quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Qual é o Problema do Programa Espacial Brasileiro?

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo sobre o Programa Espacial Brasileiro (PEB), publicado no site da revista “GALILEU” no dia (07/01).

Duda Falcão

Qual é o Problema do Programa
Espacial Brasileiro?

No início da década de 1960, Brasil, China e Índia encontravam-se no
mesmo estágio da corrida espacial. Passados mais de 50 anos, não só
ficamos para trás, como colecionamos vários fracassos e corremos o risco
de ser ultrapassados por África do Sul e Israel. Por que somos tão ruins
em mandar nossas naves e satélites para o espaço?

POR ALEXANDRE RODRIGUES
07/01/2015 - 18h01
Atualizado 18h0101

(FOTO: DIVULGAÇÃO/ CLA-IAE)
Desastre: Lançamento do protótipo 2 do VLS-1,
da Base de Alcântara. uma falha no sistema pirotécnico,
no 2º estágio, ocasionou a explosão.

No final de outubro, cientistas de todo o mundo voltaram os olhos para Marte para observar um fenômeno raro. Viajando a mais de 200 mil quilômetros por hora, o cometa Siding Spring passou zunindo a 144 mil quilômetros do Planeta Vermelho, o equivalente a um terço da distância que separa a Terra da Lua. Em termos espaciais, onde tudo se mede em anos-luz, é como a fina que os motoboys tiram do retrovisor de um carro no trânsito.

Para estudar o cometa, que saiu de um lugar misterioso do Universo para dar uma volta pelo Sistema Solar, a NASA mobilizou os jipes Curiosity e Opportunity. Já as sondas que orbitam Marte foram escondidas atrás do planeta para evitar acidentes. Entre elas estava a Mangalyaan. Nunca ouviu falar? É a primeira sonda desenvolvida e lançada pela Índia a chegar ao Planeta Vermelho ao custo de US$ 74 milhões. Ela representa um feito na corrida espacial: o programa Mangalyaan custou um décimo do valor gasto na missão Maven, da NASA, e saiu mais em conta inclusive do que a produção do filme Gravidade, estrelado por Sandra Bullock.

(FOTO: PALLAVA BAGLA/ CORBIS)
Ilustre desconhecida: Lançamento do foguete que
transportava Mangalyaan, a primeira sonda
desenvolvida pela Índia a chegar até Marte.

A bem-sucedida missão Mangalyaan abre uma discussão: por que o programa espacial brasileiro não consegue decolar? Uma das respostas é falta de investimentos. O Brasil gasta menos do que deveria com pesquisas de foguetes e naves. Neste ano, o orçamento de US$ 122 milhões da Agência Espacial Brasileira (AEB) sofreu um corte de 14%. Enquanto isso, Índia e China investiram, respectivamente, US$ 1 bilhão e US$ 3 bilhões. “Não é que o Brasil vai perder o bonde, ele já perdeu. O país está atrás não só da China e da Índia, mas da Coreia do Sul e de Israel”, diz Celso de Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Física.

O Brasil começou a desenvolver um programa espacial em 1961. Na época, estava no mesmo estágio de pesquisas que China e Índia. Os asiáticos, porém, receberam tecnologia da União Soviética, aliada dos tempos de Guerra Fria, e souberam se desenvolver mais rapidamente. A China lançou o primeiro foguete em 1965 e pôs um satélite em órbita cinco anos depois. Em 2013, realizou 19 lançamentos — sete a mais que a NASA. Desde 2003, quando levou ao espaço o astronauta Yang Liwei, seu programa espacial é considerado completo. Agora, os chineses desenvolvem projetos para levar satélites e astronautas à Lua e a Marte

Já o programa espacial indiano é conhecido pela filosofia de baixo custo. É famosa uma foto, tirada nos anos 1970, que mostra partes de um satélite sendo transportadas pelas ruas de uma cidade num carro de boi (foto abaixo). Para economizar, os engenheiros indianos não constroem três protótipos — um inicial, um de voo e outro para testar a separação da nave no espaço —, como é de praxe. Eles fazem apenas um, mais completo. Com essa estratégia, a Índia enviou uma sonda à Lua em 2009 e hoje participa da exploração de Marte.

(FOTO: REPRODUÇÃO)

No mesmo período, o programa brasileiro só conseguiu produzir cinco satélites e um microssatélite. Desde 1999, quando foram realizados os testes com o segundo protótipo do VLS-1 (Veículo Lançador de Satélites), a Agência Espacial Brasileira (AEB) não lança um foguete de grande porte. O treinamento com o quarto protótipo do VLS-1, que estava marcado para este mês, foi adiado. O Brasil desenvolve um programa espacial básico: não tem ambições, pelo menos nas próximas décadas, de explorar a Lua ou enviar uma missão a Marte. O objetivo é produzir satélites de monitoramento (para controlar o desmatamento na Amazônia, acompanhar o clima, facilitar as comunicações e defender e vigiar as fronteiras) e atingir o espaço com o VLS-1.

RITMO LENTO

A dupla finalidade — civil e militar — do programa espacial brasileiro também é responsável pelo excesso de lentidão. De 1971 a 1994, o programa foi vinculado às Forças Armadas. Só há 20 anos, com a criação da AEB, autarquia hoje subordinada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o programa passou a ter uma finalidade civil. Mesmo assim, parte da pesquisa, como a do Centro Tecnológico Aeroespacial (CTA), um dos principais laboratórios aeroespaciais do país, ainda é ligada à Aeronáutica. No Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), outro órgão militar, se forma a maioria dos técnicos espaciais.

“NÃO É QUE O BRASIL
VAI PERDER O BONDE.
JÁ PERDEU. O BRASIL ESTÁ
PARA TRÁS HÁ MUITO TEMPO
E ISSO SEMPRE FOI UMA
PREOCUPAÇÃO DA COMUNIDADE
CIENTÍFICA. NÃO É SÓ DE CHINA
E ÍNDIA, MAS TAMBÉM DA
COREIA DO SUL E DE ISRAEL"

Celso de Melo, professor de física

A relação íntima com os militares é o motivo de boicote dos Estados Unidos ao programa espacial brasileiro. Com base no Regime de Controle da Tecnologia de Mísseis (RCTM), acordo de 1987 para proibir o uso de tecnologia nuclear em mísseis, os norte-americanos impõem uma série de embargos à venda de equipamentos ao país. A justificativa é que os foguetes brasileiros usam combustível sólido e poderiam ser convertidos em mísseis. Nem a adesão do Brasil ao tratado, oito anos depois da sua criação, facilitou a relação. Todos os presidentes desde então, inclusive Barack Obama, proibiram o uso de patentes norte-americanas e obrigaram o país a criar sua própria tecnologia — o que leva a mais atrasos.

Em 2010, telegramas diplomáticos vazados pelo site WikiLeaks mostraram que a embaixada norte-americana em Brasília tentou convencer o governo da Ucrânia a não se associar ao programa do foguete Cyclone-4 (Brasil e Ucrânia já gastaram US$ 1 bilhão na Alcântara Cyclone Space, empresa binacional para lançar satélites de outros países) “devido à nossa política, de longa data, de não encorajar o programa de foguetes espaciais do Brasil”.  “Há uma pressão para afastar os militares”, diz o consultor legislativo Fernando Carlos Wanderley Rocha, um dos autores do estudo A Política Espacial Brasileira, produzido pela Câmara dos Deputados em 2010. “Mas não há programa espacial sem militares. Os primeiros foguetes norte-americanos foram derivados de mísseis da Marinha.”

(FOTO: DIVULGAÇÃO/INPE)
Sino-Brasileiro: Satélite brasileiro CBERS-4 passando
pelos testes finais na china, já na fase de preparação
para o lançamento, marcado para Dezembro.

BOAS NOTÍCIAS

Outro fator que tem prejudicado o programa espacial brasileiro são os acidentes. O mais grave foi a explosão do terceiro protótipo do VLS-1, que matou 21 técnicos e cientistas na base de Alcântara em 22 de agosto de 2003. Desde então, nenhum protótipo importante foi lançado. Só em junho deste ano foi ao espaço o primeiro nanossatélite brasileiro, o NanoSatC-BR1, lançado por um foguete russo. O país levou 11 anos para substituir o modelo anterior, o Unosat-1, destruído no acidente.

Paradoxalmente, o Centro de Lançamento de Alcântara é um dos principais trunfos do Brasil para recuperar o tempo perdido. Localizado numa área de 520 quilômetros quadrados e apenas 2 graus ao sul da Linha do Equador, ele usa a velocidade de rotação da Terra e o impulso para lançamentos, o que exige menos combustível para a entrada em órbita. A economia é estimada em 30%. Alcântara tem ainda o Oceano Atlântico à sua frente, o que barateia os seguros, uma vez que não há risco de queda em locais habitados. Outra vantagem é ficar numa região de clima agradável, sem grandes variações de temperatura, que permite lançamentos o ano todo.

Além de possuir uma base de lançamento numa posição estratégica, o setor tenta ganhar fôlego com a versão mais recente do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), de 2012. O plano prevê o repasse de US$ 2,2 bilhões até 2021 para a conclusão de projetos como o satélite CBERS-4, os lançamentos dos foguetes Cyclone-4 e VLS, do Veículo Lançador de Microssatélites (VLM), do satélite Amazônia-1 e do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1). Outra meta é estimular a indústria espacial nacional. O mercado de defesa e segurança equivale atualmente a apenas 0,17% do PIB brasileiro, de acordo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). As indústrias privadas recebem 25% da verba do programa brasileiro. Nos Estados Unidos, o governo é o grande cliente, mas parte considerável da pesquisa espacial é desenvolvida por uma indústria inovadora, com empresas como  Lockheed Martin, Boeing e Space X. As duas últimas foram vencedoras de uma concorrência para transportar astronautas até a Estação Espacial Internacional em naves privadas a partir de 2017.

“Nosso programa ainda é público e atende ao governo. A parte privada é que falta”, afirma José Braga Coelho, presidente da Agência Espacial Brasileira. No momento, o único grande empreendimento com capital privado é a empresa Visiona, que constrói o SGDC-1, na qual a Embraer é sócia da estatal Telebrás. “Mas a tendência é de maior envolvimento. Grandes empresas em breve vão querer ter seus próprios satélites, atendendo a seus interesses. É isso que o programa tem de suprir. Por que a Petrobrás vai depender de imagens de outro satélite se puder ter o seu?”

VAI DECOLAR UM DIA?

Baixo investimento é um dos principais motivos para o Brasil continuar na lanterna da corrida espacial.


NA PLATAFORMA

Nem tudo está perdido. Apesar do atraso, o Brasil tem algumas cartas na manga: são novos projetos que devem dar um impulso firme ao programa espacial nos próximos anos.



Fonte: Site da Revista Galileu - 07/01/2015 - http://revistagalileu.globo.com

Comentário: Pois é ta aí o artigo da revista Galileu. Na verdade o texto tem algumas imprecisões e é bastante superficial, já que citas as razões do baixo investimento e o boicote internacional como a origem do problema, quando na realidade o problema básico é a falta de “COMPROMISSO” do governo para com o programa. Mas enfim... o artigo está ai para aqueles leitores que se interessam pela temática espacial.

2 comentários:

  1. Faltou o artigo falar da corrupção, das benesses, da falta de compromisso e de resultados! E exigir uma auditoria, pente fino, punição aos malandros!

    ResponderExcluir
  2. Corrupção , Sabotagem , Infiltração de Estrangeiros nas forças armadas do Brasil e barreiras por parte dos EUA contra o PEB.

    ResponderExcluir