domingo, 4 de janeiro de 2015

Propulsão Espacial - As Atividades da APE/IAE em 2014 e Perspectivas Para 2015

Olá leitor!

Propulsão Espacial todos nós sabemos é de fundamental importância para qualquer nação do mundo que queira dominar o Acesso ao Espaço, não sendo o Brasil uma exceção.

No ano de 2014 os diversos laboratórios da Divisão de Propulsão Espacial (APE) do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) estiveram ocupados com algumas atividades muito significativas e históricas, tanto na área de Propulsão Líquida e Propulsão Sólida, como também na área de Propulsão Híbrida.

Na área de Propulsão Líquida, a APE realizou com sucesso em junho do ano passado os ensaios a quente do Gerador de Gás do Motor-Foguete Líquido L75, o primeiro a ser realizado com algum dos equipamentos deste motor, tornando-se assim um marco histórico para a Astronáutica Brasileira, mas que infelizmente não obteve da mídia a importância devida (veja aqui).

Ainda na área de Propulsão Líquida, a APE em conjunto com a empresa Orbital Engenharia cuidou dos preparativos da carga útil (EPL/L5) da missão histórica da “Operação Raposa”, onde pela primeira vez foi testado em voo e com sucesso o primeiro motor-foguete líquido desenvolvido no Brasil para foguetes lançadores, outro marco da Astronáutica Brasileira (veja aqui).

Já na área de Propulsão Sólida, a APE em conjunto com outras divisões do IAE, realizou com sucesso em julho, na Usina Coronel Abner, o importantíssimo ensaio de queima em banco de provas do Motor S30 (veja aqui), que possibilitou a requalificação deste motor para o uso em missões no Brasil e na Europa, já que após o acidente com a carga útil SCRAMSPACE -1 em setembro de 2013, todas as missões com foguetes brasileiros estavam adiadas até que fosse realizada uma investigação, tendo inclusive o mesmo já sido testado com êxito em voo durante a realização da “Operação Raposa”.

Ainda na área de Propulsão Sólida, o BLOG acredita que a APE em 2014 deve ter dado alguns passos no desenvolvimento do futuro Motor S50, motor este que está sendo desenvolvido para ser usado nos dois primeiros estágios do Veículo Lançador de Microssatélites (VLM-1) e também talvez em um novo e poderoso foguete de sondagem denominado de VS-50.

Já na área de Propulsão Híbrida, a APE realizou em novembro passado a segunda campanha de ensaios de queima do Motor Foguete a Propulsão Híbrida (H1), campanha esta realizada no banco de ensaios do Laboratório de Propulsão Líquida (veja aqui), tendo como principais objetivos a capacitação do IAE no desenvolvimento desta tecnologia de Propulsão Híbrida e o treinamento da equipe responsável por esses ensaios. Ora leitor, evidentemente isto faz o Blog questionar: Será que o IAE está pretendendo num futuro próximo iniciar um projeto de Motor-Foguete Híbrido de real utilidade para o Brasil?

O leitor pode está se perguntado: E em 2015, o que se pode esperar do APE em relação as atividades nessas áreas de Propulsão Espacial?

Bom leitor em relação da Propulsão Híbrida eu diria que outra campanha de ensaio do Motor H1 deverá ser realizada em 2015 na busca pela qualificação em solo deste motor.

Já na área de Propulsão Sólida, eu creio que com a assinatura do convênio entre o DCTA/IAE e a FUNCATE em dezembro passado, para o desenvolvimento do VLM-1 (veja aqui), a APE deverá está em 2015 envolvida e fortemente empenhada com ações ligadas ao desenvolvimento do Motor-Foguete S50, isto é, se o desgoverno da “Ogra” não atrapalhar como de costume.

Finalizando, já na área de Propulsão Líquida, foi anunciado em setembro do ano passado pela Rádio Força Aérea (veja aqui) de que em 2015 está previsto para ser realizado o primeiro ensaio em solo do Motor-Foguete L75, uma notícia impactante e caso realmente este ensaio venha a ser realizado (temos ainda uma “Ogra” pelo caminho, fora as dificuldades naturais inerentes a um projeto como este), muito provavelmente deverá ocorrer em algum laboratório do DLR alemão, evidentemente com a participação de pesquisadores da APE.

Vale lembrar leitor que qualquer projeto de desenvolvimento seja no Setor Espacial ou em qualquer outro setor precisa de continuidade para atingir o seu grau de amadurecimento e este é tanto o caso do Motor Foguete L5 como também do seu  Estágio Propulsivo Líquido (EPL).

Informações oficiosas dão conta do interesse do IAE em realizar uma outra missão para testar novamente em vôo o Motor L5, missão esta que seria realizada tendo como primeiro estágio propulsivo o Motor Sólido S43 (o mesmo utilizado no primeiro e segundo estágios do VLS-1), mas não há qualquer previsão para esta missão, já que não há recursos disponíveis.

Porém o Blog desconfia de que quando o resultado da terceira chamada do 4º AO (Anúncio de Oportunidades) do Programa Microgravidade de nossa Agência Espacial de Brinquedo (AEB) for divulgado (creio que ainda no primeiro semestre de 2015) poderemos ter uma grata surpresa. Vamos aguardar e torcer.

Antes que me esqueça, o uso do Motor Foguete S43 num foguete de sondagem denominado de VS-43 é um antigo sonho do IAE que remota a segunda edição do Programa Nacional de Atividades Espacias (PNAE 1998-2007), que na época previa a realização de estudos de viabilidade deste foguete. Já na sua terceira edição (PNAE 2005-2014), este veículo foi incluído como meta para ser desenvolvido como um veículo monoestágio com controle de atitude, mas que simplesmente sumiu do mapa na quarta e última edição do PNAE (2012-2021). Será que desta vez vai?

Duda Falcão 

2 comentários:

  1. Duda, como citado por você, provavelmente o centro do DLR que será utilizado para o teste do motor L-75 será o de Lampoldshausen. Merece uma nota com os dados do centro em seu blog. Fica a sugestão!

    http://www.dlr.de/dlr/en/desktopdefault.aspx/tabid-10259/315_read-218#/gallery/1035

    Saudações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo!

      Talvez sim amigo, mas vamos primeiro aguardar uma confirmação oficial de que será mesmo neste centro, já que até pode não ser realizado com os alemães (pouco provável) e sim com os ucranianos.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir