quarta-feira, 5 de abril de 2017

Com Foco no Espaço, FAB Destaca Nanossatélite do ITA Durante a LAAD 2017

Olá leitor!

Veja abaixo uma nota postada hoje (05/04) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que foco no espaço, FAB destaca Nanossatélite do ITA durante feira de Defesa.

Duda Falcão

LAAD 2017

Com Foco no Espaço, FAB Destaca
Nanossatélite do ITA Durante Feira de Defesa

Primeiro lançamento do equipamento está previsto
para este ano nos Estados Unidos

Por Ten Jussara Peccini,
Agência Força Aérea
Publicado: 05/04/2017 - 08:00h


O ITASAT, nanossatélite totalmente desenvolvido no Brasil com fins acadêmicos, será lançado neste ano a partir da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia, Estados Unidos, pela SpaceX. A data ainda não está definida. O veículo Falcon 9 levará um satélite de grande porte e mais 80 cubesats, sendo apenas três no padrão 6U (cada U é uma unidade de cubo de aresta 10cm), incluindo o ITASAT. Os demais são de até 3U o que diminui a complexidade do satélite.

O produto é um dos destaques da Força Aérea Brasileira na maior feira de segurança e defesa, realizada de 04 a 07 de abril no Rio de Janeiro.

Desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o nanossatélite é uma iniciativa da Agência Espacial Brasileira (AEB) para o desenvolvimento de satélites universitários. O objetivo é promover a capacitação, especialmente de recursos humanos pelo próprio ITA e outras universidades brasileiras, aplicando o conhecimento aeroespacial na graduação.


“A finalidade é criar diferentes competências nas universidades brasileiras que possuem curso de engenharia aeroespacial”, explica o gerente do projeto, professor Luis Loures.

O ITASAT possui uma configuração de 6U e pesa cerca de 7kg. Está dividido em dois módulos: o de serviço (ou plataforma) e o de carga útil.

O módulo de serviço é responsável pela operação do satélite, como geração e condicionamento de energia, recepção e transmissão de dados, tratamento de dados a bordo, bem como a operação de carga útil em órbita. O software de bordo foi desenvolvido integralmente pela equipe do projeto.

“Em um espaço muito pequeno consegue desempenhar funções que antes eram desempenhadas em satélites maiores. Isso ocorre devido a miniaturização da tecnologia”, explica Loures.

Para o lançamento do primeiro nanossatélite estão planejadas quatro experiências (carga útil) para serem testadas em órbita: o desenvolvimento brasileiro de um transponder de coleta de dados e de um receptor GPS; a câmera COTS e uma experiência de comunicação com a comunidade de rádio amador. O ITASAT é o primeiro satélite a levar a bordo um software de controle de atitude a ser testado em órbita.

“Está havendo uma explosão mundial na tecnologia de nanossatélite e o Brasil também está participando dessa onda”, finaliza o professor.


Conheça as características do ITASAT:

Vida útil estimada: 1 ano
Dimensão: 100 x 226,3 x 340,5 mm (6U)
Subsistema de comunicação de dados: VHF, UHF e S-Band
Subsistema de Alimentação: Painel solar de 5 faces e Baterias de Lítio
Experimentos/cargas úteis: GPS Receiver, Data Collection Transponder, Câmera e Experimento de Comunicação.



Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Bom leitor, primeiramente antes de entrar no assunto da matéria em questão eu gostaria de dizer que o inicio do título desta matéria não condiz com a verdade. A FAB não tem o espaço como foco, já teve na época em que havia compromisso e eles eram o governo, mesmo com poucos recursos, mas não é o caso de agora, pelo menos não por parte dos lideres do atual Comando da Aeronáutica (COMAER) e muito menos desses vermes populistas de merda. Isto é fantasia. Agora, quanto ao nanosatélite ITASAT-1, ele é fruto do conhecimento adquirido e do trabalho da equipe do leão Prof. Dr. Luis Loures e também de outras equipes que o antecederam, estas coordenadas pelos Profs. Davi Fernandes e Eloi Fonseca, sendo que todos esses profissionais estão de parabéns, e não poderíamos aqui deixar de registrar os seus nomes. A César o que é de César. O Blog BRAZILIAN SPACE vive uma grande expectativa quanto a este SATÉLITE BRASILEIRO (esse sim Sr. Braga Coelho) e ficará na torcida para que a sua vida útil estimada seja em muito ampliada, como ocorreu com o Cubesat NanosatC-Br1. Avante ITASAT-1.

2 comentários:

  1. Meus parabéns aos colegas da equipe que avançam bravamente na pesquisa de pequenos satélites. Obrigado Duda pela lembrança, o Dr Loures sempre enfatiza que o resultado das pesquisas nesta área são fruto de etapas anteriores, como foi o caso do prof David Fernandes e em minha gestão, sedimentadas pela persistência e afinco com que o grupo tem se dedicado a esta tarefa. Friso que boa parte dos pesquisadores foram formados durante a pesquisa se especializando e capacitando, este é o maior resultado no processo.
    Apesar de hoje estar na reserva continuo em contato com a equipe do ITASAT, sendo que me orgulho dos resultados obtidos a cada nova etapa vencida, agora como professor na UNESP e pesquisador podemos ampliar a cooperação com o ITA em pesquisas de sistemas de energia e telecomunicações em satélites, uma linha bem promissora.
    O apoio demonstrado pelo Blog ao grupo quando enfrentávamos dificuldades diversas desde pessoal, técnicas e financeiras foi um alento aos alunos e a mim como pesquisador, deixo registrado um agradecimento pessoal.
    Continuo em contato direto com o grupo e vejo com alegria que temos um futuro promissor juntamente com os outros grupos de pesquisa, numa renovação advinda dos jovens pesquisadores sendo a semente da pesquisa aeroespacial plantada desde cedo em iniciativas como o Ubatubasat e Trancredo.

    Abraços cordiais
    prof Dr Elói Fonseca UNESP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Prof. Eloi Fonseca!

      Eu que agradeço o seu depoimento e as suas palavras de reconhecimento ao Blog. Não sabia que estava na reserva e muito menos que agora é professor da UNESP. Espero e torço que, com a sua presença nesta universidade e a sua experiencia nesta área de pequenos satélites, aliado a pesquisadores como o Dr. Othon Winter que é professor nesta mesma universidade, possam surgir dessa desejada parceria projetos cada vez mais ambiciosos utilizando para isto a tecnologia da plataforma cubesat, inclusive projeto de espaço profundo. Sucesso Prof. Eloi e mantenha contato.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir