quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Argentina 12 x 1 Brasil

Olá leitor!

No dia 05/09 passado publiquei aqui no BLOG um interessante artigo intitulado O Programa Espacial Para 2020”, escrito que foi pelo pesquisador do INPE, Mario Eugenio Saturno, artigo este que foi o segundo de uma série de quatro sobre o PEB que serão publicados por este pesquisador. Como não havíamos publicado o primeiro artigo desta série que saiu na semana passada, o próprio autor nos enviou via e-mail o artigo em questão que publicamos agora para os nossos leitores.

Duda Falcão

Argentina 12 x 1 Brasil

Por Mario Eugenio Saturno*

A Comissão de Ciência e Tecnologia do Congresso Nacional convidou o Tenente Brigadeiro do Ar Nivaldo Rossato para expor sua visão sobre o Programa Espacial Brasileiro.

O que mais causou espécie em sua apresentação foi o fato da Argentina investir 1,2 bilhão de dólares por ano em média, enquanto o Brasil investe apenas cem milhões. Realmente é muito estranho, como pode um país que tem um PIB de cerca de um quarto do nosso investir 12 vezes mais? E o território da Argentina é apenas um terço do Brasil.

Convivi quase dois anos com os tecnologistas da INVAP na fábrica de Bariloche, aprendi muito com eles -triste admitir isso-, e o que mais me impressionou foi o pragmatismo deles. O que talvez explique o porque cancelaram o programa de foguetes para ter apoio da NASA. Tiveram a oportunidade e aprenderam! Já fizeram diversos satélites, inclusive dois geoestacionários de comunicação (ARSAT).

Enquanto muitos brasileiros estão a acreditar na paralisação do Programa Espacial Argentino, em julho passado, anunciaram que a Hughes, empresa norte-americana, está associando-se à ARSAT para lançar o terceiro satélite de telecomunicações argentino, investindo cem milhões de dólares. Fato comemorado pelo presidente Macri -tido como inimigo da área espacial-. Outros 180 milhões serão investidos pelo governo argentino, mostrando que a crise não afeta tanto.

A Argentina ainda está terminando dois satélites radar, o SAOCOM (Satélite Argentino de Observação Com Microondas) é um sistema de satélites de observação terrestre equipados com um radar de abertura sintética (SAR) em banda L, com lançamento programado para 2018. Exatamente o que os cientistas do INPE querem para observar a Amazônia e o mar, mas o desenvolvimento do brasileiro parou. Os argentinos farão quatro satélites radar, o Brasil nenhum.

Outra observação a ser feita é que os dois satélites operarão em conjunto com os quatro satélites COSMO-SkyMed equipados com SAR de banda X da Agência Espacial Italiana, criando uma constelação para o Sistema Ítalo-Argentino para Gestão de Emergências (SIASGE). Um acordo internacional realmente útil e que o Brasil também necessita.

E os acordos do Brasil? O primeiro e mais importante é o CBERS, um programa de sensoriamento remoto em que o Brasil fabrica equipamentos que já sabe fazer e os chineses cuidam do controle e lançamento, coisa que não temos e eles não permitem que os brasileiros aprendam. Como este projeto envolve viagens para a China, ou seja, diárias gordas, as vagas são disputadas a tapa. Qualquer um vai observar que do lado chinês só tem engenheiros “trainee” enquanto que do lado brasileiro somente cabelos grisalhos... Novos, somente com a aposentadoria dos velhos. Com a prioridade de recursos humanos e financeiros, o CBERS sabotou todos os outros programas.

Para o CBERS, o Brasil investiu muito na criação de câmaras, são enormes, caras e que produzem imagens que os usuários não querem. Quando se tentou vender as imagens, ninguém comprou. Então passaram a distribuir de graça! Sem a gratuidade... Para que fazer no Brasil o que se pode comprar no mercado por uma fração do preço?

* Mario Eugenio Saturno é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

11 comentários:

  1. Com todo o respeito ao Sr. Mário Eugênio, acho que ele dá uma ênfase exagerada aos satélites, provavelmente reflexo da área da qual ele provêm.No entanto o que mais necessitamos no momento são lançadores próprios, isso se realmente desejarmos ser uma nação verdadeiramente soberana.

    ResponderExcluir
  2. Uma merreca distribuída em 25 projetos diferentes e no final nada fica pronto.Penso que na área de lançadores o descaso é total.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom ver que gente que conviveu de perto com o problema vem a público relatar isto, que a maioria de nós, que acompanha de perto o PEB vislumbrava. Vou afirmar mais uma vez: o Programa Espacial Brasileiro somente irá em frente no dia em que separar as atividades civis das militares, implodir a estrutura atual e reconstruir as bases para um nova Agência Espacial Brasileira. E claro, fora de Brasília. Isto, se o corporativismo que impera no INPE não for mais forte que a decisão legislativa e executiva em se pensar, pelo menos uma vez, no Brasil.

    ResponderExcluir
  4. Vou repetir mais uma vez: dizer que a Argentina investe U$S 1,2 bilhão por ano em média na área espacial é piada! No ano 2017 a despesas orçamentadas da Conae (Comisión Nacional de Actividades Espaciales) serão de apenas U$ 110 milhões!!($ 1.740,5 milhões de Pesos argentinos). Abraço

    ResponderExcluir
  5. Fico muito satisfeito em ver que há brasileiros que acreditam que o Brasil precisa de foguetes e satélites. O sentimento interno é que o apoio em verbas reflete o apoio popular...

    Não esquecer que, como foi frisado pelo Duda, este é o primeiro de três artigos já prontos e um quarto em gestação (preciso de mais coragem para admitir que os argentinos nos passaram e só teremos programa espacial junto com eles - ao menos nossa nação é mais rica). De qualquer forma, foguete nas mãos dos militares é um convite a não dar certo, tem que ser repensado.

    E, de fato, a vinculação militar é um fardo para o boicote (itar). Como os argentinos estão conseguindo evoluir? Temos que investigar isso melhor.

    Um problema grave, dizem, é a falta de pessoal. Muitos projetos para poucos tecnologistas. Será? A Argentina fez milagre? Emplacaram até Papa, mas não creio. Parece mais gestão e pragmatismo. E muitos acordos internacionais que somam.

    Quanto ao orçamento argentino, se lerem com atenção verá que escrevi logo no início “o que mais causou estranheza foi o quanto investem”, realmente gostaria de entender o cálculo do Ten.Brig.Ar Nivaldo. Penso em duas coisas, o valor está em reais e consideram o investimento feito por outras nações em projetos conjuntos, o que me parece razoável. Por exemplo, o CBERS custa o dobro do que o Brasil investe.

    Sugiro ao Duda, que na introdução do meu terceiro artigo que coloque os links dos dois anteriores. Quem leu o Relatório do TCU percebe que um artigo de jornal nem arranha a complexidade da área.

    Grato!

    ResponderExcluir
  6. Hola Estimado Duda,

    Luego de leer detenidamente este artículo, me surge la siguiente pregunta:
    ¿Existe un PLAN ESPACIAL DE BRASIL? ¿Esta dicho plasmado en algún documento al que podamos acceder?

    Saludos
    Gustavo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola Gustavo!

      Hay un plan sí y es una tremenda broma. Se llama "Programa Nacional de Actividades Espaciales 2012 - 2021 (PNAE)". Puede ser accedido por el enlace:

      http://www.aeb.gov.br/wp-content/uploads/2013/03/PNAE-Portugues.pdf

      Saludos desde Brasil

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Muchas gracias Duda!
      Ya lo he descargado para leerlo durante los próximos días.

      Saludos cordiales
      Gustavo

      Excluir
    3. Hola Gustavo!

      No hay de qué amigo, disponga e intente divertirse de ella, pero sepa que en la mayoría de lo que está escrito en ese documento o son pura fantasía, o ha sido cancelado o incluso iniciado. Yo suelo decir que ese documento es un libro a color no sirve ni como papel higiénico, ya que su textura no sería adecuada.

      Saludos desde Brasil

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  7. Brazil is famous for football. It won lots of championships.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ta ai galera, tava demorando, mas apareceu a ironia. Alguém vai contestar??? Quem planta, colhe.

      Att,

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir