quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Segundo Gilberto Câmara a Fusão AEB/INPE Está Morta

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (30/11) no site “TELETIME” destacando que segundo o diretor do INPE, Gilberto Câmara, a fusão entre a AEB e o INPE proposta pelo presidente da AEB, Marco Antônio Raupp, não está mais sendo discutida dentro do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Duda Falcão

SATÉLITES

Fusão da AEB com INPE Está Morta, Diz
Gilberto Câmara, Presidente do Instituto

Quarta-feira, 30 de novembro de 2011, 20h19

A proposta apresentada no meio do ano pelo presidente da AEB, Marco Antônio Raupp, de fundir a autarquia com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) não está mais sendo discutida dentro do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. A proposta não avançou porque sofreu forte oposição de Gilberto Câmara, diretor geral do INPE. A idéia de Raupp era que a incorporação da AEB com o INPE pudesse fortalecer o Programa Espacial Brasileiro a partir de uma atuação integrada das duas instituições.

"Falei 'ótimo' desde que a resultante disso se chame INPE. O Instituto tem uma história é uma das instituições de pesquisa mais respeitadas do Brasil, muito mais antiga que a AEB. A AEB tem dois funcionários. Como ele (Marco Antônio Raupp) não topou, não rolou. A proposta morreu.", explica Gilberto Câmara.

A proposta, por ora está engavetada. Entretanto, Câmara está deixando o INPE até o final do ano, o que poderá fazer com que a discussão seja recolocada quando o Instituto passar a ter outro diretor. Câmara diz que está "cansado" e pretende se dedicar mais a área acadêmica. Em 2012 ele deve se afastar para fazer um curso de pós-doutorado na Alemanha.

O novo diretor da o Instituto será escolhido pelo ministro Aloízio Mercadante a partir de uma lista tríplice apresentada pelo Comitê de Busca que é formado por profissionais que atuam em áreas afins às do INPE.

Embraer

Câmara discorda da maneira como o governo vem trabalhando no projeto do Satélite Geoestacionário Brasileiro. Sua maior insatisfação reside no fato de o INPE não ter sido incluído nas discussões. Além disso, segundo ele, o governo ainda não indicou como a experiência do Instituto será aproveitada no programa. Sobre a joint venture da Telebrás com a Embraer, Câmara diz que não vai haver "integração nenhuma" como dizem os representantes do governo. Isso porque a companhia vai comprar um satélite pronto, já que não tem nenhuma experiência em integração. "Integração não é o que a Embraer vai fazer, ela vai acompanhar. A Embraer vai comprar pronto. A melhor maneira de integrar um satélite é fazendo", afirma ele.

Segundo ele, para que "a Embraer possa ser o que o governo quer que ela seja" é preciso investimento na empresa. Câmara procura amenizar a sua insatisfação com a exclusão do INPE. "Como o INPE vai passar o seu conhecimento para a Embraer, eu não sei. E nem quero falar sobre esse assunto agora que eu estou saindo. Isso faz parte de um debate que vai acontecer nos próximos anos".

Prêmio

Gilberto Câmara esteve nesta quarta em na Câmara dos Deputados onde foi homenageado em nome do INPE com a Medalha Mérito Legislativo pelo trabalho que o INPE desenvolve na área ambiental com monitoramento de queimadas, entre outras ações. A Medalha Mérito Legislativo é a maior honraria concedida pela Câmara dos Deputados a pessoas com relevantes serviços prestados ao País.


Fonte: Site TELETIME - http://www.teletime.com.br/

Comentário: Veja você leitor nas palavras do Gilberto Câmara que essa história do SGB é bem pior do que havíamos imaginado. Os caras querem realizar um projeto de satélite no Brasil e não incluíram nas discussões a única intuição no país qualificada nessa área. É como sempre dizemos, essa gente não tem comprometimento nenhum, responsabilidade nenhuma, ignorantes que são por natureza, tomam decisões estapafúrdias que levam a sociedade a prejuízos enormes e que no fim das contas quem paga o preço é o povo brasileiro, enquanto eles se reúnem numa farta rodada de pizza. Lamentável!

Marcos Pontes Nomeado Embaixador da Boa Vontade

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (30/11) no site das “Nações Unidas no Brasil - ONUBR” destacando que o astronauta brasileiro Marcos Pontes foi nomeado hoje “Embaixador da Boa Vontade” para a “Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO)”.

Duda Falcão

Destaque

Astronauta Brasileiro Marcos Pontes é
Novo Embaixador da Boa Vontade da UNIDO

30/11/2011


O astronauta brasileiro Marcos Pontes foi apontado nesta quarta-feira (30/11) Embaixador da Boa Vontade para a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) durante a 14a sessão da Conferência Geral da UNIDO em Viena, Áustria.

Pontes foi o primeiro astronauta brasileiro a viajar para o espaço. Da pobreza vivida no subúrbio de São Paulo, ele chegou aos estudos de aeronáutica, tecnologia e engenharia. “Com sua história única, Marcos Pontes dá exemplo como a educação básica e as habilidades profissionais podem fazer a diferença. Ele é uma inspiração para muitas pessoas pelo mundo”, afirmou o Diretor Geral da UNIDO, Kandeh K. Yumkella.

O Programa Embaixador da Boa Vontade de UNIDO seleciona pessoas destacadas para ajudar na implementação e suporte em três tema prioritários: redução da pobreza através de atividades produtivas; capacitação e comércio; energia e meio ambiente.

“Olhando do espaço, a Terra é um planeta único e belo. Temos sete bilhões de pessoas tentando viver com alguma qualidade nesse belo lar azul. No entanto, não será possível se tentarmos fazer isso de forma egoísta. Precisamos nos unir e preparar a nova geração para ser cidadãos de apenas um mundo. A UNIDO pode ajudar nesse desafio e eu estou honrado em aceitar a nominação de Embaixador da Boa Vontade da UNIDO para cooperar por um futuro melhor na terra”, afirmou o astronauta.


Fonte: Site das Nações Unidas no Brasil (ONUBR)

Comentário: O Blog BRAZILIAN SPACE parabeniza o nosso astronauta por mais essa conquista.

IAE Realiza Qualificação Estrutural do Sara Suborbital

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (30/11) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando que visando o lançamento do “Sara Suborbital” previsto para acontecer nos meses finais de 2012, foi realizada pela Divisão de Integração e Ensaios do IAE (AIE) o ensaio dinâmico da estrutura completa desta plataforma espacial.

Duda Falcão

Qualificação Estrutural do Sara Suborbital

Campo Montenegro
30/11/2011

Visando o vôo do veículo VS-40/Sara Suborbital a ser realizado em finais de 2012, a Divisão de Integração e Ensaios do IAE (AIE) realizou o ensaio dinâmico da estrutura completa do Sara Suborbital entre os dias 22 e 26 de novembro de 2011. O ensaio foi acompanhado pelo Grupo de Projeto do Sara, pertencente á Divisão de Sistemas Espaciais (ASE).

No ensaio, depois de realizadas as assinaturas, foram aplicadas as cargas de qualificação estrutural no regime senoidal e no regime aleatório. Segundo o gerente do projeto, Luís Loures, os resultados foram satisfatórios: “- Estamos 95% satisfeitos com os resultados do ensaio, pois o comportamento geral do veículo SARA foi muito bom, correspondendo aos nossos cálculos teóricos, restando apenas alguns pequenos ajustes em problemas pontuais encontrados”. Na opinião do Dr. Loures, nada que preocupe: “- De fato, ensaios de qualificação servem para isso mesmo, ou seja, para garantir que o projeto possa convergir para uma solução confiável e segura”.

Na seqüência do desenvolvimento, o modelo de qualificação do SARA deverá sofrer ainda outro ensaio de vibração, agora com a eletrônica “viva”. “- O próximo passo só poderia ser realizado depois que tivéssemos a certeza de que não ocorreriam problemas estruturais que pudessem danificar a eletrônica embarcada e essa certeza foi alcançada com o ensaio realizado”.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (IAE)

Comentário: Essa é sem sombra de dúvidas nos últimos meses a semana das boas notícias dentro do Programa Espacial Brasileiro. O projeto SARA que é dividido em quatro etapas, sendo duas suborbitais e duas orbitais, em conjunto com os projetos dos motores-foguetes líquidos (L5, L15 e L75), o motor-foguete sólido S-50, os Veículos Lançadores de Satélite VLS-1 e VLM-1, os foguetes de sondagem VS-15 e VS-50, o Projeto SIA como um todo e o Projeto SAMF "Sistema de Alimentação de Motor Foguete", são atualmente os principais projetos em andamento no âmbito do IAE e de suma importância para que o Brasil possa definitivamente alcançar o domínio completo da tecnologia espacial na área de acesso ao espaço. Vale citar que durante a realização do “5º SePP&D”, ocorrido em abril desse ano, o representante do projeto SARA disse aos presentes que já existe um estudo em andamento (uma espécie de quinta etapa) para possibilitar o acoplamento entre a SARA e um outro objeto em orbita, deixando a todos agradavelmente surpresos com os objetivos deste projeto. Por enquanto estamos ainda na primeira fase do projeto que é suborbital e avançando na medida do possível. Avante IAE.

INPE Preparing to Host GLP

Hello reader!

It follows one communicates published on the day (11/30) in the website of the National Institute for Space Research (INPE) noting that INPE peraring to host Global Land Project (GLP).

Duda Falcão

INPE Preparing to Host GLP

Wednesday, November 30, 2011

Organized and hosted by the future IPO of GLP at INPE in Brazil, the Land Use Transitions in South America workshop linked scientists from social and natural sciences to exchange their views on one of the world's most diverse and dynamic regions in the globe. Details of the workshop, including the presentations, are available here: http://www.inpe.br/wsglp2011/

During three days in Ilhabela (Nov. 17-19), the participants could listen and discuss about four main topics related to the sustainable future of the region: Institutional Arrangements and Governance; Vulnerability of Land Use and Food Security; Environmental Services Provision; and Modelling and Data Provision & Analysis. The outcomes of the event will be available in the next GLP Newsletter, and also in their website www.globallandproject.org.

According to the organizers, the GLP workshop also served as a kick off of the GLP IPO transition to Brazil. Hosting the IPO at INPE, in São José dos Campos, was made possible through the personal commitment of Dr. Gilberto Câmara, GLP SSC member from 2006-2011 and Director of INPE.

With this move, the new IPO will be located both in a country of the highest importance and interest for land change research, as well as in an emerging major player in the global science community. This will also be the first IPO to be located in a country of the global south.

The Global Land Project (GLP) is a jointly funded core project of the International Geosphere-Biosphere (IGBP) and the International Human Dimensions Programme on Global Environmental Change (IHDP). GLP became operational in September 2006 with the establishment of the International Project Office (IPO) in Copenhagen, Denmark, funded by the University of Copenhagen. It currently operates with two Nodal Offices (Sapporo, Japan; and Beijing, China). From January 2012, the IPO will be relocated in São José dos Campos, Brazil, becoming to be funded and hosted by INPE.


Source: WebSite of the National Institute for Space Research (INPE)

INPE Se Prepara para Receber o GLP

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (30/11) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o instituto está se preparando para receber o Global Land Project (GLP).

Duda Falcão

INPE Se Prepara para Receber o GLP

Quarta-feira, 30 de Novembro de 2011

Organizado pelo escritório internacional do Global Land Project (IPO), que a partir de janeiro terá sede no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o workshop sobre "Mudanças de Uso da Terra na América do Sul" reuniu especialistas de diversas áreas da ciência para compartilharem suas avaliações sobre uma das regiões mais dinâmicas e heterogêneas do globo. As apresentações realizadas durante o workshop estão disponíveis no site do evento: http://www.inpe.br/wsglp2011/

Durante três dias (17 a 19 de novembro), em Ilhabela (SP), os participantes acompanharam discussões em torno dos quatro tópicos principais do workshop, relacionados a um futuro sustentável para a região: Governança e Disposições Institucionais; Vulnerabilidade no Uso da Terra e Segurança Alimentar; Prestações de Serviços Ambientais e Modelagem e Análise de Dados. As conclusões obtidas no evento serão divulgadas em breve pelo GLP, através de sua newsletter e na página www.globallandproject.org.

Segundo os organizadores, o workshop do GLP foi também um estímulo para a transição do IPO para o Brasil. Sediar o novo escritório internacional no INPE, em São José dos Campos (SP), foi possível devido ao comprometimento do diretor do Instituto, Gilberto Câmara, membro do comitê científico do GLP desde 2006.

Com a mudança, o novo IPO estará localizado em um país com grande demanda pela pesquisa sobre mudanças no uso da terra e com um papel cada vez maior na comunidade científica internacional. O Brasil será o primeiro país do Hemisfério Sul a receber o IPO.

O Global Land Project (GLP) é uma iniciativa do International Human Dimensions Programme on Global Environmental Change (IHDP) e do International Geosphere–Biosphere Programme (IGBP). Iniciou suas atividades em setembro de 2006 com a implantação do escritório internacional (IPO) na Dinamarca, financiado pela Universidade de Copenhague. Com a transferência para o Brasil, passará a ser financiado e sediado pelo INPE.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

DETER Records 386 km² of Deforestation Alerts in October

Hello reader!

It follows one communicates published on the day (11/29) in the website of the National Institute for Space Research (INPE) noting that DETER records 386 km² of deforestation alerts in October.

Duda Falcão

DETER Records 386 km² of
Deforestation Alerts in October

Tuesday, November 29, 2011

DETER, Real Time Deforestation Detection System of Brazil's National Institute for Space Research (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE), has warned 385,56 km² of Amazon rainforest deforestation or degradation. The distribution of warning areas in Amazon states is presented in the following table:


Rondônia: 128.59 Km²
Pará: 119,39 km²
Mato Grosso: 98,08 km²
Amazônia: 18,93 km²
Roraima: 8,18 km²
Maranhão: 6,53 km²
Acre: 4,32 km²
Tocantins: 0,89 km²
Amapá: 0,65 km²
Total: 385,56 km²

On the map below, yellow dots represent the location of an alert issued by DETER. Pink areas are places that could not be monitored due clouds coverage, which was 17% in October.


Due to cloud cover variation between two months, also to satellite resolution, INPE does not recommend to compare data from different months or years obtained by DETER.

About DETER

DETER system produces daily Amazon deforestation alerts, which guide supervision and ensure effective actions of forest clearing control. Although its data is released monthly or bimonthly, DETER results have been sent to Ibama - responsible to overseeing warning areas - almost daily.

DETER uses data from Modis Terra satellite sensor, with a 250-meters space resolution, which makes possible to detect deforestation polygons with an area larger than 25 hectares. Some deforestation areas are not identified by the system due to possible cloud coverage.

The low resolution used by DETER is compensated by the ability of daily observation, which makes the system a perfect tool to quickly inform deforestation to surveillance authorities. This system records both cleared areas, when satellites detect complete removal of native forest, and areas classified as progressive degradation, which reveal the process of deforestation in the region.

DETER outcomes are important indicators for control and supervision organizations. However, to compute an annual rate of forest removal by clear-cutting in Amazon rainforest, INPE works with PRODES (www.obt.inpe.br/prodes), which uses high resolution images capable of showing small deforestation points.

Jointly every disclosure of DETER's data, INPE presents a sample evaluation report. Whether reports or data generated by DETER can be found at www.obt.inpe.br/deter


Source: WebSite of the National Institute for Space Research (INPE)

Precisamos dos Satélites para Entender a Natureza

Olá leitor!

Segue abaixo uma pequena nota postada hoje (30/11) pelo site do jornal português “Diário de Aveiro” informando que Thyrso Villela da Agência Espacial Brasileira (AEB) esteve participando de uma “Mesa Redonda” sobre Ciências Espaciais dia 28/11 na cidade portuguesa de Aveiro.

Duda Falcão

“Precisamos dos Satélites
para Entender a Natureza”

As ciências espaciais estiveram, anteontem, em debate, numa iniciativa
que reuniu alguns especialistas da área, conceituados internacionalmente

Diário de Aveiro
Quarta-feira, 30 de novembro de 2011

As ciências espaciais e a sua aplicação para benefício da sociedade civil e do nosso planeta lideraram a “Mesa Redonda”, organizada pela Fábrica Centro Ciência Viva, anteontem, no Hotel Moliceiro, no centro de Aveiro.

Dominique Le Queau, do Pólo Aeroespacial de Toulouse, em França, e Thyrso Villela, da Agência Espacial Brasileira, foram os oradores da iniciativa subordinada ao tema “A Terra monitorizada do espaço”.

Conseguir detectar incêndios precocemente, mapear as alterações das zonas costeiras ou controlar o tráfego urbano através do espaço foram alguns dos temas abordados na sessão, que era destinada a interessados pela área e ao público em geral. “Temos que conhecer a natureza para entender o que vai acontecer conosco e com as próximas gerações”, explicou Thyrso Villela, adiantando, ainda, que esse é um dos motivos pelo qual “precisamos dos satélites”.

Mais Informação na Edição em Papel do Diário de Aveiro.


Fonte: Diário de Aveiro - 30/11/2011 - http://www.diarioaveiro.pt/

AEB Libera Recursos para Satélites de Pequeno Porte

Olá leitor!

O Diário Oficial da União (DOU) de hoje (30/11) publicou uma portaria da Agência Espacial Brasileira (AEB), liberando recursos para o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) relacionado com a Ação 4934 - Desenvolvimento e Lançamentos de Satélites Tecnológicos de Pequeno Porte . Abaixo segue a portaria como publicada no DOU.

Duda Falcão

AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA
PORTARIA Nº 95, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011

O PRESIDENTE DA AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e tendo em vista a delegação de competência outorgada pela Portaria GM/MCT nº 473, de 28 de julho de 2008, e o que consta do Processo Administrativo nº 01350.000216/2010-48, resolve:

Art. 1º. Autorizar a complementação da descentralização de crédito e do repasse de recursos para o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, UG 240106, Gestão 00001, no valor de R$ 80.000,00 (oitenta mil reais), na Ação 4934 - Desenvolvimento e Lançamentos de Satélites Tecnológicos de Pequeno Porte, segundo o que consta do Processo Administrativo supra versado.

Art. 2º. A Diretoria de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento- DSAD, com o apoio da Diretoria de Planejamento, Orçamento e Administração - DPOA, exercerá o acompanhamento da execução do objeto da presente descentralização, de modo a evidenciar a boa e regular aplicação dos recursos transferidos.

Art. 3º. O órgão executor beneficiário expressamente submeteu-se aos ditames normativos em vigor, e, em especial, ao teor da Portaria Normativa PRE/AEB nº 9, de 29 de janeiro de 2010 e deverá restituir à AEB, até o final do exercício de 2011, os créditos não empenhados e os saldos financeiros.


MARCO ANTONIO RAUPP


Fonte: Diário Oficial da União (DOU) - Seção 1 - pág. 5 - 30/11/2011

DETER - 386 km² de Alertas de Desmatamento em Outubro

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (29/11) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o DETER registrou 386 km² de Alertas de Desmatamento em outubro.

Duda Falcão

DETER Registra em Outubro
386 km² de Alertas de Desmatamento

Terça-feira, 29 de Novembro de 2011

As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia somaram 385,56 km² em outubro, conforme os dados registrados pelo DETER, o sistema de detecção do desmatamento em tempo real do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A distribuição das áreas de alerta nos estados da Amazônia Legal é apresentada na tabela a seguir:

Rondônia: 128.59 Km²
Pará: 119,39 km²
Mato Grosso: 98,08 km²
Amazônia: 18,93 km²
Roraima: 8,18 km²
Maranhão: 6,53 km²
Acre: 4,32 km²
Tocantins: 0,89 km²
Amapá: 0,65 km²
Total: 385,56 km²

No mapa abaixo os pontos amarelos mostram a localização dos alertas emitidos pelo DETER. Em rosa, os locais não monitorados devido à cobertura de nuvens, que correspondeu a 17% em outubro.


Em função da cobertura de nuvens variável de um mês para outro e, também, da resolução dos satélites, o INPE não recomenda a comparação entre dados de diferentes meses e anos obtidos pelo sistema DETER.

Sobre o DETER

Os alertas produzidos pelo DETER servem para orientar a fiscalização e garantir ações eficazes de controle da derrubada da floresta. Embora os dados sejam divulgados em relatórios mensais ou bimestrais, os resultados do DETER são enviados quase que diariamente ao Ibama.

O DETER utiliza imagens do sensor Modis do satélite Terra, com resolução espacial de 250 metros, que possibilitam detectar polígonos de desmatamento com área maior que 25 hectares. Nem todos os desmatamentos são identificados devido à eventual cobertura de nuvens.

A menor resolução dos sensores usados pelo DETER é compensada pela capacidade de observação diária, que torna o sistema uma ferramenta ideal para informar rapidamente aos órgãos de fiscalização sobre novos desmatamentos.

Este sistema registra tanto áreas de corte raso, quando os satélites detectam a completa retirada da floresta nativa, quanto áreas classificadas como degradação progressiva, que revelam o processo de desmatamento na região.

Os números apontados pelo DETER são importantes indicadores para os órgãos de controle e fiscalização. No entanto, para computar a taxa anual do desmatamento por corte raso na Amazônia, o INPE utiliza o PRODES (www.obt.inpe.br/prodes), que trabalha com imagens de melhor resolução espacial capazes de mostrar também os pequenos desmatamentos.

A cada divulgação sobre o sistema de alerta DETER, o INPE apresenta também um relatório de avaliação amostral dos dados. Os relatórios, assim como todos os dados relativos ao DETER, podem ser consultados em www.obt.inpe.br/deter


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Research Shows Chemical Evolution of Galaxies

Hello reader!

It follows one article published on the day (11/30) in the english website of the Agência FAPESP noting the research shows chemical evolution of Galaxies.

Duda Falcão

Research Shows Chemical
Evolution of Galaxies

By Janaína Simões
November 30, 2011

Scientists study how chemical
elements change with time and
with the position within
galaxies. Thematic Project’s
focus at IAG-USP is central
stars in planetary nebulae (NASA)
Agência FAPESP – Just as the wind blows dust on Earth, the stellar winds blow matter outside the stars throughout the lives of the stars. Stellar winds interest astronomers because it is a preliminary phenomenon to the end of a star’s life cycle.

Discovering the chemical composition of these winds and the influence of this composition in the process of stellar mass loss is the subject of Graziela Keller’s doctoral thesis project, through a FAPESP Fellowship.

The study is part of the Thematic Project “Photoionized nebulae, stars and the chemical evolution of galaxies,” coordinated by Walter Maciel, professor of USP’s Astronomy, Geophysics and Atmospheric Sciences Institute (IAG) and funded by FAPESP.

Maciel is at the helm of a group that studies the chemical evolution of galaxies, or rather, how chemical elements can change with time and their position inside galaxies. In the Thematic Project, the focus is the central stars of planetary nebulae.

“The changes will depend on the evolution over time. Therefore, we need to know their age. We are calculating variations in the chemical composition, but we need to know to what stage of a galaxy’s life they apply,” says Maciel.

“The chemical composition of the Milky Way is different from 5 billion or 10 billion years ago. We need to study objects that have ages corresponding to each of the phases of a galaxy’s lifespan, and to do so, we must calculate the ages of each object in the study,” he explained.

The central stars of the planetary nebulae studied by IAG group are very evolved phases of the lives of stars like the Sun. “They have already lost their entire ‘envelope,’ that is, the planetary nebula that was surrounding them. What they are showing now on the surface is the chemical composition that once was inside the star, something we couldn’t see,” said Keller.

In observing these stars, the researchers that helped to test and perfect the models of evolution and star structure have already been described by science. The loss of matter through stellar winds is related to the luminosity of the stars and basically the decomposition of light, through spectroscopy, which tells what a star is made of. With this scientists calculate the metallicity, or rather, what chemical elements are in its make-up and what quantity.

One scientific hypothesis to explain the winds is radiation pressure: the light generates pressure, pushing the matter of the star’s most external layers. “Depending on the chemical element that is present in that matter, the light will push the wind more or less. If we know what chemical elements are present, we can say that the model is capable of generating the loss of mass we have seen or not,” says Keller.

To study the winds, she used stellar atmospheric codes, developed by other scientists over several years. She spent a year at Johns Hopkins University in the United States to learn how to use a computer program called CMFGEN, which helps conduct calculations and determine the physical characteristics of central stars in planetary nebulae.

“These codes simulate what we are observing. We gave all the characteristics of the star and the code gives us the star’s spectrum, or rather, the division of light in varied colors,” explains Keller.

By comparing all the spectra simulated by the codes with the observed spectrum, one can determine the stellar mass, its surface gravity, luminosity, mass loss rate, wind velocity and chemical composition. “If we know what chemical elements are present in the surface of these stars, we can determine which mass loss mechanisms are capable of accelerating what we observe,” he says.

Keller also studied the instabilities caused by the mechanism of wind acceleration. The quicker the wind, the greater the force of the pull and vice-versa. This process increases the velocity, creating wind collisions that cause so-called inhomogeneity – characteristics of body that does not have the same properties at every point. In the case of wind, movement generates thinner air interspersed with denser regions. The in-homogeneities impact what is observed in the star.

In order to study this aspect of stellar winds, Keller utilized another type of computational code, H-DUST, developed by researcher Alex Carciofi, also of IAG-USP. It serves to stimulate what occurs with light when it passes through a star’s atmosphere, but is tridimensional.

This data can be compared to those generated by the CMFGEN code used by her in the United States, showing that what she adopted as inhomogeneity of the winds in the first half of her doctorate is close to the forecast developed by the Carciofi’s tridimensional code system.

Age of the Stars

The Thematic Project coordinated by Maciel also developed two new models to calculate the age of stars located in the center of nebulae. The team had already developed three methods, whose results were published at the beginning of 2010 in the magazine Astronomy and Astrophysics.

Initially, they analyzed a sample of 230 nebulae among the roughly 2,000 existing planetary nebulae in the Milky Way. Now, in the study “Kinematic Ages of The Central Stars of Planetary Nebulae”, published in the October print edition of the Revista Mexicana de Astronomía y Astrofísica, the group is presenting the results of the application of kinematic methods that it developed to calculate the age of stars.

“Under the kinematic method, we can calculate the age based on its movement. The young stars in our galaxy spin around the center of the galaxy, but do not often move in a perpendicular direction. With older stars, it is the opposite: the greater velocity is in the perpendicular direction and the lower speed occurs during rotation. Additionally, the speed of these stars varies with time in a known manner,” explained Maciel.

The researchers calculated the age for two samples, one with 230 stars, chosen by the IAG-USP team, and another 900 stars from an international catalog. In addition to developing new methods, the objective of this phase of the study was to broaden the sample in relation to the previous study to prove the robustness of the method develop by researchers.

Just as in the first study published in 2010, in this one, using a different sample and method, the scientists reached the conclusion that greater majority of central stars in the planetary nebulae are younger than 3 billion years.


Source: English WebSite of the Agência FAPESP

Evento Sobre Comunicações Militares em Brasília

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (29/11) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski destacando que o Seminário da Arycom apresetará novas tecnologias de comunicação via satélite para o Governo e as Forças Armadas.

Duda Falcão

Seminário da Arycom Apresenta Novas
Tecnologias de Comunicação via Satélite
para o Governo e as Forças Armadas

Envio de fotos otimizadas por satélite, soluções de transmissão de
dados em banda X e criptografia de voz são os temas de algumas
das apresentações do evento que será realizado em Brasília

Assessoria de Imprensa da Arycom
29/11/2011

São Paulo, 29 de novembro de 2011 - A Arycom, provedora de soluções completas em comunicações via satélite, fará apresentações e demonstrações de novas soluções de comunicação via satélite voltadas para as Forças Armadas, serviços de segurança e consultores e agências governamentais. O Seminário Anual de Tecnologia será realizado pelo segundo ano no próximo dia 30 de novembro (quarta-feira), em Brasília, apresentando como destaque o terminal portátil VSAT em banda X. A empresa norte-americana L3 trouxe para o Brasil, por meio da Arycom, o terminal “Panther Manpack” para uso exclusivo militar. O Panther Manpack pode utilizar a banda Ku, Ka ou X, atingindo velocidades de transmissão superiores a 2Mbps. Utilizando banda X permite o Governo manter comunicações seguras, pois a banda X é específica para uso governamental.

“O objetivo é apresentar o que há de mais novo em sistemas de comunicação via satélite, principalmente para operações em áreas remotas, situações corriqueiras para os integrantes da Força Aérea, Marinha, Exército, Polícia Militar e outros representantes de instituições de segurança pública”, destaca o CEO da Arycom, Svante Hjorth. Para ele, as novas aplicações de comunicação também podem ser fundamentais no desenvolvimento da política de segurança nacional, principalmente nos próximos anos, quando o foco será a organização da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

O Seminário também vai apresentar as soluções:

ASIGN – A solução denominada Adaptive System for Image-communications in Global Networks (ASIGN), da parceira AnsuR, foi projetada para otimizar a transmissão de imagens de alta qualidade, especialmente em áreas onde a comunicação via satélite é a única solução, por exemplo, onde a infraestrutura de telecomunicação terrestre ainda não foi implementada ou não é garantida. A solução é indicada principalmente para situações que exigem acesso rápido à informação visual de alta qualidade, que pode ser decisiva para a tomada de decisões. Além de ser mais rápida e econômica em relação a qualquer outro sistema, a ASIGN também pode ser integrada com sensores automáticos para tirar fotos, criando observações de múltiplas fontes.

Enigma: Solução da parceira Tecnobit, para criptografia de voz para comunicação segura ponta a ponta via satélite ou 3G, com chamadas convencionais ou seguras do mesmo terminal.

Osprey – Rastreamento pessoal, de frotas ou tropas. O equipamento Osprey pode ser fixado junto ao corpo, veículo ou equipamento, para emissão de sinais para rastreamento. Por meio de uma interface web, o comandante ou a base de operações pode acompanhar o deslocamento da equipe.

Também estarão presentes a Vizada – provedora de soluções via satélite de telefonia, internet e transmissão de vídeo, a Inmarsat – operadora e proprietária dos satélites geoestacionários Inmarsat, a Astrium, do Grupo EADS - um dos principais players mundiais no campo de aplicações espaciais, a Thrane & Thrane - fabricante líder mundial de equipamentos e sistemas para comunicação móvel global, e a Paradigm - provedor líder de serviços de comunicação por satélite em banda X e UHF, todos parceiros da Arycom.


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Astrium Participa de Evento de Satélites em Brasília

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (29/11) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski destacando que a o diretor-geral da empresa Astrium GEO-Information Services, Pierre Duquesne, falará sobre as aplicações de satélites voltadas para o monitoramento e controle de fronteiras terrestres e marítimas durante a realização dia 30/11 em Brasília da 2ª edição do “Seminário de Tecnologia” voltado ao setor Governamental e às Forças Armadas.

Duda Falcão

Astrium Participa de Seminário Sobre Novas
Tecnologias para o Segmento de Defesa

Pierre Duquesne, diretor geral da Astrium GEO no Brasil, falará sobre
as aplicações de satélites voltadas para o monitoramento e
controle de fronteiras terrestres e marítimas.

Astrium
29/11/2011

A Astrium GEO-Information Services participa da 2ª edição do Seminário de Tecnologia voltado ao setor governamental e às Forças Armadas. O evento é promovido pela Arycom, provedora de produtos e serviços na área de comunicação via satélite, e acontece na próxima quarta-feira, dia 30 de novembro, a partir das 08h30, no Hotel Royal Tulip, em Brasília.

O objetivo do evento é discutir a utilização de novas ferramentas para o monitoramento de fronteiras, transmissão de imagens e outros dados a partir de localidades remotas, além da conectividade com aeronaves e embarcações para que as mesmas possam transmitir informações em tempo real a partir de suas missões.

Além de representantes das Forças Armadas e dos principais órgãos de fiscalização e patrulha, como Polícia Federal, IBAMA, ABIN, SIPAM, estarão presentes as principais fabricantes e operadores de serviços de comunicação via satélite, que contam com soluções específicas para a área militar, tais como Inmarsat, Paradigm, Vizada, Thrane & Thrane, L-3, entre outras.

Pierre Duquesne, diretor-geral da Astrium GEO no Brasil, participa de um dos painéis que abordará serviços Inmarsat e as novas soluções de valor agregado. O executivo discorrerá sobre a atuação da Astrium e as principais aplicações de satélites de observação da Terra para a área de defesa, com foco no monitoramento e controle de fronteiras terrestres e marítimas.


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Passagem para o Espaço Já Está em Oferta no Brasil

Olá leitor!

Segue uma notícia postada hoje (29/11) no site IDG NOW destacando que para os interessados a viajarem para o espaço a passagem já está em oferta no Brasil.

Duda Falcão

MERCADO

Quer Viajar para o Espaço?
A Passagem Está em Oferta no Brasil

Passeio de 30 minutos até a estratosfera sai por "apenas”
95 mil dólares; agência de viagens brasileira também oferece pacote.

Por Cauê Fabiano, IDG Now!
Publicada em 29/11/2011 às 18h25
Atualizada em 29/11/2011 às 18h38

Não sabe o que fazer durante as férias e está procurando um programa diferente – e ainda conseguir um desconto na viagem? É possível ir para o espaço (sim, literalmente) e ficar a 103 quilômetros do solo em um ambiente de microgravidade, num passeio de 30 minutos a duas vezes a velocidade do som, a bordo de uma nave espacial. Tudo isso pelo preço “promocional” de 177 750 reais.

O site Clube do Desconto, em parceria com a agência de viagens We Love Travel, oferece o passeio intergaláctico, com “desconto de 27%”. O pacote inclui, além dos 30 minutos mais caros da sua vida, uma estadia de cinco dias em uma suíte do hotel cinco estrelas Santuary Resort, no estado do Arizona, nos EUA, de onde o vôo irá partir. Na nave, ficarão apenas o piloto e o passageiro. O interior do veículo é equipado com diversas câmeras, que irão registrar toda a viagem e as acrobacias feitas em um ambiente de quase gravidade zero, que depois serão gravadas em um DVD, dado ao usuário após a aventura.

Mas antes de fazer as malas e partir para o Arizona, saiba que não é tão simples assim. Além (obviamente) do preço, o comprador precisa de passaporte e visto americano e, após testes psicológicos e a assinatura de um acordo de isenção de responsabilidade aqui no Brasil, deverá passar por exames médicos nos EUA, pelo Programa de Qualificação, além de treinamentos e pré-vôo. Quem perder a promoção no Clube do Desconto, terá de pagar o preço cheio na We Love Travel: 130 mil dólares. Por incrível que pareça, a agência está otimista, afirmando que pretende vender 10 pacotes em até 40 dias.

