quarta-feira, 24 de maio de 2017

A Missão Amazônia em Tempo de Caos Político

Olá leitor!

A Sociedade Brasileira presencia neste momento o andamento talvez da maior crise política da história do país que, pode não só levar a queda do Governo TEMER, bem como talvez a uma intervenção militar, pelo menos até que se possa estabelecer novas eleições. E tudo isso resultado da falta de Cidadania e do Egocentrismo estupido instalado na própria Sociedade que nos levou a formação durante décadas sucessivas de maus brasileiros, resultando neste desastre político, ético e moral e da total perda da identidade brasileira, isto é, se é que já tivemos consolidada esta identidade em algum momento de nossa história.

Concepção artística do
Satélite Amazônia-1
Foi neste clima de incertezas e de total caos político e de identidade que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou pouco antes do ‘circo pegar fogo’ a sua intenção de lançar em 2018 no espaço o primeiro dos três planejados satélites da Missão Amazônia, ou seja, o Satélite Amazônia-1.

Para quem não sabe, o Projeto do Satélite Amazônia-1 é hoje (após o enterro do Projeto do VLS-1) a maior novela do Programa Espacial Brasileiro (PEB) e remota a criação da antiga Missão Espacial Completa Brasileira (MECB) no inicio dos anos 80, quando então era denominado de Satélite de Sensoriamento Remoto-1 (SSR-1) e fazia parte dos planos iniciais desta missão que consistia na criação de um Centro Lançador de Satélites ( meta alcançada com a criação do CLA) , com o desenvolvimento de dois Satélites de Coletas de Dados , os SCDs (meta alcançada com o desenvolvimento e lançamento dos SCD-1 e 2 e ultrapassada com o desenvolvimento do SCD-2A), com o desenvolvimento de dois Satélites de Sensoriamento Remoto, os SSRs (meta jamais alcançada) e o desenvolvimento de um veiculo lançador de satélites (meta jamais finalizada e que terminou melancolicamente em um desastre que ceifou a vida de 21 técnicos do programa) e que acabou sendo dissolvida em algum  momento após a criação da  Agencia Espacial Brasileira (AEB) em 1994.

É claro que com o passar dos anos o projeto deste Satélite de Observação Terrestre sofreu diversas modificações desde a sua proposta inicial, quando era então chamado de SSR-1, e (creio eu) no inicio da primeira década deste século seu desenvolvimento foi atrelado ao desenvolvimento do projeto da Plataforma Multimissão (PMM) também do INPE, projeto este que consistia no desenvolvimento de um módulo de serviço (plataforma) capaz de suportar, em uma única estrutura, todos os equipamentos necessários à sobrevivência e à operação de satélites no espaço.

Entretanto por diversas questões de ordem tecnológica, de falta de compromisso político, de falta de recursos liberados no prazo, legislação inadequada e creio eu de restrições impostas por regras internacionais, o projeto da PMM atrasou mais de uma década, e assim o projeto do primeiro satélite desta Missão (agora segundo o INPE composta também por dois outros satélites, o Amazônia-1B e o Amazônia-2) é anunciado pelo instituto com previsão de lançamento em 2018.

Diferentemente deste trambolho francês lançado ao espaço recentemente com o título vergonhoso e fantasioso de satélite brasileiro, o Satélite Amazônia-1, apesar de não ter sido integralmente desenvolvido no Brasil (já que alguns de seus equipamentos foram adquiridos no exterior, resultado da globalização) teve toda a sua engenharia, bem como vários de seus equipamentos produzidos no Brasil, ajudando assim no desenvolvimento e solidificação do conhecimento de nossas indústrias nessa área de Satélites de Observação Terrestres de porte médio.

Segundo o que foi divulgado pelo INPE, a Missão Amazônia (como um todo) terá como objetivo fornecer dados (imagens) de sensoriamento remoto para observar e monitorar o desmatamento no país e especialmente na Região Amazônica e, também, a diversificada agricultura em todo o território nacional com uma alta taxa de revisita, buscando atuar em sinergia com os programas ambientais existentes, ou seja, em outras palavras, prover o Brasil de valiosas informações nessas áreas.

Blog BRAZILIAN SPACE ficará na torcida para que o objetivo do INPE de lançar este satélite em 2018, seja realmente alcançado, porém se em situação normal isso já não seria nada fácil, que dirá nesse clima de caos político que o país enfrenta.

Para maiores informações sobre a Missão Amazônia visite o site da mesma pelo link: http://www.inpe.br/amazonia-1/

Duda Falcão

Associação COBRUF Anuncia Projeto Conceitual Preliminar da COBRUF DRONES

Olá leitor!

Prosseguindo com o grande trabalho que vem realizando, a Associação COBRUF anunciou no dia 21/05 em sua página oficial no Facebook o projeto conceitual preliminar da primeira competição brasileira universitária de drones de exploração planetária , ou seja, a COBRUF DRONES. Veja abaixo.

Duda Falcão

COBRUF DRONES - Competição
Brasileira Universitária de Drones


A Associação COBRUF orgulhosamente anuncia o projeto conceitual preliminar da primeira competição brasileira universitária de drones de exploração planetária: a COBRUF DRONES!

Interessados em participar da viabilização desta pioneira competição podem se candidatar à equipe interna da COBRUF pelo seguinte


Curta a página COBRUF no Facebook se você apoia esta iniciativa!


Mais sobre o cronograma de desenvolvimento da Cobruf DRONES em https://goo.gl/cu3ugZ


Fonte: Associação COBRUF

terça-feira, 23 de maio de 2017

O "II Universo IFMA" Contará Com a Participação do Eng. Lucas Fonseca da Missão Lunar Garatéa-L

Olá leitor!

De 29/05 a 01/06 será realizado no Campus Imperatriz do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) a segunda edição do evento “Universo IFMA” que tem como proposta  incentivar ideias inovadoras, pesquisa aplicada e empreendedorismo por meio de competições e exposições científicas.


A edição deste ano será especial, pois além do jovem Prof. Brehme de Mesquita ser um dos palestrantes com o seu projeto de incentivo a educação tecnológica espacial por meio de CanSats, o evento também contará com a participação do Eng. Lucas Fonseca que irá ao Maranhão para ministrar uma palestra tendo como tema a fantástica missão lunar brasileira Garatea-L.

Segundo informação colhida pelo Blog junto ao jovem Prof. Brehme de Mesquita, o seu grupo de alunos vem trabalhando em dois projetos, ou seja, o de um mini-foguete e o outro de um CanSat, ambos os projetos tendo como objetivo central trazer a educação tecnológica espacial ao ensino básico por meio dessas tecnologias acessíveis.

“No projeto do foguete, eu adquiri um kit da Bandeirante que nos servirá como tecnologia-modelo, mas a ideia é desenvolvermos toda a estrutura do foguete com impressão 3D e construir nosso próprio sistema eletrônico para analisar variáveis de voo. Já o projeto do CanSat, tem a mesma ideia da utilização de impressão 3D na estrutura do satélite, e usar Arduino e outros componentes eletrônicos para montar o computador de bordo do satélite e a missão deste”, complementa o professor do IFMA.

Ainda segundo o jovem professor do IFMA, a ideia de trazer o Eng. Lucas Fonseca ao “II Universo IFMA”, teve como um dos objetivos tentar estabelecer um projeto conjunto com o Grupo ZENITH com o objetivo de lançar os CanSats construídos pelos alunos do IFMA em uma das edições do Projeto Garatea a partir de Alcântara.

O Blog BRAZILIAN SPACE ficara na torcida para que esse objetivo do Prof. Brehme possa ser alcançado, e também para que o Governo do Maranhão interfira positivamente junto ao Governo Federal para que não venha faltar apoio a esta iniciativa do IFMA.

Duda Falcão

INPE Promove Workshop de Tecnologia e Ciência da Informação em Astronomia

Olá leitor!

Segue abaixo nota postada hoje (23/05) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que o instituto promoverá nos dia 25 e 26/05 o Workshop de Tecnologia e Ciência da Informação em Astronomia (WTCIA).

Duda Falcão

INPE Promove Workshop de Tecnologia
e Ciência da Informação em Astronomia

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Nos dias 25 e 26 de maio, o Workshop de Tecnologia e Ciência da Informação em Astronomia (WTCIA) será realizado no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP).

Pesquisadores, especialistas e estudantes discutirão soluções, avanços e desafios científicos e tecnológicos que envolvam diretamente a geração, manipulação e distribuição da informação digital nas diversas áreas da astronomia nacional.

Os principais temas discutidos no WTCIA serão: Big Data & Data Science, Data Center Network, High Performance Computing, Cloud Computing, Machine & Deep Learning Resources.

Além de traçar um panorama das ferramentas e tecnologias disponíveis ou já adotadas pela astronomia, astrofísica e cosmologia nacionais, os participantes abordarão infraestruturas e recursos relacionados a instrumentos e missões espaciais.

Mais informações: http://www.lac.inpe.br/wtcia2017


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Tecnologias Aeroespaciais é o Tema Debatido na Abertura da Escola de Altos Estudos no Maranhão

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante notícia postada ontem (22/05) no site da “Universidade Federal do Maranhão (UFMA)” destacando que Tecnologias Aeroespaciais foi tema debatido na abertura da Escola de Altos Estudos que esta sendo realizada nesta universidade maranhense.

Duda Falcão

UFMA NOTÍCIAS

Tecnologias Aeroespaciais é o Tema Debatido
na Abertura da Escola de Altos Estudos

Por Rosana Oliveira
Ascom da UFMA
Revisão: Jáder Cavalcante
Fonte: Ariele Jullian
Publicado em: 22/05/2017
Última alteração em: 22/05/2017 - 18:32


SÃO LUÍS - “Uma janela promissora para o futuro do país é aquela capaz de gerar oportunidades”. Foi o que disse a reitora Nair Portela durante a abertura da Escola de Altos Estudos, nesta segunda, 22, na UFMA. O projeto foi lançado em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e Ministério da Defesa, com apoio do Governo do Maranhão e da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI).

A ideia de criar Escolas de Altos Estudos no Maranhão surgiu da necessidade de investir os recursos que o estado oferece visando à produção de ciência. O projeto é coordenado pelo assessor de Internacionalização da UFMA, Allan Kardec Barros. Cerca de quinhentos inscritos participam do evento, que vai até até essa terça-feira, 23.

O secretário da SECTI, Jhonatan Almada, disse que a universidade tem se posicionado a favor da inovação. “A parceria com a UFMA tem dado bons resultados como, por exemplo, as IECTs, que são a nova modalidade para o financiamento de pesquisas no estado, e a implantação do curso de Engenharia Aeroespacial”, afirmou.

O diretor do CLA, Luciano Valentim Rechiuti, destacou as possibilidades e os desafios do curso. “Estamos no caminho certo, que é formar gente nova que possa trabalhar na academia ou no lançamento espacial, promovendo também uma vida melhor para a comunidade de Alcântara”.

O deputado José Reinaldo Tavares diz acreditar que o crescimento do setor será impulsionado mediante os investimentos do governo. “É necessário investir ainda mais na área para transformá-la num centro espacial brasileiro, visando ao desenvolvimento do país no quesito tecnologia”.

A plateia, formada em sua maioria por estudantes de cursos da área de tecnologia, ouviu atentamente o pró-reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Luiz Góes, descrever os desafios do país e as oportunidades que podem surgir. “Os planos vão desde a criação de mestrados profissionais, a implantação do curso, que nos mostram de forma clara a transformação do setor, num país extremamente carente de iniciativas como estas”, enfatizou.

A reitora Nair Portela destacou ainda a relevância do engajamento dos alunos. “É fundamental que os alunos se interessem e participem deste marco histórico para universidade”, afirmou.

Estudante do Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BICT), Paula Melo enxergou no evento uma oportunidade para clarear o seu entendimento sobre o assunto. “Ainda vou decidir qual engenharia seguir, e ouvir os representantes foi bom para ampliar a minha visão sobre curso”, sintetizou.

A primeira palestra, intitulada “Model based design and simulation of Aerospace Systems”,foi ministrada pelo professor Petter Krus, da Universidade de Linkoping, na Suécia.

A programação abordará as seguintes temáticas: “Estruturas Inteligentes e Aplicações Aeroespaciais”; “Modelagem Multifísica e aplicações em sensores e atuadores aeroespaciais”; “Mestrado Profissional (MPSafety)”; “Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (Pese)”; “Programa Espacial Brasileiro: Perspectivas futuras”.

Estiveram ainda presentes na abertura do evento o representante da empresa Visiona, João Paulo Campos, o representante do Estado Maior da Aeronáutica, tenente coronel Alessandro da Mata e o professor Rogério Moreira Lima, representando o reitor da Universidade Estadual do Maranhão.



Fonte: Site da Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Comentário: Muito interessante e parabenizo a UFMA e o Governo Maranhense por essa iniciativa. Quero aqui também registrar o grande trabalho que dois grupos (um universitário e outro do ensino médio técnico) estão realizando visando o engradecendo do nome do Estado do Maranhão nesta área aeroespacial e precisam deste reconhecimento e de apoio para fazerem ainda mais pelo Maranhão e pelo Brasil. O primeiro deles é a equipe “Carcará Rocket Design” da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) , uma das grandes premiadas no ultimo Festival Nacional de Minifoguetes em Curitiba, equipe esta formada por uma galerinha dedicada, extremamente simpática e querida por todos que tiveram a oportunidade de conhece-los. O outro grupo está locado no Instituto Federal do Maranhão (IFMA) sob a coordenação do jovem professor Brehme de Mesquita, e vem realizando pesquisas na área de cansats, cubesats e pequenos foguetes. Grupos emergentes como esses locados em instituições públicas sempre necessitam de apoio governamental para que possam realizar as suas atividades, e um grande exemplo disso é o próprio grupo Carcará da UEMA que, mesmo realizando um grande trabalho de reconhecimento nacional na área de foguetes, tem enfrentado dificuldades para testar seus motores com segurança pela falta de um local adequado para isso, local este que poderia muito bem ser em uma área designada no CLA.

Associação COBRUF Anuncia Projeto Conceitual Preliminar da COBRUF EVA

Olá leitor!

Seguindo com o grande trabalho que vem realizando, a Associação COBRUF anunciou no dia 14/05 em sua página oficial no Facebook o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de trajes espaciais do mundo segundo eles, ou seja, a COBRUF EVA.

Veja abaixo.

Duda Falcão

COBRUF EVA - Competição Brasileira
Universitária de Trajes Espaciais


A Associação COBRUF orgulhosamente anuncia o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de trajes espaciais do mundo: a Cobruf EVA!

Interessados em participar da viabilização desta pioneira competição podem se candidatar à equipe interna da COBRUF pelo seguinte


Curta a página COBRUF no Facebook se você apoia esta iniciativa!

...

Mais sobre o cronograma de desenvolvimento da COBRUF EVA em https://goo.gl/cu3ugZ


Fonte: Associação COBRUF

Bastidores do PEB Entram em Polvorosa

Olá leitor!

Pois é, é isso mesmo leitor, nos últimos dias os bastidores do nosso “Patinho Feio” entrou em polvorosa. Como já não bastasse as grandes duvidas quanto aos acordos em negociação pelo Brasil para o uso comercial da Base de Alcântara por nações estrangeiras, e as inverdades vendidas por esses vermes a Sociedade Brasileira sobre esse desastroso Projeto SGDC, novas informações ainda incompletas e incertas dão conta de que o PEB poderá ser integralmente militarizado com o fim da AEB, do PNAE e ‘pasmem’, até mesmo das atividades espaciais dentro do atual Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE).

Para tanto fala-se na imediata implementação do PESE pelo COMAER, bem como na criação da tal empresa ALADA que ficaria responsável pelas atividades espaciais do país.

Ora leitor, será verdade mesmo??? Bom por enquanto são ainda informações incertas, mas já há uma movimentação dos profissionais do setor, especialmente dentro da AEB (que seria degolada nessa quadro)  para lutar contra essa suposta nova iniciativa do Governo TEMER. Vamos aguardar os acontecimentos.

Duda Falcão

segunda-feira, 22 de maio de 2017

CLA Recebe Embaixada da Coreia do Sul

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada hoje (22/05) no site do “Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)” destacando que o Centro recebeu no dia 17/05 uma comitiva da Embaixada da Coreia do Sul.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

CLA Recebe Embaixada da Coreia do Sul

Publicado: 22 Março 2017


O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) recebeu nesta quarta-feira (17/06), o Embaixador da Coréia do Sul, Jeong Gwan Lee  e comitiva. A visita  teve por objetivo apresentar a infraestrutura operacional  do Centro para realização de atividades de lançamento e rastreio de engenhos espaciais, instalada no município de Alcântara.

A visitação foi iniciada com uma apresentação sobre o CLA, realizada pelo Coronel Engenheiro Luciano Valentim Rechiuti, Diretor do CLA, abordando o histórico das atividades espaciais no Brasil, avanços das atividades espaciais no país, os lançamentos realizados pelo Centro e as perspectivas futuras.

Na sequência, a comitiva conheceu o Centro de Controle, onde ocorre a coordenação das operações de lançamento do Centro, e passaram pelas estações de Telemedidas, Meteorologia e Radar Adour. No Setor de Preparação e Lançamento (SPL), a comitiva da Embaixada Coreana visitou a Casamata, a estrutura reforçada mais próxima das plataformas de lançamentos e que abriga, com segurança parte dos  engenheiros e técnicos envolvidos com as operações.  Por fim, foi realizada a visita na Torre Móvel de Integração (TMI), que é a plataforma que está sendo preparada para a operação do Veículo Lançador de Microssatélites (VLM).



Fonte: Site do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)

Comentário: Se realmente tivéssemos um programa espacial consolidado e com resultados realmente comprovados e de grande relevância como o COMAER fantasiosamente tenta vender a sociedade brasileira, esta visita poderia ser o embrião de uma parceria muito proveitosa, já que a Coreia do Sul pode contribuir muito com o desenvolvimento espacial do país, mas a verdade é que do lado de cá não há este compromisso, infelizmente.

Corpo Técnico da AEB Melhora Com a Chegada de Bons Profissionais

Olá leitor!

Essa manhã fiquei sabendo que no ultimo concurso de nossa Agencia Espacial de Brinquedo (AEB) diferentemente do que se podia imaginar, alguns profissionais de grande experiência e de competência comprovada foram contratados, coisa que me chamou bastante atenção.

É claro que sob a direção de um incompetente Zé Ninguém nada ou quase nada (em teoria) pode ser realizado, mas por um outro lado uma boa equipe leva tempo para ser formada, e caso haja uma mudança na direção deste órgão inócuo e atualmente inútil, pelo menos restará este legado de bons profissionais em seu copo técnico, parte importante para realização de um bom trabalho sob direção competente. A pergunta que fica é, será que esses profissionais permanecerão até lá????

Como exemplo de dois bons profissionais contratos pela AEB cito o Dr. Jaime Augusto da Silva, este contratado para a Diretoria de Transporte Espacial da Agencia e o Dr. Rodrigo Leonardi, este contratado para a Diretoria de Satélites.

A expectativa é que esses dois profissionais possam ajudar muito o PEB nas analises técnicas de suas respectivas diretórias, e segundo a minha fonte o corpo técnico da Agencia parece esta melhorando.

Para quem não sabe o Dr. Jaime trabalhou no projeto do VLS-1 e antes da AEB estava atuando na EMBRAER (até 2010) como Engenheiro de Desenvolvimento de Produto. Saiba mais sobre o Dr. Jaime Augusto da Silva pelo link: https://www.escavador.com/sobre/2067815/jaime-augusto-da-silva

Já o Dr. Rodrigo trabalhou em diversos projetos astronômicos e espaciais da Agencia Espacial Europeia (ESA) e se encontrava no Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) quando foi contratado pela AEB. Saiba mais sobre o Dr. Rodrigo Leonardi pelo link: https://www.linkedin.com/in/rodrigo-leonardi-90a2a190/?ppe=1

O Blog BRAZILIAN SPACE deseja a esses profissionais sucesso em sua nova missão, apesar de achar que mesmo que cheguem motivados em realizar um bom trabalho, pouco poderão produzir sob esta incompetente direção.

Duda Falcão

G.D.Ae. da UFC Faz Parceria Com o SENAI no Ceará

Olá leitor!

No dia 24 de abril passado o “Grupo de Desenvolvimento Aeroespacial (G.D.Ae.)” da Universidade Federal do Ceará (UFC) deu um grande passo visando alcançar os seus objetivos futuros, quando integrantes da equipe apresentaram as suas atividades à representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do estado do Ceará.

Os membros do Grupo foram recebidos no SENAI-CE com muito entusiasmo e grande expectativa, e por meio de futuros encontros serão definidos os detalhes desta importante parceria que, segundo o comunicado do grupo em sua página oficial no Facebook, promete gerar grandes avanços para ambas as partes.


Vale aqui lembrar que, apesar do G.D.Ae. não ter participado do recente Festival Nacional de Minifoguetes em Curitiba-PR (creio eu por falta de recursos), este grupo curiosamente tem agendada (fora as atividades da Associação COBRUF) a única Missão Universitária de lançamento de foguete a ser realizada de um centro de lançamento oficial no Brasil. Trata-se da “Missão Dragão do Mar” (veja aqui) que prevê o desenvolvimento e lançamento de um foguete de propulsão híbrida denominado de HERMES-1 para ser lançado no início de 2018 do Centro de Lançamento Barreira do Inferno (CLBI), em Paranamirim-RN.

Realmente uma missão ambiciosa e complicada, mas que é uma clara demonstração do compromisso e a vontade de mostrar competência desses jovens cearenses.

Avante G.D.Ae

Duda Falcão

Comunicado Importante - CVT Espacial Patina Por Pura Incompetência Dentro da AEB

Olá leitor!

Todos que acompanham diariamente ou com certa assiduidade o Blog BRAZILIAN SPACE sabem que uma de nossas bandeiras é a educação, não sendo por acaso o nosso comprometimento e empenho com a divulgação sobre as atividades de Espaçomodelismo no Brasil.

Por conta disso estou muito preocupado com o que está acontecendo com um dos poucos projetos relevantes dessa nossa Agencia Espacial de Brinquedo (AEB) que infelizmente esta sob a direção desse banana do Sr. Braga Coelho.

Iniciativa de grande relevância para educação espacial no país o “Projeto CVT Espacial” infelizmente continua patinando e sem prazo para sua conclusão.

Segundo informação de fonte confiável, esse projeto de suma importância para todos os níveis de educação espacial no Brasil (fundamental, médio e superior) esta parado (pasmem) numa ‘ciranda de bate e volta’ dentro da própria Agencia por pura e completa INCOMPETÊNCIA da pessoa (ou pessoas) envolvidas em dar prosseguimento com a sua documentação.

Sr. Braga Coelho, como cidadão brasileiro exijo que o senhor tire seu traseiro de sua poltrona confortável e resolva imediatamente esta questão. Se mexa, eu vou cobrar.

Duda Falcão

Equipe de Fogueteiros do Projeto Júpiter da Poli USP Confirma Sua Participação no Spaceport America Cup

Olá leitor!

Recebi uma notícia enviada ao Blog pela jovem Giovana Vucovic, estudante de engenharia da Escola Politécnica (Poli) da USP e integrante da equipe de fogueteiros do “Projeto Júpiter” desta universidade, confirmando que dentro de cerca de dois meses esta equipe participará pela terceira vez consecutiva nos EUA da maior competição de foguetes intercolegial do mundo que, até o ano passado era denominada de Intercollegiate Rocket Engineering Competition (IREC) e a partir de 2017 passou a ser denominada de Spaceport America Cup. Veja abaixo no relato dessa jovem universitária paulista um pouco dessa história e aproveitamos aqui para lembrar que se na América do Norte já existe esta competição internacional de grande sucesso, aqui na América do Sul a galerinha da Associação COBRUF trabalha com grande esforço para que um dia a COBRUF Rockets possa também se tornar a contrapartida sul-americana no hemisfério Sul do planeta, fora o já consolidado Festival Nacional de Minifoguetes da BAR que também pode caminhar nesta direção, e para tanto precisará inicialmente da participação e colaboração de todos os fogueteiros espalhados pelo Brasil, bem como posteriormente a participação de equipes universitárias do todo o mundo. Sucesso a todos (estou na torcida Emersson e Prof. Marchi) e em especial a equipe do “Projeto Júpiter” nesta competição que se aproxima.

Duda Falcão

Logo da equipe.
Grupo universitário de engenharia aeroespacial se prepara para competição mundial Estudantes do Projeto Júpiter levantam verba através de crowdfunding para participar da Spaceport America Cup, que ocorrerá em junho nos Estados Unidos.

Criado em 2014 por um grupo de estudantes da Escola Politécnica (Poli) da USP, a equipe se dedica a desenvolver projetos e pesquisas na área aeroespacial. Os alunos do Projeto Júpiter projetam, constroem e divulgam tudo o que é preciso para dar vida a um foguete que voará até 3 km de altitude.

Do sistema de propulsão à construção da estrutura mais aerodinâmica possível; dos sensores embarcados ao mecanismo de recuperação, o grupo se encarrega de garantir que a cada ciclo anual um novo foguete seja criado com mais qualidade que o anterior. E é com esse foguete que os alunos participam da Spaceport America Cup, ao lado de mais de 100 equipes do mundo inteiro.

A competição avalia alguns aspectos tanto do voo quanto do foguete em si, tais como a altura atingida, a recuperação efetiva do veículo, e a sua carga útil. "Neste ano, procuramos desenvolver um foguete que atingisse o mais próximo dos 3 km que a competição exige, com a maior precisão possível. Isso exigiu inúmeras simulações envolvendo seus diferentes parâmetros, como dimensões, massa e impulso. Estamos confiantes de que esse ano nosso foguete atingirá um patamar satisfatório", relata Rodrigo Schmitt, integrante do grupo.

No final do mês de junho, o evento contará com a presença de 7 equipes brasileiras. Três anos atrás, apenas o ITA participava da competição, até que em 2015, um ano após sua criação, o Projeto Júpiter resolveu assumir o desafio, abrindo espaço para ainda mais grupos do Brasil se desafiarem. "Nossa primeira participação foi um tanto sutil, pois o grupo tinha acabado de nascer. Cumprimos os requisitos básicos para participar e conseguimos o apoio financeiro para a viagem, mas apenas o suficiente para levar 3 membros. Mesmo assim, foi uma porta de entrada importante tanto para nós quanto para as outras equipes brasileiras, que podem ter se inspirado na nossa participação ao lado do ITA", explica.

Em 2016, o grupo construiu um novo foguete, chamado Nabo I. Agora com 7 membros representando a equipe na competição, o Projeto Júpiter conseguiu a colocação de vigésimo quarto, na frente até mesmo de universidades como Yale. "Crescemos e amadurecemos muito rápido como equipe, e por causa disso o projeto desse ano está muito mais ambicioso. Dessa vez, pretendemos ir em 12 pessoas, com o objetivo de levar o projeto do Brasil para os Estados Unidos e garantir ainda mais excelência na sua execução", afirma Rodrigo.

Integrantes da equipe com o foguete NABO I que
participou no ano passado da competição nos EUA.

Em junho, o Projeto Júpiter pretende alcançar uma posição ainda mais expressiva na competição. “Procuramos representar o Brasil da melhor forma possível. Mais do que isso, queremos mostrar que não são apenas os americanos que fazem um trabalho de qualidade na ciência e tecnologia, mas que os brasileiros podem muito bem bater de frente, com tanta qualidade quanto”, conclui.

Com tal ambição, os alunos lançaram uma campanha de arrecadação no ar para poder bancar a viagem dos participantes. Para apoiar diretamente o projeto e receber as recompensas propostas pelos estudantes, entre em: https://www.catarse.me/projetojupiter.


