do Clube de Astronomia Louis Cruls,
o Ten.Cel. Júlio César Evangelista dos Santos, o astronauta
Marcos Pontes, a exploradora espacial Anousheh Ansari e
o astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão
  
 Os participantes preparando os foguetes
para serem lançados
  
 A exploradora espacial Anousheh Ansari
premiando uma das participantes
  
 Premiados possam ao lado das
personalidades presentes no evento
  
 Prof. Marcelo Oliveira, representante do Clube de Astronomia Louis Cruls,
o astronauta Marcos Pontes, a exploradora espacial
Anousheh Ansari e um dos participantes do evento

 Todos os premiados posando ao lado
das personalidades convidadas

 1º Campeonato Brasileiro de Foguetes
Campos dos Goytacazes (RJ) - Novembro 2010


Fonte: Com informações do Blog do Clube de Astronomia Louis Cruls

Comentário: O blog “BRAZILIAN SPACE” como disse em seu comentário na nota anterior sobre este evento, parabeniza o "Clube de Astronomia Louis Cruls" pela sua iniciativa visionária que demonstra uma vez mais a grande competência existente no país, apesar da desastrosa administração de nossa agencia espacial. Este é realmente um bom exemplo de iniciativa (apesar de ser ainda direcionado para foguetes de água quando já deveríamos ter avançado, veja o exemplo da Argentina, onde se tem até escolas de foguetes para todas idades em diversas cidades do país) dado pelo "Clube de Astronomia Louis Cruls", que deveria ser seguido pela Agência Espacial Brasileira (AEB), demonstrando o quanto é importante que eventos como esse sejam estimulados no Brasil. A nossa agência espacial tem os recursos, sejam eles financeiros e humanos e de infra-estrutura necessários para criar um evento nacional e liderar a criação junto a outros países de um grande evento latino-americano não só na área de foguetes, como de nanosatélites, ciências espaciais, astronomia, robótica, microgravidade, entre outros. Infelizmente falta visão aos pseudos administradores da AEB e do governo que continuam estimulando nossos jovens a lançarem foguetes de água em seus eventos, enquanto jovens de outros países tem acesso a horizontes bem maiores e muito mais estimulantes. Lamentável!

Vôo do VS-40/SHEFEX II Fica para o 2º Semestre de 2011

Olá leitor!

Segundo a programação de missões (eventos) para o ano de 2011 divulgada no site do Centro Aeroespacial Alemão (DLR), o vôo do foguete brasileiro VS-40 com o experimento alemão SHEFEX II abordo, que estava previsto para ocorrer no primeiro semestre desse ano da Base de Woomera, no sul da Austrália, foi transferido para alguma data entre os meses de setembro e outubro no mesmo local. A programação da DLR também confirma os vôos do VSB-30/Texus 49 para março e do VSB-30/Texus 48 para novembro, ambos da Base de Esrange, na Suécia.

Vale lembrar leitor que esse vôo do VS-40/SHEFEX II carregará um experimento brasileiro relacionado com o projeto da SARA Orbital. Caso o leitor queira conferir a programação do DLR click aqui.

Duda Falcão

 
Fonte: Site do Centro Aeroespacial Alemão (DLR)

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

ANATEL Aprova Faixa de Freqüências para Sat. Ambientais

Olá leitor!

Segue abaixo mais uma notícia postada dia (27/01) no site da “Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL)” destacando que a agência aprovou a destinação da faixa de radiofreqüências de 26,55 GHz a 26,85 GHz ao Serviço Limitado Privado (SLP) em aplicações de exploração da Terra por satélite.

Duda Falcão

Agência Aprova Destinação de Faixa de
Freqüências para Satélites Ambientais

27 de janeiro de 2011

O Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) aprovou hoje a destinação da faixa de radiofreqüências de 26,55 GHz a 26,85 GHz ao Serviço Limitado Privado (SLP) em aplicações de exploração da Terra por satélite, para viabilizar a operação do Sistema NPOESS no País. As informações oferecidas pelo Sistema e disponibilizadas ao Brasil serão úteis para monitorar dados climáticos e meteorológicos, possibilitando às autoridades tomar ações de forma a evitar os efeitos de catástrofes naturais como as ocorridas recentemente no Brasil.

O Projeto NPOESS (National Polar-Orbiting Operational Environmental Satellite System) utiliza a nova geração de satélites ambientais de órbita polar dos Estados Unidos e foi desenvolvido para prover capacidade operacional de sensoriamento remoto a fim de obter, armazenar e disseminar dados meteorológicos, climáticos, terrestres, oceanográficos e geofísico-solares específicos aos centros de processamento de imagens global e regional.

O Sistema pertence à NOAA (National Oceanic & Atmospheric Administration), do Departamento de Comércio do governo dos Estados Unidos. O receptor no Brasil será operado pela Raytheon Espectro Serviços de Telecomunicações Ltda em colaboração com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais).

Atualmente, existe acordo entre INPE e NOAA com validade por 10 anos, podendo ser renovado, para acesso aos dados coletados pelo NOAA. O escopo do acordo compreende o compartilhamento de dados ambientais e produtos, a análise e disseminação de dados ambientais, a cooperação e utilização de infra-estrutura e o desenvolvimento de aplicações e pesquisa científica.

O Sistema prevê, inicialmente, a utilização de dois satélites NPOESS mais dois satélites por meio de cooperação internacional com a Europa e Japão. O primeiro satélite NPOESS tem lançamento previsto para 2014. Os satélites europeu e japonês já se encontram em órbita.

O projeto é composto por diversos receptores distribuídos globalmente (16 receptores em 15 localidades). Os dados são recebidos automaticamente e direcionados dos receptores para as centrais de alto desempenho. Após processados, os dados obtidos serão disponibilizados para a comunidade internacional de meteorologistas, cientistas e pesquisadores.

Os estudos sugeriram a localização de uma das estações no Brasil e, em discussões com a ANATEL, foi promovida a localização da estação em Euzébio (Ceará), em centro de pesquisa do INPE, que conta com estação de radiomonitoragem da Agência, devido à alta disponibilidade de dados e baixa latência exigidos pelo sistema. De acordo com os estudos, "a estação no Brasil fornecerá cobertura sobre a área do Oceano Atlântico, onde os furacões costumam se formar, e provê a melhor conectividade a partir do Nordeste do Brasil, cuja capacidade atenda aos valores de latência de dados exigidos".

O Sistema NPOESS se propõe a trazer informações para as seguintes áreas:

* monitoramento de tempestades e planejamento mais eficaz de evacuações;

* monitoramento da qualidade do ar, com observação da poluição em áreas urbanas e de partículas decorrentes de incêndios;

* monitoramento de ozônio, a fim de atender os requisitos do Protocolo de Montreal;

* suporte ambiental à agricultura;

* indústria de pesca e transporte marítimo (cor e temperatura do oceano, altura das ondas, medidas atmosféricas sobre o mar);

* observação ambiental, com medidas de áreas de seca e de precipitação e de vegetação;

* preservação de ecossistemas.

Durante o processo de elaboração da proposta de regulamentação, ficou assegurado o acesso dos dados do sistema pelo INPE, Marinha do Brasil e demais membros da comunidade científica brasileira.


Fonte: Site da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL)

INPE Seleciona Bolsista na Área de Circ. Eletrônicos Digitais

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (28/01) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o instituto está selecionando bolsista na área de “Circuitos Eletrônicos Digitais”.

Duda Falcão

INPE Seleciona Bolsista na Área de
Circuitos Eletrônicos Digitais

28/01/2011

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) seleciona engenheiro eletrônico ou da área de computação para atuar no projeto “Desenvolvimento de Tecnologia COTS (Commercial Off the Shelf)”. É desejável experiência na área de circuitos eletrônicos digitais.

Parte do Programa de Desenvolvimento de Tecnologias Críticas do INPE, o projeto tem como objetivo testar um componente eletrônico denominado FPGA (Field-Programmable Gate Array) nas condições previstas no espaço, incluindo ambiente de radiação.

A contratação será por meio de bolsa DTI e a remuneração de acordo com a experiência do profissional selecionado, como especificado abaixo.

Bolsa DTI

As bolsas de Desenvolvimento Tecnológico Industrial – DTI destinam-se a agregação temporária de profissionais especializados, sem vínculo empregatício, para execução de programas e projetos institucionais. Serão concedidos os seguintes níveis de bolsas DTI, obedecendo aos critérios de enquadramento relacionados ao candidato:

I – DTI 7 A: profissional com 15 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior ou com experiência mínima de 10 anos na coordenação de programas e projetos em C&T ou com título de doutor; ou ainda com grau de mestre há, no mínimo, 5 anos. Valor da bolsa: R$ 3.169,37.

II – DTI 7 B: profissional com 12 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior ou com experiência mínima 8 anos na coordenação de programas e projetos em C&T; ou com título de doutor; ou, ainda, com grau de mestre há, no mínimo, 3 anos. Valor da bolsa: R$ 2.630,58.

III – DTI 7 C: profissional com 10 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior, ou com experiência mínima de 6 anos na coordenação de programas e projetos em C&T ou com grau de mestre há, no mínimo, 1 ano. Valor da bolsa: R$ 2.186,07.

IV – DTI 7 D: profissional com 8 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior, ou com experiência mínima de 4 anos na coordenação de programas e projetos em C&T ou com grau de mestre. Valor da bolsa: R$ 1.838,23.

V – DTI 7 E: profissional com 6 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior, ou com experiência mínima de 2 anos na coordenação de programas e projetos em C&T. Valor da bolsa: R$ 1.521,30.