A bordo da Lynx Mark II, estarão apenas o piloto e o passageiro

Porém, existem alguns pontos importantes que precisam ser observados: apesar de constar que a viagem irá acontecer entre fevereiro de março do ano que vem, não é possível ter certeza. A XCOR, empresa privada responsável pela nave que fará a viagem, a Linx Mark II, prevê que o veículo espacial esteja apto a levar passageiros só em 2014. E, paradoxalmente, pode ficar mais barato fazer o passeio pela própria empresa: no site, há uma área para o visitante reservar sua visita à estratosfera, que sai por 95 mil dólares – valor sem hospedagem no luxuoso resort do Arizona.

A We Love Travel também oferece o mesmo pacote do Clube do Desconto, no preço cheio de 130 mil dólares, incluindo a estadia de cinco dias no Arizona e, claro, os 30 minutos espaciais. Até o fechamento da reportagem, nenhuma venda tinha sido concluída no site de descontos, assim como na agência de viagens, que recebeu uma grande quantidade de ligações a respeito da veracidade da oferta. Um último ponto interessante: nos pacotes estão inclusas uma viagem para fora da Terra e uma estadia de cinco dias num belíssimo hotel, mas a passagem de avião até o Arizona, bem, fica a cargo do comprador.


Fonte: Site IDG NOW - http://idgnow.uol.com.br/

SSC Transfere "Operação MASER 12" para 2012

Olá leitor!

Segundo foi divulgado hoje (29/11) no site da Swedish Space Corporation (SSC), em conseqüência das condições de tempo excepcionalmente brandas no norte da Suécia, o lançamento do foguete brasileiro VSB-30 da “Operação MASER 12” não mais acontecerá este ano, ficando assim para fevereiro de 2012.

Duda Falcão


Fonte: Site da Swedish Space Corporation (SSC).

Plataforma de Lançamento do VLS em Fase de Conclusão

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (28/11) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando que o "Sistema Plataforma de Lançamento do VLS-1 (SISPLAT/VLS)" está finalmente em fase de conclusão em Alcântara.

Duda Falcão

Sistema Plataforma de Lançamento do VLS

Campo Montenegro
28/11/2011

O Sistema Plataforma de Lançamento do VLS-1 (SISPLAT/VLS) está em fase de conclusão. Em meados do mês de dezembro a Comissão de Recebimento estará se locomovendo para o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) a fim de fazer seu recebimento.

Após as férias do mês de janeiro de 2012 uma equipe do IAE, juntamente com uma equipe do CLA, estará fazendo o treinamento de operação, preservação e manutenção do SISPLAT/VLS.

O projeto teve início, efetivamente, em fevereiro de 2009, sendo que o canteiro de obras no CLA foi construído em junho do mesmo ano.

O SISPLAT/VLS possui uma tecnologia moderna e segura, sendo que todo projeto e construção do sistema foram acompanhados pela equipe técnica do IAE, chegando finalmente, após 3 anos, ao término do projeto.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (IAE)

Comentário: Essa é realmente uma semana de boas notícias que nos chegam de São José dos Campos e de Alcântara. Vamos esperar que essa luz de esperança que agora aparece continue a brilhar durante todo o ano de 2012 e possamos então assim ao final desse ano comemoramos alguns resultados realmente significativos com o nosso programa espacial.

Monitoramento Agrícola Global Terá Apoio do INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/11) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o “Monitoramento Global” terá apoio do INPE.

Duda Falcão

Monitoramento Agrícola Global
Terá Apoio do INPE

Terça-feira, 29 de Novembro de 2011

Imagens de satélites e observações meteorológicas serão usadas para monitorar safras e melhorar a informação sobre a oferta de alimentos em escala global. Boa parte da crescente população mundial está nos países que enfrentam os maiores problemas com a insegurança alimentar. A solução de questões como a volatilidade dos preços, o acesso à comida e o aumento sustentável da produtividade passa pela melhoria da informação sobre a atividade agrícola.

O Brasil, através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), integra o Grupo de Observação da Terra (GEO, na sigla em inglês), organismo intergovernamental responsável por parte do plano de ação recentemente lançado pelos chefes de Estado dos países do G20, que reúne as maiores economias do mundo. A ideia é monitorar a produção de soja, milho, trigo e arroz - commodities agrícolas de alto consumo e impacto no mercado internacional.

Pesquisador do INPE por mais de duas décadas, o engenheiro agrícola e doutor em Física do Sensoriamento Remoto João Vianei Soares há um ano está em Genebra, Suíça, como consultor do secretariado do GEO para agricultura. Sua missão é coordenar iniciativas voltadas ao monitoramento da produção, além de discutir com os países a oferta livre de dados que possam contribuir com a construção de um sistema global. Ex-coordenador de Observação da Terra do INPE, hoje está à frente de ações que levaram à aprovação da iniciativa GEO GLAM (Global Agriculture Monitoring), em colaboração com os representantes do ministério da agricultura da França, que presidiu o G20 no último ano.

“O monitoramento global da agricultura através do GEO é um dos itens do plano do G20 voltado à agricultura e volatilidade dos preços dos alimentos. O objetivo é melhorar a informação sobre a produção de grãos em todo o mundo, dando transparência às informações, para orientar decisões dos governos sobre suas políticas agrícolas e evitar especulação sobre estoques e volatilidade dos preços”, explica Soares.

A projeção das safras depende da informação de tempo e clima e do monitoramento baseado em satélites, associada a outros indicadores econômicos e sociais. Alguns países têm seus próprios sistemas, enquanto outros, ainda que contem com as informações necessárias, não possuem um programa efetivo para acompanhar a produção. Estados Unidos, China e União Europeia já possuem sistemas que monitoram a atividade agrícola no mundo. A FAO, organismo das Nações Unidas para a Agricultura, tem um sistema voltado a países com risco de fome.

“Países como o Brasil, que são grandes produtores e exportadores, ganharão muito com a transparência de um sistema que integre os grandes programas de estimativa de safras existentes no mundo. Outros monitoram nossa produção há bastante tempo, ou seja, ela já é ‘transparente’ para alguns países do mundo”, diz o consultor do GEO para agricultura, que destaca a experiência brasileira no monitoramento por satélites do uso da terra e a meteorologia nacional. “Nossa capacidade em aplicações de dados de satélite é reconhecida em todo o mundo, mas podemos fazer mais em agricultura, auxiliando os setores que tem a atribuição de produzir as estatísticas agrícolas e formular e gerenciar as políticas de abastecimento”.

O GEO atuará para melhorar a capacidade da comunidade internacional de produzir e difundir informações relevantes para o monitoramento da produção agrícola em escala nacional, regional e global. Também orientará estratégias das agências espaciais para investir em tecnologias de sensoriamento remoto e no aumento da quantidade de dados relevantes ao monitoramento agrícola.

O lançamento do satélite sino-brasileiro CBERS-3, no segundo semestre de 2012, assim como novos instrumentos da Europa, Japão, Índia e Estados Unidos, é fundamental para o sucesso do sistema global de monitoramento agrícola.

As informações devem ser abertas, como as imagens de satélite do INPE, que foi a primeira instituição no mundo a permitir o acesso livre e gratuito pela internet de dados orbitais.

A iniciativa do GEO, que reúne 90 países e 60 organizações, somada à decisão do G20 de adotar um sistema de monitoramento global, deve resultar em 2012 num plano para implantar ações e definir metas, prazos e atribuições. Também haverá um plano de coleta de dados específicos que será submetido às agências espaciais. A partir de então, devem ser empregados sete milhões de dólares por ano, com contribuições do G20 e de instituições como o Banco Mundial.

“O investimento adicional será voltado para o desenvolvimento da capacidade (treinamento e infraestrutura) de países que dela necessitam e é muito pequeno em relação ao benefício, pois a iniciativa se baseia em recursos já existentes vindos de contribuições ‘in-kind’ em satélites, equipes e programas já em operação. Segurança alimentar e volatilidade de preços de commodities agrícolas sempre serão prioridade num mundo que precisa dobrar sua produção agrícola nos próximos 40 anos para garantir comida de nove bilhões de pessoas. São questões que custam muito, muito mais, a cada um de nós e a todo o mundo, basta lembrar que a crise recente que resultou no fim de vários regimes e governos no médio oriente e norte da África tem na sua origem a falta e o alto preço dos alimentos”, conclui Soares.




Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

INPE Hosting International Event on Systems Engineering

Hello reader!

It follows one communicates published on the day (11/28) in the website of the National Institute for Space Research (INPE) noting that the INPE hosting international Eevent on Systems Engineering in december. Registration are opened.

Duda Falcão

INPE Hosting International Event
on Systems Engineering in December.
Registration are Opened

Monday, November 28, 2011

The Integration and Testing Laboratory (Laboratório de Integração e Testes – LIT), of the Brazil’s National Institute for Space Research (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE), the INCOSE Brazil emerging chapter and Robert Halligan´s PPI, will hold the Systems Engineering Week, to take place from Dec. 12 to 16, 2011, at LIT, in São José dos Campos, Brazil.

The Systems Engineering Week consists of a series of 4-hour-tutorials about various subjects in Systems Engineering. The purpose of the event is to show that, besides conference format events, the INCOSE Brazil chapter has the potential to sponsor courses in different areas of Systems Engineering. The tutorials will be a hint of such courses.

Attendance to any of the tutorials is free of charge and the places are limited. Booking must be made via email with Mrs. Ana Aurélia (ana@lit.inpe.br), informing name, ID and the title of the tutorial(s). Further information about the event by the address www.lit.inpe.br/seweek or by the telephone numbers: +55 12 32087239 or x7233.

INCOSE Brasil

The International Council on Systems Engineering (INCOSE) is a not-for-profit membership organization founded to develop and disseminate the interdisciplinary principles and practices that enable the realization of successful systems. The INCOSE Brazil was accepted as an emerging chapter in June 2011, during the 21st Annual INCOSE International Symposium (IS 2011) in Denver, CO, United States.

SE Week agenda

December, 12th, 2011

8:00 to 12:00 – Robert Halligan, Project Performance International, www.ppi-int.com, An introduction to systems engineering.

14:00 to 18:00 – George Sousa, Engeflux, www.engeflux.com, Systems Engineering Based Enterprise Transformation.

December 13th, 2011

8:00 to 12:00 – Marcelo Lopes, INPE (www.inpe.br), Requirements Engineering.

13:00 to 16:30 – Maurício Aguiar, TI Metricas, www.metricas.com.br, Practical Software & Systems Measurement - Metrics-based Project Management.

December, 14th, 2011

8:00 to 12:00 – André Luiz Mayoral, Requirements Fundamentals and Specification.

14:00 to 18:00 – Carlos Lahoz, IAE (www.iae.cta.br), Software Engineering Processes for Space Applications.

December 15th, 2011

8:00 to 12:00 – Sergio B. Choze, An Enhanced Approach to Systems Engineering: exploiting the synergies with Multidisciplinary Optimization.

14:00 to 18:00 – Ricardo Valerdi, University of Arizona, Early systems costing.

December 16th, 2011

8:00 to 12:00 – Gilberto Trivelato, Aligning SE and Organizational Management 14:00 to 18:00 – Dan Maticello, MIT (Massachusetts Institute of Technology), Real options in engineering design/The impact of complexity.

14:00 to 18:00 – Dan Maticello, MIT (Massachusetts Institute of Technology), Real options in engineering design/The impact of complexity.


Source: WebSite of the National Institute for Space Research (INPE)