Fonte: Equipe do Projeto Júpiter da Escola Politécnica (Poli) da USP

domingo, 21 de maio de 2017

Escola Pernambucana de Ensino Médio Realiza Lançamento de Foguetes Construídos Por Alunos

Olá leitor!

Veja que notícia curiosa. O Colégio Santa Emília (CSE) da unidade de Cordeiro, em Recife-PE, realizou com os seus alunos do 9º ano, no dia 31/03, na praia do Janga, em Paulista, uma inovadora e interessantíssima aula extraclasse tendo um mix das disciplinas de história, geografia e física, mas com foco principal no lançamento de foguetes construídos em sala de aula sob a orientação do Professor de Física João Neto.

Simplesmente fantástico esta iniciativa dos professores desta escola pernambucana e o Blog BRAZILIAN SPACE não podia deixar de registrara-la.

Veja abaixo leitor algumas fotos deste evento e caso queira conferir mais fotos visite o link: https://www.facebook.com/pg/CSE.UnidadeCordeiro/photos/?tab=album&album_id=1346298342116201

Duda Falcão

sábado, 20 de maio de 2017

Associação COBRUF Anuncia Projeto Conceitual Preliminar da COBRUF CUBE

Olá leitor!

Dando sequencia ao grande trabalho que vem realizando, a Associação COBRUF anunciou dia 17/05 em sua página oficial no Facebook o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de CubeSats do mundo segundo eles, ou seja, a COBRUF CUBE. Veja abaixo.

Duda Falcão

COBRUF CUBE - Competição
Brasileira Universitária de CubeSats


A Associação COBRUF orgulhosamente anuncia o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de CubeSats do mundo: a Cobruf CUBE!

Interessados em participar da viabilização desta pioneira competição podem se candidatar à equipe interna da COBRUF pelo seguinte formulário: https://goo.gl/forms/ojJn7UGcQfOsME5P2

Curta a página Cobruf no Facebook se você apoia esta iniciativa!


Mais sobre o cronograma de desenvolvimento da Cobruf CUBE em https://goo.gl/cu3ugZ


Fonte: Associação COBRUF

Experimento de Alunos da UnB Leva Pela 3ª Vez Plataforma à Estratosfera

Olá leitor!

Um experimento realizado recentemente por alunos da Universidade de Brasília (UnB) levou à estratosfera pela terceira vez uma plataforma de baixo custo denominada de LAICAnSat. O equipamento que tem uma estrutura similar a de um pequeno satélite foi projetado para coleta de dados atmosféricos.

Agora o grupo busca apoio financeiro para realizar um outro lançamento desta vez dos EUA. Veja essa história com mais detalhes na matéria abaixo produzida pela TV BRASIL e exibida ontem 19/05 pelo Programa REPORTER DF desta emissora.

Aproveitamos para agradecer uma vez mais ao nosso leitor e colaborador incansável Jahyr Jesus Brito.

Duda Falcão

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Falta de Recursos Prejudica Defesa, Espaço e Controle Aéreo, Alerta Comandante da Aeronáutica

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (18/05) no site da “Agência Senado” destacando que segundo o que disse em audiência pública o Comandante da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato, falta de recursos prejudica Defesa, Espaço e Controle Aéreo.

Duda Falcão

COMISSÕES

Falta de Recursos Prejudica Defesa e Controle
Aéreo, Alerta Comandante da Aeronáutica

Por Sergio Vieira
Agencia Senado
18/05/2017, 14h27
Atualizado em 18/05/2017, 19h05

Pedro França/Agência Senado
Comandante da Aeronáutica, tenente brigadeiro-do-ar Nivaldo
Luiz Rossato (E), e o presidente da CRE, senador Fernando Collor.

Os cortes de verbas e restrições orçamentárias que atingem o controle de tráfego aéreo nos últimos anos já afetam a confiabilidade do sistema no Brasil. O alerta foi feito pelo comandante da Aeronáutica, tenente brigadeiro-do-ar Nivaldo Luiz Rossato, em audiência pública realizada nesta quinta-feira (18) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE).

- A Força Aérea se ressente dessa falta de recursos. É relativamente grave. O país parou de investir enquanto o custeio não para de aumentar. Isso acaba degradando em parte o sistema, a confiabilidade é prejudicada - alertou.

De acordo com o comandante, os recursos são contingenciados apesar de serem oriundos de tarifas com destinação específica para o setor, não provenientes do Tesouro Nacional.

Amazônia

O comandante também reclamou pelo fato de o Ministério dos Transportes não estar mais repassando à Força Aérea a parte equivalente à manutenção da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).

- A COMARA está há dois anos à míngua. Ou voltam esses repasses ou vamos fechar a COMARA, porque essa estrutura deteriora rapidamente sem manutenção - lamentou.

Por isso, ele pede uma ação no âmbito do Legislativo ou por meio do próprio Ministério dos Transportes para o retorno desses recursos, que chegaram a representar R$ 300 milhões por ano. O setor, segundo o comandante, está consciente da atual conjuntura de restrições orçamentárias, mas acredita que a sociedade brasileira não pode abrir mão de investir pelo menos R$ 100 milhões por ano.

- Talvez seja esse o interesse de grande parte do mundo, que deixemos a Amazônia para que seja transformada numa reserva internacional. Se queremos nossa presença lá, esta é uma responsabilidade da Força que tem que ser dividida com toda a sociedade brasileira - afirmou.

O comandante também pediu atenção urgente para a necessidade de modernizar a frota de aviões-radares, que fazem a vigilância das fronteiras. A quantidade desses instrumentos também vem caindo devido à falta de investimentos, informou Rossato.

Argentina

Outro setor negligenciado cronicamente pelo país, segundo o comandante da Aeronáutica, é o de pesquisas espaciais. O Brasil, informou Rossato, investe somente 0,06% do PIB nessa área, cerca de U$ 100 milhões. A Argentina, observou ele, tem investido cerca de U$ 1,2 bilhão por ano, 12 vezes mais que o Brasil.

- A Argentina, à despeito de ter as mesmas dificuldades que nós, tem percebido melhor a potencialidade do espaço - disse o militar, lembrando que outros países, como EUA, Rússia, China e Índia, investem ainda mais.

O lançamento do satélite geoestacionário no último dia 4 de maio foi um grande passo na avaliação do comandante. Para ele, a iniciativa deve melhorar muito a infraestrutura de comunicação militar e dos serviços de banda larga, inclusive para a Região Amazônica. Por isso, Rossato disse que a Força Aérea está trabalhando na efetivação de um segundo satélite dessa modalidade.

- Investir em satélites, não só o geoestacionário, que ainda não temos, é fundamental para aumentar a produtividade na agricultura e no controle das fronteiras - explicou.

A efetivação dos caças Grippen, uma parceria com a Suécia, e da parceria público-privada visando à gestão da rede de comunicações integradas da Aeronáutica foram outras notícias relacionadas à área destacadas por Rossato durante a audiência na CRE.

Caráter Estratégico

O presidente da CRE, senador Fernando Collor (PTC-AL), disse acreditar que as necessidades básicas de recursos da Força Aérea brasileira precisam ser providas pelo governo "de alguma forma", devido a seu caráter estratégico e a sua importância para a soberania nacional.

- Se vizinhos nossos estão investindo muito mais, temos que estar alertas, não podemos perder essa vantagem que sempre tivemos, mas estamos perdendo - lamentou.

Os senadores Jorge Viana (PT-AC) e Ana Amélia (PP-RS) também manifestaram preocupação com os investimentos em pesquisas espaciais. Viana sugeriu que a CRE tenha como compromisso suprapartidário suprir a Aeronáutica dos recursos mínimos demandados, em suas emendas ao Orçamento.

OBS: Veja abaixo a matéria produzida pela FAB TV sobre a participação do Tenente Brigadeiro-do-ar Nivaldo Luiz Rossato nesta audiência.



Fonte: Site da Agência Senado

Comentário: Pois é leitor, tire um tempo e leia com bastante atenção essa notícia. Note que no que diz respeito ao nosso “Patinho Feio” apesar do Comandante da Aeronáutica cobrar nessa tal de audiência pública de merda recursos para o mesmo, em momento algum ele cita nominalmente o Projeto que deveria ser o carro chefe do PEB e de seu discursos públicos quanto a estas questões, ou seja, o Projeto do VLM-1. Ele só se preocupa em enaltecer o lançamento deste Satélite Frankenstein Frances SGDC e o suposto esforço da FAB para buscar o próximo Satélite de Defesa que certamente será fabricado novamente pela França (vergonha). Leitor, desde a época do Ex-Comandante Saito não há no Comando da Aeronáutica (COMAER) o firme proposito de cobrar desses vermes nada relacionado com veículo lançadores de satélites ou de novos foguetes de sondagens, e essa notícia é mais uma prova disso. O que o Comandante Rossato não disse convenientemente foi que sem um veiculo lançador que atenda as nossas necessidades, jamais seremos autossuficientes no espaço e todo o esforço em comunicações de solo, de satélites desenvolvidos no país ou comprados no exterior (como este vergonhoso SGDC), ou mesmo os investimentos feitos em aviões, submarinos e carros de combates pelas três forças, estarão em risco sem um escudo de proteção adequada perante as nações que dominam o espaço devido a negligencia na busca por esta autossuficiência espacial. Enfim... estamos não só brincando de fazer Programa Espacial e sim também brincando com fogo, e quem faz isso...