VI – DTI 7 F: profissional com 4 anos de experiência após a obtenção do diploma de nível superior ou técnico de nível médio com no mínimo de 8 anos de experiência profissional. Valor da bolsa: R$ 1.267,75.

VII – DTI 7 G: profissional com diploma de nível superior; ou técnico de nível médio com o mínimo de 6 anos de experiência profissional. Valor da bolsa: R$ 1.045,89.

VIII – DTI 7 H: técnico com diploma ou formação profissionalizante. Valor da bolsa: R$ 868,08.

Contato

Os interessados devem enviar currículo para Issamu Muraoka.
Telefone: (12) 3208- 7017


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Ascending to the Stars on a Beam of Light

Hello reader!

It follows one communicates published in english on the day (03/11/2010), in the website of the Discover Magazine "www.discovermagazine.com", announcing that in the future the man will be able to ascend the stars on a beam of light.

Duda Falcão

Space

Ascending to the Stars on a Beam of Light

Yee-haw! Whipping a rocket in the behind with laser
blasts might be a more efficient way to get it to
space than the regular tons-of-fuel model

by Nick Zautra
From the July-August special issue
Published online November 3, 2010

Chemical rockets devote a lot of space to fuel.
Laser propulsion would reduce that bulk

NASA/BIll Ingalls/Carla Cioffi
Look at a typical rocket and you’ll see a whole lot of fuel with a little payload tacked on top. That inefficiency is a big part of why it costs about $10,000 per pound to get a satellite into orbit. It is also why a group of researchers are investigating a radical alternative that could loft objects into space far more cheaply—using lasers instead of chemicals.

Recently declassified work by aerospace engineer Franklin Mead Jr. of the Air Force Research Laboratory and physicist Eric Davis of the Institute for Advanced Studies at Austin, Texas, describes this “lightcraft propulsion.” Their technique aims a high-powered laser beam upward at a small, low-mass craft. During takeoff, the laser causes air at the base of the craft to explode into a jet of hot plasma, generating thrust. Beyond the reach of Earth’s atmosphere, the laser continues to point at the craft’s underside, heating a propellant material (such as plastic-based Delrin) that lines its bottom. Mead has experimented with small-scale models to prove the feasibility of light propulsion, and Davis has investigated how to get the most out of the laser’s energy. The two researchers claim that their design could get satellites into low Earth orbit for around $1,400 per pound. “Not carrying the whole energy source on board reduces the cost to a fraction of what we’re used to paying,” Davis says.

Although no lightcraft has yet made it into space, one prototype—designed by Leik Myrabo, an engineering physicist at Rensselaer Polytechnic Institute—successfully flew 233 feet into the air under laser power. Myrabo says he could increase that height thirtyfold or more just by upgrading to a wider and more powerful laser beam. But reaching orbit will require megawatt lasers; so far, the best commercial lasers used in experiments have less than one-tenth that power. Military lasers could probably cut it, but they are difficult to access for civilian research. Myrabo is now collaborating with the Brazilian Air Force on efforts to boost laser power in tests at the Institute for Advanced Studies in São José dos Campos, Brazil.

AEB Cria Comissão para Fiscalizar Contrato do CLA

Olá leitor!

O Diário Oficial da União (DOU) de hoje (28/01) publicou uma portaria da Agência Espacial Brasileira (AEB), instituindo uma "Comissão de Fiscalização e Acompanhamento" para analisar, autorizar, acompanhar, gerir e fiscalizar a execução de um contrato firmado entre a AEB e a empresa "CONCERT TECHNOLOGIES S.A" que visa o fornecimento de "Serviço de Desenvolvimento e Implantação de Sistema de Controle Operacional de Disparo (SCOD)" do Centro de Lançamento de Alcântara-MA. Abaixo segue a portaria como publicada no DOU.

Duda Falcão

AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA
PORTARIA Nº 11 - AEB, 18 DE JANEIRO DE 2011

O PRESIDENTE DA AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA, no uso das atribuições legais, de acordo com o Art. 67 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, resolve:

Art. 1º - Instituir a Comissão de Fiscalização e Acompanhamento para analisar, autorizar, acompanhar, gerir e fiscalizar a execução do Contrato nº 24/2010, firmado entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Empresa CONCERT TECHNOLOGIES S.A, CNPJ nº 04.732.840/0001-8, tem por objeto o Fornecimento de "Serviço de Desenvolvimento e Implantação de Sistema de Controle Operacional de Disparo (SCOD)" do Centro de Lançamento de Alcântara-MA.

Art. 2º - Designar os seguintes membros para constituírem a referida Comissão:

AEB

Nilo Sergio de Oliveira Andrade (Presidente)
João José Silva Tavares (membro)

CLA

José Alano Peres de Abril (membro)
Nehemias Pegado Cortez Neto (membro)

Art. 3º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

CARLOS GANEM


Fonte: Diário Oficial da União (DOU) - pág. 06 - 28/01/2011